COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A França disputará na Rússia sua terceira final de Copa do Mundo, a primeira sem Zinedine Zidane. Em São Petersburgo, o time dirigido pelo técnico Didier Deschamps, capitão no título de 1998, adiou o sonho da Bélgica ao ganhar por 1 a 0 a semifinal desta terça-feira.

O primeiro tempo teve chances de gol para os dois lados, mas o placar permaneceu inalterado. Logo no começo da etapa complementar, Samuel Umtiti, nascido em território camaronês, usou a cabeça para colocar a França de volta na decisão após 12 anos e frustrou a melhor geração da história belga.

Classificada à final, a França decide o título com o ganhador do duelo entre Croácia e Inglaterra às 12 horas (de Brasília) deste domingo, no Estádio Luzhniki. Já a Bélgica briga pelo terceiro lugar com o derrotado da outra semi às 11 horas de sábado, em São Petersburgo.

O Jogo – A etapa inicial da partida disputada em São Petersburgo foi movimentada e teve seu começo dominado pela Bélgica. Hazard, inspirado, deu trabalho pela ponta esquerda. Na primeira boa trama, o camisa 10 recebeu de De Bruyne e bateu rasteiro, perto da trave de Lloris.

Em nova estocada pela esquerda, Hazard dominou perto da linha de fundo, carregou para o meio e bateu forte. A bola desviou em Varane e saiu com perigo. Pouco depois, após escanteio pela direita, Alderweireld pegou a sobra e bateu para grande defesa de Lloris.

Acuada no início, a França também deu demonstrações de força do meio para o fim do primeiro tempo. Após lançamento de Griezmann pela direita, Mbappe escorou para Giroud, que mandou para fora. Em seguida, Pavard recebeu de Mbappe e bateu para boa intervenção de Courtois.

A França inaugurou o marcador aos cinco minutos do segundo tempo. Após cobrança de escanteio de Griezmann pelo lado direito, Umtiti se antecipou ao gigante Fellaini na primeira trave e cabeceou para marcar o gol que classificou sua seleção à decisão da Copa do Mundo.

Superado por Umtiti no lance do gol, Fellaini quase empatou o jogo para a Bélgica. Colocado no lugar de Dembele, Mertens recebeu de De Bruyne pela direita e cruzou. O jogador do Manchester United ganhou pelo alto do colega Pogba e cabeceou à esquerda de Lloris.

Em busca do empate, a Bélgica partiu para o ataque e investiu principalmente nas bolas levantadas na área. A França soube como se defender e, sem tomar grandes sustos, garantiu presença na decisão. Nos acréscimos, Courtois ainda impediu Tolisso de aumentar em chute cruzado.

FICHA TÉCNICA
FRANÇA 1 x 0 BÉLGICA

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo (Rússia)
Data: 10 de julho de 2018 (Terça-feira)
Horário: 15h(de Brasília)
Árbitro: Andres Cunha (Uruguai)
Assistentes: Nicolás Tarán (Uruguai) e Mauricio Espinosa (Uruguai)
Público: 64.286 pessoas
Cartões amarelos: Griezmann, Kante e Mbappe (FRA); Alderweireld, Vertonghen e Hazard (BEL)
Gol:
FRANÇA: Umtiti, aos 5 minutos do 2º Tempo

FRANÇA: Lloris; Pavard, Varane, Umtiti e Hernandez; Kante, Matuidi (Tolisso) e Pogba; Mbappe, Griezmann e Giroud (N’Zonzi)
Técnico: Didier Deschamps

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Kompany e Vertonghen; Chadli (Batshuayi), Witsel, De Bruyne, Fellaini (Carrasco) e Dembele (Mertens); Eden Hazard e Romelu Lukaku
Técnico: Roberto Martinez

 



Sem se manifestar nas redes sociais nos últimos dias, Neymar reapareceu na tarde desta terça-feira em publicação de Jota Amâncio, amigo muito próximo do jogador, no Instagram Stories.

