COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Peru precisa ganhar para ter chances de avançar para as oitavas da Copa (Foto: Yuri Cortez/AFP)

A seleção peruana realizou o seu último treino em Moscou antes de viajar para Ecaterimburgo, cidade onde enfrentará a França em jogo que definirá o seu destino na Copa do Mundo. Após muita chuva, o sol saiu na capital russa e permitiu que o treinador Ricardo Gareca comandasse uma atividade nesta terça-feira.

O meio campista Renato Tapia e o atacante André Carillo seguem com problemas físicos e treinaram no lado do gramado sem o restante do elenco. Enquanto o primeiro ainda é dúvida para o próximo jogo, o segundo deverá estar em campo contra a equipe europeia.

Tapia, que deixou a partida contra a Dinamarca, tentou participar da atividade com o restante do elenco. No entanto, o preparador físico o chamou para fazer um trabalho específico no lado do gramado.

A expectativa é que Gareca realize algumas mudanças na escalação para a partida contra a França, na quinta-feira, às 12 horas (de Brasília). Caso Tapia não jogue, Pedro Aquino deverá entrar no time. Além disso, Paolo Guerrero deverá ser o titular no lugar de Christian Cueva.



Nesta terça-feira, o confronto entre Senegal e Polônia fechou a primeira rodada da fase de grupos da Copa do Mundo da Rússia. Melhor para os primeiros, que, em meio a um jogo carente de chances claras de gol, foram superiores e ainda contaram com uma porção de sorte para conquistarem a vitória por 2 a 1.

Até a metade do segundo tempo, as seleções pouco fizeram em termos ofensivos. Quando chegaram à frente, a falta de pontaria impediu que o placar fosse mais movimentado. Tanto é que, no primeiro gol do jogo, a equipe africana contou com a infelicidade do defensor Thiago Cionek, que desviou contra a própria meta.

Até levarem o segundo, os poloneses quase não ofereceram perigo ao gol adversário, com a exceção de uma falta cobrada pelo atacante Lewandowski, no início da etapa final. O gol de Niang, o segundo de Senegal, por sinal, surgiu de outra falha da zaga. Só a partir daí que a Polônia começou a jogar, e terminou a partida com nove chutes a gol, sendo quatro na meta defendida por N’Diaye. Um entrou, já no final, com a cabeçada de Krychowiak. Pelo lado africano, foram seis chutes, apenas dois na meta, o que mostra o oportunismo nas finalizações.

A Polônia também acabou o jogo com uma posse de bola maior, de 59%, graças à necessidade em pressionar a seleção adversária nos minutos finais. Foram 452 passes completos para os poloneses, cerca de 200 a mais que os senegaleses. Mesmo assim, os primeiros não foram capazes de converter o domínio da redonda em criação de jogadas de ataque.

A atuação defensiva de Senegal também merece destaque, já que o time suportou bem a pressão final dos rivais. Foram 39 bolas afastadas, contra apenas 24 da seleção alvirrubra. O número de faltas cometidas também foi superior, de 15 contra somente oito, respectivamente.

Senegal e Polônia voltam a atuar pela Copa do Mundo da Rússia no próximo domingo. Às 12h (no horário de Brasília), os africanos enfrentarão o Japão, em Ecaterimburgo, no duelo que colocará frente a frente os dois líderes do Grupo H. Às 15h, os europeus encaram a Colômbia, em Kazan.



Uma seleção africana finalmente venceu na Copa do Mundo da Rússia na tarde desta terça-feira. Autor de um dos gols do triunfo do Senegal sobre a Polônia, o atacante Mbaye Niang teve atuação decisiva para o resultado alcançado no Estádio do Spartak.

No primeiro gol, ele ganhou de Lukasz Piszczek e deu a bola para Sadio Mané assistir Idrissa Gana Gueye. No segundo, autorizado a voltar a campo pela arbitragem, o atacante foi esperto para aproveitar vacilo entre Jan Bednarek e o goleiro Szczesny Wojciech.

