Chamado de “craque”, palmeirense chora e canta em apresentação

Bruno Ceccon - São Paulo, SP
17/07/2017 15:52:00 — 17/07/2017 17:54:45

Em: Brasileiro Série A, Futebol, Palmeiras

Deyverson Brum Silva foi apresentado oficialmente como reforço da Sociedade Esportiva Palmeiras durante a tarde desta segunda-feira. Saudado como craque pelo vice-presidente Antonino Jesse Ribeiro, o jogador chorou ao lembrar a própria trajetória e até cantou pagode na Academia de Futebol.

“Hoje, é mais um dia de festa para a família palmeirense”, disse Jesse Ribeiro em nome do presidente Maurício Galiotte, que tirou licença para viajar à Europa. “É um grande craque que vai integrar nosso magnífico elenco para dar mais alegrias a todos que já compõem o clube”, afirmou o dirigente, antes e entregar a camisa 16 ao reforço.

Deyverson, de 26 anos, foi contratado pelo Palmeiras após defender o Alavés e tinha os direitos vinculados ao Levante, mas penou antes de embalar na carreira futebolística. Rejeitado em uma série de peneiras, ele exerceu diversas atividades, de vendedor de salgados e caldo de cana a cantor de pagode.

“Se tiver que contar minha história aqui, vou chorar”, avisou o atacante. Emocionado, ele precisou tomar um copo d’água e cumpriu a própria previsão. “Eu acordava às 4 horas para fazer peneira e nunca tive chance. Meu pai foi o cara que batalhou por mim. Deixava de colocar comida em casa para me dar dinheiro para treinar”, recordou.

Carlos, pai de Deyverson, também chorando, entrou em cena para abraçar o filho e ouviu aplausos na sala de imprensa. Emocionados, ambos trocaram beijos diante das câmeras. “Para quem não conhece, esse é meu herói. Deixou a vida dele por mim. Saí de uma família muito humilde e nunca imaginei que chegaria nesse patamar”, disse o atleta.

Aceito pelo pequeno Grêmio Mangaratibense, Deyverson deixou o Brasil em 2012 para fazer testes em Portugal e assinou com o Benfica B. Em seguida, finalmente deslanchou. No final da inusitada entrevista de apresentação, o atacante lembrou a época de pagodeiro ao cantar “Pra ver o sol brilhar”, famosa na voz do palmeirense Belo.

“Quando não deu certo vendendo salgados e caldo de cana, pensei que alguma coisa tinha que funcionar. Então, resolvi virar pagodeiro. Tocávamos em troca de um copo de mocotó e um guaraná. Foi uma boa época”, sorriu o atacante, contratado por cinco anos pelo Palmeiras.