Na postagem, o jogador e o amigo estão sentados à mesa em refeição e há escrito “Juntos também nas horas tristes meu mano”. Não é possível saber se a foto foi tirada no dia da postagem ou em outro dia.

Neymar apareceu nesta terça-feira em foto de Jota Amâncio (Foto: Reprodução/Instagram)

A última aparição de Neymar nas redes sociais foi um dia depois da eliminação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo. No último sábado, o atacante do Paris Saint-Germain publicou um texto no Instagram, no qual dizia, entre outras coisas, que a eliminação era o momento mais triste de sua carreira e que era “difícil encontrar forças para querer voltar a jogar futebol”.

Posso dizer que é o momento mais triste da minha carreira, a dor é muito grande porque sabíamos que poderíamos chegar, sabíamos que tínhamos condições de irmos mais além, de fazer história .. mas não foi dessa vez. Difícil encontrar forças pra querer voltar a jogar futebol, mas tenho certeza que Deus me dará força suficiente pra enfrentar qualquer coisa, por isso nunca deixarei de te agradecer Deus, até mesmo na derrota… porque eu sei que o teu caminho é muito melhor do que o meu 🙏🏽❤ Muito feliz em fazer parte desse time, estou orgulhoso de todos, interromperam nosso sonho mas não tiraram da nossa cabeça e nem dos nossos corações 🙏🏽❤ . . . 📷 @nogueirafoto

Uma publicação compartilhada por Nj 🇧🇷 👻 neymarjr (@neymarjr) em



Hernderson pediu para Inglaterra não superestimar partida contra Croácia (Foto: Mladen Antonov/AFP)

Na véspera da semifinal da Copa do Mundo diante da Croácia, o meio-campista Henderson pediu para a seleção inglesa não valorizar demais a partida desta quarta-feira, mesmo que valha o retorno para a final da principal competição de futebol do planeta após 52 anos.

“Se ao longo de toda a Copa do Mundo viemos pensando partida a partida, devemos continuar fazendo isso e simplesmente concentrar no que temos que fazer contra a Croácia”, disse o jogador em entrevista coletiva.

O finalista da última Liga dos Campeões com o Liverpool destacou a capacidade de Gareth Southgate, treinador da Inglaterra, de resgatar a união do país ao montar uma boa equipe. “Acredito que é possível ver no campo tudo o que ele está acrescentando. Nos conhecemos muito mais. Diria que este é o grupo mais unido no qual estive”

Por fim, o jogador elogiou Lovren, companheiro de equipe, mas adversário desta quarta-feira. “É um zagueiro fantástico, apesar de ter recebido críticas em alguns momentos. Ele foi realmente genial nos últimos seis meses. Ele tem um ótimo caráter, dentro de campo e no vestiário. Obviamente, estou feliz de enfrentá-lo nas semifinais de um Mundial, mas espero que sua trajetória termine”.

Com time completo, a Inglaterra disputa a semifinal da Copa do Mundo às 15h (horário de Brasília), diante da Croácia, no Estádio Lujniki, em Moscou.



Lovren se irritou na entrevista coletiva desta terça-feira (Foto: Yuri Cortez/AFP)

Nesta quarta-feira, Inglaterra e Croácia fazem a segunda semifinal da Copa do Mundo, no Estádio Lujniki, em Moscou. O zagueiro Lovren e o treinador Zlatko Dalić foram os representantes croatas na última entrevista coletiva antes da partida. Inclusive, o atleta do Liverpool se irritou com uma pergunta relacionada a Harry Kane.

Artilheiro do Mundial, o atacante inglês tem sido bastante lembrado nas entrevistas da seleção croata que antecedem o jogo. Desta vez, Lovren foi perguntado sobre uma goleada que sua equipe sofreu para o Tottenham na última temporada do Campeonato Inglês. Na oportunidade, Kane marcou dois gols, e o defensor foi substituído ainda na primeira etapa.