Nascido na localidade francesa de Meulan-en-Yvelines, o centroavante de 23 anos de idade e 1,84m de altura iniciou a carreira profissional pelo Caen, mas aceitou defender Senegal, país de seus pais. Atualmente, emprestado pelo Milan, Niang veste a camisa do Torino.

Com três pontos ganhos, Senegal divide a ponta do Grupo H da Copa do Mundo com o Japão, que mais cedo bateu a Colômbia pelo mesmo placar. Pela segunda rodada, às 12 horas (de Brasília) deste domingo, africanos e asiáticos disputam a liderança isolada da chave.




Neymar e Philippe Coutinho atuam juntos na Seleção desde o sub-15 (Foto: Pedro Martins/MoWA Press)

Philippe Coutinho não revelou mais detalhes do incômodo físico que tirou Neymar do treinamento desta terça-feira, em Sochi. Após a atividade, o autor do gol canarinho contra a Suíça concedeu entrevista coletiva, porém, garantiu não ter informações extras sobre o estado do craque da equipe, que prontamente foi atendido pelo doutor Rodrigo Lasmar e o fisioterapeuta Bruno Mazziotti.

“Vi o que vocês viram, não conversei com ele depois. Estava com a minha família, minha filha. Hoje foi dia de recuperação, acredito que ele tenha sentido somente um pouquinho de dor, isso é normal”, afirmou Coutinho, procurando tranquilizar a torcida.

Tido como um dos atletas mais próximos de Neymar pelo fato de vestir a camisa da Seleção Brasileira ao lado do camisa 10 desde as categorias de base, Philippe Coutinho também falou sobre as dificuldades que seu companheiro teve na estreia da Copa do Mundo, no último domingo.

Neymar recebeu nada mais, nada menos que dez faltas em Rostov. Nenhum jogador havia sido tão caçado em um jogo de Copa do Mundo desde 1998, quando Alan Shearer, da Inglaterra, também teve de lidar com a violência dos jogadores da Tunísia no Mundial da França.

“O Neymar é muito visado. Ele chega no campo e recebe muitas faltas, muitas pancadas. Claro que o nosso forte é coletivo. Em um jogo ou outro, algum jogador irá se destacar. Mas, o nosso forte é o coletivo, isso é o mais importante. Cada um tem suas responsabilidades no seu setor para o bem coletivo”, completou o jogador do Barcelona.

Embora tenha enfatizado a importância do jogo coletivo da Seleção Brasileira, algo bem mais perceptível com Tite à beira do campo que na época em que Dunga comandava o time canarinho, Philippe Coutinho não escondeu a vantagem de contar com Neymar entre os 11 iniciais.

“O Neymar é um dos melhores jogadores do mundo. Jogar com ele no nosso time é um grande ‘plus’ para a gente, é um jogador importantíssimo para a nossa equipe. Quando ele está em campo, para nós é uma ajuda impressionante, porque ele é um grande craque, corajoso, que sempre encara os adversários, cria jogadas”, concluiu.

A Seleção Brasileira volta a treinar nesta quarta-feira em trabalho fechado à imprensa e sem coletiva. Após a atividade, a delegação viaja para São Pertersburgo, onde na sexta-feira terá pela frente a Costa Rica, pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo.



Inglaterra venceu a Tunísia por 2 a 1 com dois de Kane<br />(Foto: Mark Ralston/AFP)

A estreia da Inglaterra na Copa do Mundo não foi fácil, com a vitória sendo decretada por Harry Kane apenas nos acréscimos. E todo o sofrimento foi acompanhado de perto por grande parcela da população. Os índices de audiência do canal de televisão britânico BBC apontaram que a vitória sobre a Tunísia por 2 a 1 foi o evento mais assistido de 2018.

Detalhe curioso é o que duelo do Mundial superou nada mais, nada menos que o casamento real, realizado no último mês de maio entre o príncipe Harry e a atriz Meghan Markle. Segundo a BBC, 18,3 milhões de pessoas acompanharam a estreia do English Team, além de 3 milhões de espectadores via streaming.

