Ruptura do LCA e problema no menisco: entenda lesões e veja quanto tempo Dudu deve desfalcar o Palmeiras - Gazeta Esportiva
Gazeta Esportiva

Ruptura do LCA e problema no menisco: entenda lesões e veja quanto tempo Dudu deve desfalcar o Palmeiras

Felipe Leite - São Paulo,SP

Publicação 29/08/23 | 08:00

Dudu teve uma ruptura do ligamento cruzado anterior e uma lesão no menisco durante a partida contra o Vasco, pela 21ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. Mas o que significa? Quanto tempo o 'Baixola' vai ficar de fora? A Gazeta Esportiva conversou com médicos para entender melhor o que aconteceu e o processo de recuperação do ídolo do Palmeiras.

O que é o ligamento cruzado anterior (LCA)?

O joelho humano tem dois ligamentos que se cruzam, explicou o Dr. Karl Elliot K. Senske, da área de ortopedia e traumatologia dos hospitais da Rede D'Or, LeFort, Ana Costa e Intermédica. O da frente é o cruzado anterior — mais frequentemente lesionado — e o de trás é o cruzado posterior. O anterior impede que o osso da perna, em relação ao fêmur, vá para a frente. O posterior faz o contrário.

O LCA é o principal estabilizador do joelho contra a anteriorização da tíbia, adicionou o Dr. Gustavo Bigliazzi Moreira, ortopedista e cirurgião de joelho do Hospital Pitangueiras e São Vicente, ambos em Jundiaí, no interior do estado de São Paulo.

(Foto: Reprodução)


Como ocorre a lesão?

Na lesão em si, o mecanismo rotacional, associado com a anteriorização da tíbia, provoca a lesão do LCA. Esse mesmo mecanismo provoca lesões meniscais — sendo a mais comum a lesão do menisco lateral (externo), afirmou Bigliazzi Moreira.

É mais comum de acontecer sem contato, como foi o caso de Dudu, sem trauma direto no joelho. Pelos estudos, estima-se que 90% de lesões do tipo ocorram desta maneira — foi o que Karl Elliot afirmou à reportagem da Gazeta Esportiva.

O que aconteceu com Dudu?

Dudu teve rotação interna da tíbia em relação ao fêmur. O osso da coxa estava para fora e a tíbia 'rodou' para dentro. Ou seja: o pé estava travado no chão e ele 'rodou' a coxa para fora, que é o jeito mais comum de ocorrer a ruptura.

A lesão no LCA dá sensação de instabilidade. Atleta tenta correr, andar mais rápido, e parece que a perna está se mexendo e vai sair do lugar. Ou seja: gera insegurança. Fica impossível praticar futebol. Em jovens, é certo de operação — necessária, pois, uma reconstrução ligamentar, explicou Karl Elliot.

Conforme esclarecido por Bigliazzi Moreira, caso nao haja a correção adequada do ligamento, outras lesões podem ocorrer de maneira crônica.

(Foto: Reprodução)

Como é feita a cirurgia?

Médicos tiram um enxerto do músculo. Geralmente flexores, mas pode ser do tendão da patela, fibular, do quadríceps. Tipo de enxerto varia de paciente para paciente, mais comumente os flexores. É feita uma artroscopia por vídeo: médicos conferem o ligamento, removem o que resta e fazem um furo na tíbia e no fêmur. Fixação é feita com parafuso ou uma 'cordinha',  que segura o cruzado para fins de cicatrização do osso e regeneração, de acordo detalhes ditos por Karl Elliot.

Tempo de recuperação

Os dois médicos consultados pela Gazeta Esportiva deram respostas similares: em atletas de alto rendimento, como Dudu, há um receio de novo rompimento. Por isso, recomenda-se a paralisação absoluta de atividades físicas por um período de seis a oito meses. Em pessoas 'normais', período de recuperação leva um ano.

Deixe seu comentário