O jogador se mostrou irritado com a pergunta, mas admitiu que o centroavante merece uma atenção especial. “É completamente irrelevante aquele 4 a 1 contra o Tottenham. Por que você não me pergunta das vezes que joguei bem contra ele? Eu tenho todo o respeito por Kane, ele tem mostrado há anos que é o melhor atacante do Campeonato Inglês. Ele é uma grande ameaça, vai ser uma tarefa complicada para todos nós. Mas se estivermos prontos, como estivemos contra a Argentina, e jogarmos compactos, acredito que não haverá problemas”, disse.

Zlatko Dalic projetou o confronto contra a Inglaterra (Foto: Yuri Cortez/AFP)

Para a opinião pública, a Croácia é considerada a “zebra” do Mundial. Zlatko Dalić, contudo, não enxerga desta maneira. Para o técnico, sua seleção não pode ser considerada uma surpresa, uma vez que possui jogadores em grandes clubes da Europa.

“A Croácia tem jogadores em grandes clubes da Europa. É verdade que não conseguimos faze campanhas importantes como seleção nos últimos anos. Estivemos abaixo do que podemos, mas não deveria ser surpresa que estamos entre os quatro melhores, pela qualidade dos atletas. Esses jogadores foram sub-avaliados por muito tempo, pela falta de resultados com a seleção. Mas essa é a chance de entrarem para história. O fato de termos jogadores em grandes clubes como Real Madrid e Barcelona mostra que eles têm qualidade”, declarou o treinador.

Por fim, o treinador projetou o confronto com a Inglaterra, elucidando a qualidade da bola parada do adversário. Além disso, disse que os croatas não se sentem pressionados para a partida. “Estamos analisando a Inglaterra, todas as suas partidas. Mostramos tudo o que pudemos aos jogadores. Sabemos quais são os pontos fortes (do adversário). Após Islândia, Dinamarca e Rússia, esperamos um oponente diferente. Temos que ficar atentos com as bolas paradas deles. Mas não temos razões para estarmos nervosos ou pressionados. Estamos livres de pressão. Estamos aqui para desfrutar da vida e jogar um bom futebol”, declarou.

 




Para Bilic, ex-treinador da Croácia, Modric e Rakitic são os melhores centro-campistas da Copa do Mundo (Foto: Odd Andersen/AFP)

A Inglaterra enfrenta a Croácia nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), pela semifinal da Copa do Mundo da Rússia. Pela frente, os ingleses enfrentarão não somente uma seleção que passou por cima de Nigéria, Argentina, Islândia, Dinamarca e a anfitriã Rússia, mas também pela “melhor dupla de meio-campistas da Europa”. Quem disse isso foi o ex-técnico da seleção croata, Slaven Bilic, que, nos tempos de jogador, atuou na melhor campanha da Croácia até então, em 1998, quando ela também alcançou a semifinal.

“Vai ser o maior teste da Inglaterra por causa da qualidade que a Croácia tem, em especial no meio de campo. A seleção inglesa não enfrentou isso ainda. Estamos falando da melhor dupla de meio-campistas da Europa: Modric e Rakitic. Sem falar de Kovacic e Brozovic”, disse Bilic em entrevista ao jornal inglês The Telegraph.

O treinador, que atualmente está sem clube e é comentarista do Mundial na ITV, uma emissora britânica, rasgou elogios ao camisa 10 da seleção. “Modric é o melhor e mais completo jogador da atual Copa do Mundo. É até difícil para mim julgá-lo porque há anos eu só faço elogios. Ele defende, pressiona, passa curto, faz lançamentos longos, pode correr com a bola e fazer gols. É o coração desse time”, afirmou o técnico. Bilic comandou o meio-campista na seleção de 2006 a 2012.

Por conta da qualidade dos jogadores em ambos os lados do gramado, Bilic não conseguiu opinar sobre o vencedor. “Para ser justo, acho que ainda não vimos o melhor dessas duas equipes. Cada um tem 50% de chance. Sempre tivemos de ser melhores que nossos adversários e jogar um futebol bonito para vencê-los. Mas ganhamos nas últimas duas fases de uma forma diferente, nos pênaltis contra Dinamarca e Rússia. Nós não estávamos acostumados a vencer esses jogos apertados, é uma faceta nova mostrada por essa geração atual. Inglaterra fez o mesmo contra a Colômbia, nas oitavas de final, por isso pode estar confiante também”.