A seleção inglesa volta a campo no próximo domingo, às 9h (de Brasília), quando enfrenta o Panamá, em Nizhny Novgorod. O time de Southgate está em segundo do Grupo G, com três pontos, perdendo no saldo de gols para a Bélgica.



De volta à Copa do Mundo após 16 anos, Senegal estreou na Rússia de maneira bem-sucedida durante a tarde desta terça-feira. Em falhas da defesa polonesa, o time comandado pelo ex-meio-campista Aliou Cissé ganhou por 2 a 1 no Estádio do Spartak.

O Senegal saiu na frente em um gol contra marcado pelo brasileiro Thiago Cionek e aumentou por meio de Mbaye Niang. Grzegorz Krychowiak descontou. Com três pontos ganhos, a seleção africana divide a ponta do Grupo H com o Japão, que mais cedo bateu a Colômbia pelo mesmo placar.

Pela segunda rodada, às 12 horas (de Brasília) deste domingo, Senegal volta a campo para disputar a liderança isolada da chave com os japoneses, em Ecaterimburgo. Às 15 horas do mesmo dia, na Arena Kazan, a Polônia tenta a recuperação contra a Colômbia.

O Jogo – O confronto entre Polônia e Senegal não teve muitas emoções durante a etapa inicial. A equipe europeia manteve a posse de bola na maior parte do tempo, mas, sem objetividade, não conseguiu criar oportunidades de gol e ainda acabou vazada pelo adversário africano.

O Senegal inaugurou o marcador aos 37 minutos do primeiro tempo. O meio-campista Idrissa Gana Gueye recebeu na entrada da área e bateu. Na tentativa de interceptar o chute, o zagueiro Thiago Cionek, nascido em Curitiba, matou o goleiro Wojciech Szczesny.

O centroavante Robert Lewandowski, maior artilheiro da história da Polônia, foi bem marcado pela defesa senegalesa, formada pelos gigantes Salif Sané (1,96m) e Kalidou Koulibaly (1,95m). Assim, o goleiro Khadim N’Diaye praticamente não teve trabalho.

A Polônia voltou acesa para o segundo tempo e, logo aos cinco minutos, Sané recebeu cartão amarelo por falta sobre Lewandowski nas imediações da grande área. Na cobrança, o próprio centroavante do Bayern de Munique bateu para defesa de N’Diaye.

Aos 15 minutos, o Senegal acabou com a empolgação polonesa em mais uma falha da defesa rival. Após recuo do meio de campo de Grzegorz Krychowiak, Jan Bednarek bateu cabeça com o goleiro Szczesny e Mbaye Niang se antecipou para marcar. Os europeus reclamaram, já que o atacante havia acabado de voltar ao campo.

A Polônia ainda conseguiu diminuir a diferença cinco minutos antes do fim do tempo regulamentar. Após cobrança de falta na grande área, Krychowiak cabeceou com sucesso. Por suspeita de impedimento, o lance foi analisado pelos árbitros de vídeo e confirmado como legal.

FICHA TÉCNICA
POLÔNIA 1 x 2 SENEGAL

Local: Estádio Spartak, em Moscou (Rússia)
Data: 19 de junho de 2018 (Terça-feira)
Horário: 12 horas (de Brasília)
Árbitro: Shukralla (Bahrein)
Assistentes: Tulefat Yaser (Bahrein) e Al Marri Taleb (Catar)
Cartões amarelos: Krychowiak (POL); Sané, Gueye (SEN)
Gol:
POLÔNIA:
 Krychowiak, aos 40 minutos do 2º Tempo
SENEGAL: Cionek (contra), aos 37 minutos do 1º Tempo, e Niang, aos 15 minutos do 2º Tempo

POLÔNIA: Szczesny; Piszczek (Bereszynski), Cionek, Pazdan e Rybus; Blaszczykowski (Bednarek), Krychowiak, Zielinski e Grosicki; Milik (Kownacki) e Lewandowski
Técnico: Adam Nawalka

