Futebol

CBF rechaça mudar fórmula do Brasileirão e adequar calendário ao europeu

São Paulo , SP
21/03/2020 18:30:15

Em: Athletico-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Botafogo, Bragantino, Brasil, Brasileiro Série A, Ceará, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Futebol, Gazeta Press, Goiás, Grêmio, Internacional, Notícias, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport, Times, Vasco

Neste sábado, o Secretário Geral da CBF, Walter Feldman, voltou a falar sobre as mudanças no futebol brasileiro por conta da pandemia do Covid-19. Em entrevista à Rádio Bandeirantes de Porto Alegre, o dirigente rechaçou mudar a fórmula do Campeonato Brasileiro de 2020 e adequar o calendário ao europeu.

Com os jogos suspensos por tempo indeterminado, os estaduais podem ocupar datas e inviabilizar o Brasileirão de pontos corridos com 38 rodadas quando a bola voltar a rolar. Ainda assim, Feldman nega que a fórmula da competição será alterada.

“A mudança de fórmula do Campeonato Brasileiro está descartada”, pontou. “O desejo nosso, expresso pelo presidente Caboclo, é que a gente possa encontrar datas para os estaduais serem encerrados”, complementou o Secretário Geral.

Para solucionar o problema de datas, há quem sugira adequar o calendário brasileiro com o europeu. Feldman, entretanto, também mostra que a CBF é contra esta medida.

“Não existe a possibilidade do calendário do futebol brasileiro ser adequado ao do futebol europeu”, declarou.

Ainda na mesma entrevista, Walter Feldman afirmou que a previsão da entidade máxima do futebol brasileiro é que as atividades retornem entre maio e junho. Segundo ele, entretanto, trata-se de um prognóstico, que pode mudar, dependendo de como a epidemia do Covid-19 se propague no país.




  • mauri borges

    Gostaria de saber porque essa resistência??

    • Lucas

      Tradição, temos nossa tradição, não precisamos imitar ninguém, do mais o verão europeu é diferente do nosso…

      • Eder Rodrigues

        A questão é que dia após dia nosso campeonato perde espectadores, ao contrário do europeu. Então acredito que seja hora de revermos nossas “tradições”, do contrário as “tradições” vão desaparecer, já que as novas gerações está cada dia mais ignorando nossos campeonatos.

        • Lucas

          Muito pelo contrário, 2019 foi a segunda melhor média de público do Brasileirão, só perdendo para 1983, então a tradição está mais forte do que nunca…

    • Dr. Karl

      Porque quem manda no futebol brasileiro são as federações e não os clubes. Os campeonatos regionais são um grande problema para termos um calendário compatível com o Europeu. Infelizmente é o interesse dos corruptos prevalecendo contra a decisão mais óbvia e melhor que seria a mudança do calendário.

    • Dario Alves

      Simples porq tem os campeonatos da Comeboll que seriam matidos nas datas q já existem, e como federaçao independente nao vai mudar só para satisfazer o Brasileiro

  • Ricardo Gomes da Silva

    Eu acho que o problema não é ter calendário igual ao europeu (começando em agosto e acabando em junho), o problema é de gestão dos clubes e das federações.

    Podemos mudar para o sistema europeu que não vai mudar a incompetência daqui.

    • SFC – O Maior entre os maiores

      isso tambem ! eu sou favoravel a mudança do calendário para os clubes não ficarem montando e remontando elencos a cada janela, isso facilitaria, mas com certeza os dirigentes tem que ser mais profissionais tambem, senão nada valerá o esforço.

  • Ricardo Gomes da Silva

    Eu gosto do pontos corridos, mas diante do abismo que o cheirinho vai abrindo para os outros, começo a pensar em apoiar a volta do mata-mata no brasileirão.

  • Rodrigo Vieira Dos Santos

    Enquanto tivermos essas múmias velhas na diretoria da CBF esse calendário horrível vai continuar os clubes deveriam se unir e fazer seu próprio campeonato nacional assim como aconteceu na europa.

    • SFC – O Maior entre os maiores

      criar uma liga independente mas cade a união dos clubes ? a CBF mexe os pauzinhos lá e a FIFA ameaça com punições e esvazia tudo. Nunca teremos clubes fortes enquanto não mudar a concepção desses dirigentes amadores.