Inglaterra e Croácia se enfrentam na quarta-feira, dia 11 de julho, às 15h (de Brasília), no estádio Luzhniki, em Moscou.



Treinador inglês mostrou-se otimista com o desempenho de sua equipe na Copa (Foto: Mladen Antonov/AFP)

Gareth Southgate, técnico da seleção inglesa, pode dizer que está vivendo um processo de redenção no English Team. Isso porque, em 1996, ainda como jogador, perdeu o pênalti que decretou a eliminação da equipe diante da Alemanha, nas semifinais da Eurocopa realizada na própria Inglaterra. Agora, como treinador, tem a chance de levar o time a uma final de Copa do Mundo depois de 52 anos.

Durante todo o Mundial da Rússia, a torcida inglesa vem embalando a seleção com a música “Football is coming home” (o futebol está voltando para casa, em referência ao fato do esporte ter sido ‘inventado’ na Inglaterra). Mas o hit, na verdade, foi criado para a Eurocopa que Southgate saiu como “vilão”.

“‘Football is coming home’ é algo que eu não conseguia ouvir há 20 anos. Mas é legal ver as pessoas se divertindo com isso”, disse o treinador, em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira.

O comandante também fez questão de exaltar a torcida, que está apoiando incessantemente e que segundo ele, vem sendo muito importante no processo de crescimento da equipe.

“Não estou acostumado com isso na minha carreira. Estou muito orgulhoso da reação da torcida. Isso não é apenas sobre a maneira como (os atletas) jogam, eles são grandes embaixadores do nosso país. Nosso país passou por momentos difíceis recentemente, no que diz respeito a união, unidade. Nós recebemos boas mensagens da torcida e isso é um privilégio para nós”, declarou.

Além disso, Southgate projetou a sequência da Copa do Mundo para os ingleses, e mostrou-se otimista com o desempenho da equipe.

“Somos um dos times mais jovens do campeonato. Mas esse time sempre teve fome de ir em frente e estamos orgulhosos da maneira como jogamos. Tivemos que enfrentar pressão, marcamos gol no final, sofremos gols no final, fomos aos pênaltis. E sempre nos recuperamos. Foi a primeira vitória em quartas de final em muito tempo”, finalizou.

A Inglaterra disputa a semifinal da Copa do Mundo nesta quarta-feira, às 15h (horário de Brasília), diante da Croácia, no Estádio Lujniki, em Moscou.



Treino do time inglês contou com um aquecimento inusitado (Foto: Adrian Dennis/AFP)

Na manhã desta terça-feira, a seleção inglesa realizou treino de preparação para o duelo de quarta-feira, diante da Croácia, pela semifinal da Copa do Mundo da Rússia. Os jogadores ingleses, no entanto, já parecem projetar uma possível final diante da França, que encara a Bélgica na outra semifinal.

A conta oficial do English Team no Twitter divulgou imagens da atividade, que contou com um aquecimento um tanto inusitado. Os jogadores apareceram lançando frangos de borracha uns para os outros, o que seria uma referência à seleção francesa, que tem um galo como símbolo. Além disso, os “brinquedos” ainda estavam pintados de vermelho e azul, justamente as cores do time francês.

Imediatamente, diversos torcedores se manifestaram sobre a possível referência, dizendo coisas como “os vencedores vão comer frango no jantar, a taça está voltando para casa!”, “nós vamos jogar contra a França no domingo!”, e “nos preparando para a França”. Um torcedor também chegou a fazer uma montagem, trocando o frango nas mãos de Harry Kane pela taça da Copa do Mundo.

A Inglaterra entra em campo nesta quarta-feira, às 15h (horário de Brasília), diante da Croácia. Nesta terça, a França enfrenta a Bélgica, também às 15h. Caso os Bleus e o English Team vençam, o duelo que os torcedores ingleses já estão projetando, valendo o título mundial, acontecerá no próximo domingo, às 12h.



