Gazeta Esportiva

Abel pede que diretoria do Palmeiras se posicione sobre polêmicas: “Não pode só mandar e-mails”

São Paulo, SP

22/01/23 | 21:32

O técnico Abel Ferreira demonstrou incômodo e pediu mais contundência no posicionamento do Palmeiras sobre polêmicas de bastidores. Após o Choque-Rei deste domingo, o treinador do Verdão disse que ofícios através de e-mails não bastam.

“Nosso clube tem uma coisa que não sei se é boa ou é má. Mas quando é para reclamar, nunca reclama publicamente. Vai sempre através do e-mail. Treinador treina, jogador joga e direção tem que dirigir. E dirigir é posicionar-se”, iniciou o treinador, que questionou algumas decisões da arbitragem do clássico.

“Passaram-se hoje algumas coisas durante o jogo e eu acredito que a nossa direção vai se posicionar. Não pode ser só mandar e-mails e mais e-mails”, complementou.

De fato, o Palmeiras vai se posicionar por meio de um ofício à FPF, questionando a decisão da árbitra Edna Alves Batista em lance envolvendo Arboleda e Piquerez. Em campo, os palmeirenses questionaram pedindo pênalti, mas ela nada marcou, e o VAR não recomendou revisão na cabine à beira do campo.

Minutos depois do lance, a partida foi paralisada para que o aparelho de comunicação de Edna Alves Batista fosse trocado.


Além de pedir um posicionamento mais firme sobre as polêmicas de arbitragem, Abel Ferreira mostrou-se incomodado com a mudança de data da Supercopa do Brasil. Inicialmente, o duelo contra o Flamengo foi marcado para o domingo, mas a CBF alterou em seguida, confirmando o jogo para sábado.

“Nós, atentamente, pedimos que este jogo e que o próximo tivesse um intervalo de três dias. E dava. Qual foi a resposta? Não. O horário nobre é domingo às 16h. Se o horário nobre é esse, por que a Supercopa não é no domingo e sim no sábado? Eu gostaria que me explicassem para eu tentar realmente entender o que é o horário nobre aqui”, questionou Abel, que voltou a reclamar dos critérios da arbitragem.

“Temos que ser coerentes. Não é ser resmungão, é ser exigente. Eu gostaria que me explicassem o motivo de, no último jogo, quando o goleiro do adversário repôs a bola e o Gómez passou na frente, ele levou amarelo. E por que hoje o zagueiro do São Paulo atrasou a saída de bola do Weverton duas vezes e não levou amarelo? Eu não preciso mandar e-mails”, completou.

Deixe seu comentário