Análise: São Paulo tem noite infeliz e perde pontos preciosos no Morumbi

Redação - São Paulo,SP

27/06/22 | 06:00 - 26/06/22 | 22:44

O São Paulo ficou apenas no empate de 0 a 0 com o Juventude na noite deste domingo, em pleno Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado foi péssimo para o time paulista, que tem justamente o Nacional como sua principal prioridade no ano.

O Tricolor até pressionou os rivais, mas pecou muito na hora de finalizar. Segundo dados do Footstats, o clube arrematou 27 vezes contra a meta adversária. Destes chutes, porém, somente oito foram no alvo e nenhum deles deu muito trabalho para o goleiro César.

Muitas destas tentativas, aliás, foram pelo alto. Com dificuldades para encontrar espaços na defesa adversária, o São Paulo abusou dos cruzamentos. A pontaria dos passadores e dos finalizadores, entretanto, não estava calibrada. Foram 52 bolas alçadas na área. Destas, 38 foram erradas e somente 14 corretas.

“Sendo bem objetivo, faltou o gol. Criamos oportunidades claras. Acho que nunca tivemos tantas chances como hoje. Duas muito claras, dentro da pequena área. Mas, infelizmente, hoje não se transformou em gol tudo o que criamos. Infelizmente não fomos felizes nas conclusões. Foi uma infelicidade a gente não sair com a vitória. Acho que foi o jogo com mais volume do ano”, analisou Rogério Ceni.

Com o resultado, o São Paulo ficou na oitava colocação, com 19 pontos. O clube está a cinco pontos do Internacional, que abre o G4 da competição.

O empate com o então lanterna do campeonato, portanto, é péssimo para as pretensões do clube do Morumbi. Isso porque o Ceni deixou claro, em diversas vezes, que a prioridade do Tricolor é chegar à Libertadores de 2023 por meio do Brasileirão. Acontece que nas últimas duas partidas em casa, a equipe somou apenas um ponto, algo que não pode ocorrer em um time que sonha em brigar pelo G4.

“Hoje era essencial os três pontos. Era muito importante chegar aos 21 pontos. Mas não deu. Você não consegue os três pontos dentro de casa, criando o número de chances que criamos, é ruim. Mas é ter calma, viver dia após dia”, disse o técnico.


Deixe seu comentário