SENEGAL: N’Diaye; Wagué, Koulibaly, Sané e Sabaly; Mane, N’Diaye (Kouyaté), Gueye e Ismaila; Diouf (N’Doye) e Niang (Konaté)
Técnico: Aliou Cissé



O Japão não pode se entusiasmar demasiadamente com a vitória por 2 a 1 sobre a Colômbia, conquistada na manhã desta terça-feira, na Arena Mordovia, em duelo que marcou a estreia de ambas as seleções na Copa do Mundo da Rússia. A afirmação é do técnico nipônico Akira Nishino, que exaltou a postura de seus comandados em campo.

“Esta é apenas uma vitória e três pontos, então vamos segurar nossa comemoração”, pediu o treinador nipônico, ciente de que tirou vantagem da segunda expulsão mais rápida da história dos Mundiais.

“Fomos bem agressivos desde o começo e, obviamente, tivemos uma vantagem por ficar com um jogador a mais no início”, admitiu o treinador, referindo-se ao cartão vermelho aplicado ao volante Carlos Sánchez, que cometeu pênalti aos dois minutos de jogo, após cortar um chute com o braço dentro da área.

Após abrir o placar, mesmo com um homem a mais, o time asiático diminuiu o ritmo e acabou cedendo o empate no fim da etapa inicial, quando Quintero marcou de falta. “Não terminamos o primeiro tempo muito bem. Então, eu disse no intervalo que, se conseguíssemos manter a bola em movimento, poderíamos cansar os jogadores da Colômbia”, revelou.

Na etapa complementar, utilizando bem a troca de passes, o Japão envolveu a Colômbia, criou oportunidades e chegou ao gol de desempate aos 27 minutos, com o atacante Osako, que aproveitou cobrança de escanteio para subir entre os zagueiros e testar para a rede.

“Acho que foi uma boa estratégia, porque melhoramos no segundo tempo. O ataque foi bem, propusemos o jogo e criamos chances. Os jogadores foram agressivos desde o começo e acho que isso funcionou bem para nós”, concluiu.

Com três pontos ganhos, o Japão volta a campo no próximo domingo, às 12 horas (de Brasília), para tentar encaminhar a sua classificação às oitavas de final diante de Senegal, em Ecaterimburgo, pela segunda rodada do Grupo H da Copa do Mundo.



Cristiano Ronaldo durante treinamento com a seleção de Portugal (Foto: Francisco LEONG / AFP)

Rivais nesta fase de grupos da Copa do Mundo, Cristiano Ronaldo e Carlos Queiroz, técnico do Irã, já se conhecem há muito tempo no futebol. Além de serem do mesmo país, os dois trabalharam juntos no Manchester United, quando um era o astro da equipe inglesa e o outro auxiliar técnico de Alex Ferguson. Por isso, o treinador da seleção asiática não esperou o encontro entre os dois para elogiar o atacante do Real Madrid.

“Cristiano é um solista que diz ‘se a orquestra precisar de um pianista, violinista ou violoncelista não tem problema, eu consigo tocar´. Já Messi é um jogador diferente, consegue ser o melhor solista, mas também se faz de maestro, conseguindo fazer render o máximo de seus companheiros de equipe”,  afirmou o atual treinador do Irã em entrevista ao jornal El País.

“Nós trabalhamos juntos há algum tempo, conheço ele desde o Sporting. Agora, vamos chegar em um acordo entre nós: Cristiano nasceu para ser o melhor jogador do mundo. Se estiver disposto a trabalhar e caminhar para ser o melhor do mundo, eu estou disposto a trabalhar contigo”, continuou Queiroz.

Por fim, o treinador destacou que, para ser o melhor, é preciso dedicação e foco ao extremo. “Há um preço a pagar na vida quando você quer ter sucesso. Vai para casa, pensa e amanhã conversamos e começamos um novo dia de trabalho. Já é um ótimo jogador de futebol. Mas ser o melhor é outra coisa, é algo muito difícil”.