Gazeta Esportiva

Daniel Alves pede luta organizada pela união dos povos e cita Mandela

São Paulo, SP

08/06/20 | 17:33

O camisa 10 do São Paulo Daniel Alves publicou nesta segunda-feira em suas redes sociais uma mensagem em prol da união dos povos. Observando os protestos e movimentações recentes contra o racismo, o atleta defendeu uma luta organizada de todos, sem diferenciação por classes sociais.

O veterano também citou o ex-presidente e líder social sul-africano Nelson Mandela como um exemplo a ser seguido.

"A união dos povos consistem em não diferenciar classes sociais, todos somos todos. Lutar sem organização é gritar para ouvidos surdos. Quanto mais organizados formos, mais objetivos conseguiremos, mais vozes teremos e mais possibilidades de vitória alcançaremos!O MANDELA LUTOU ORGANIZADAMENTE CONTRA DOMINAÇÃO NEGRA E BRACA PARA QUE A SOCIEDADE FOSSE DEMOCRATA E LIVRE, PARA QUE TODOS VIVESSEM JUNTOS E EM HARMONIA. 'Um dos maiores líderes sociais visto'
como não seguir seus passos? 'LUTAR DE VERDADE É ABDICAR O EU PELO NÓS'. A maior força da humanidade são seus povos UNIDOS, separados são apenas alvos de bandidos!", escreveu em seu Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

A união dos povos consistem em não diferenciar classes sociais, todos somos todos. Lutar sem organização é gritar para ouvidos surdos. Quanto mais organizados formos, mais objetivos conseguiremos, mais vozes teremos e mais possibilidades de vitória alcançaremos! O MANDELA LUTOU ORGANIZADAMENTE CONTRA DOMINAÇÃO NEGRA E BRACA PARA QUE A SOCIEDADE FOSSE DEMOCRATA E LIVRE, PARA QUE TODOS VIVESSEM JUNTOS E EM HARMONIA. “Um dos maiores líderes sociais visto” como não seguir seus passos? “LUTAR DE VERDADE É ABDICAR O EU PELO NÓS” A maior força da humanidade são seus povos UNIDOS, separados são apenas alvos de bandidos! #AMOR #PAZ #RESPEITO #ESPERANÇA #VIDA #DIGNIDADE #SABEDORIA

Uma publicação compartilhada por Dani Alves (@danialves) em

No último domingo, Dani Alves também fez outra postagem de cunho político, pedindo para seus seguidores assinarem uma petição que pede a saída de 20 mil garimpeiros - e potenciais portadores de coronavírus - das terras Yanomami, no norte do país.

Deixe seu comentário