Mbappé e Hazard são duas das estrelas da Copa do Mundo da Rússia (fotos: Kirill Kudryavtsev/AFP) e John Thys/AFP)

Eden Hazard morava na França quando tinha a idade de Kylian Mbappé, estrela da nova geração do futebol mundial. Revelado pelo Lille, clube que defendeu dos 14 aos 20 anos, o meia da Bélgica teve um início de carreira tão promissor no país vizinho que a sua naturalização chegou a ser cogitada.

“Por ter passado tanto tempo na França, eu me sinto 99% belga e 1% francês”, contou Hazard, antes de estrear no Mundial da Rússia. “Mas a ideia da nacionalização francesa nunca passou pela minha cabeça. Sempre recordei com carinho os anos vividos lá, mas queria jogar pelo meu país”, acrescentou o jogador, que é fã de Zinedine Zidane e tem fotos de infância com a camisa do ídolo e campeão mundial de 1998.

A partir das 15 horas (de Brasília) desta terça-feira, em São Petersburgo, Hazard enfrentará justamente a França na tentativa de fazer ainda mais história a serviço da Bélgica. Do outro lado, estará um atacante, sensação no Mundial, que também poderia ter defendido outro país profissionalmente. O francês Mbappé é filho de um camaronês, Wilfred, o seu técnico nas categorias de base do Bondy, e de uma argelina, a ex-jogadora de handebol Fayza.

Aos 19 anos, contra 27 de Hazard, Mbappé contrariou o colega e deu sequência à sua carreira na própria França. Enquanto o belga se tornou ídolo do Chelsea, da Inglaterra, após despontar pelo Lille, o atacante adversário virou companheiro do brasileiro Neymar no Paris Saint-Germain, que superou a forte concorrência de clubes do exterior, ao deixar o Monaco.

Hazard e Mbappé estão chamando a atenção na Copa do Mundo. O primeiro é uma das referências da seleção que eliminou o Brasil com uma vitória por 2 a 1 nas quartas de final, tendo marcado dois gols na goleada por 5 a 2 sobre a Tunísia, ainda na segunda rodada do grupo G. O segundo, que já havia assegurado o triunfo francês por 1 a 0 em cima do Peru, teve o seu dia de gala no confronto de oitavas de final contra a Argentina. Anotou duas vezes na classificação por 4 a 3, sofreu um pênalti e esbanjou fôlego para correr durante todo o tempo.

Camisas 10 ajudaram a conduzir Bélgica e França à semifinal desta terça-feira (fotos: Odd Andersen/AFP e Franck Fife/AFP)

O feito diante dos argentinos fez Mbappé igualar uma marca de Pelé, por ter marcado dois gols em uma mesma partida de Copa do Mundo com menos de 20 anos de vida. “É como se tivesse uma passagem de bastão entre Messi e ele”, chegou a dizer o lateral esquerdo Lucas Hernández, em declaração publicada na edição da revista France Football que definiu o atacante como “o herdeiro” do Rei do Futebol.

Nesta terça-feira, no confronto que vale uma vaga na final da Copa do Mundo da Rússia, Eden Hazard terá a chance de abalar tamanha badalação sobre Mbappé. E, mais do que isso, colocar a sua fantástica geração belga acima da do novato Kylian Mbappé.



França e Bélgica abrem as semifinais da Copa do Mundo de 2018 nesta terça-feira, às 15h(de Brasília), no Estádio Krestovsky, em São Petersburgo, na Rússia. Os belgas foram os algozes da Seleção Brasileira nas quartas, ganhando por 2 a 1. Já os franceses despacharam outro representante sul-americano, o Uruguai, com um triunfo por 2 a 0. Quem avançar vai cruzar o caminho na decisão de domingo com o vitorioso da outra semifinal, entre Inglaterra e Croácia, que acontece nesta quarta-feira.

Apesar da rivalidade entre as duas seleções, que envolve questões políticas e culturais, o clima é de leveza. O técnico da França, Didier Deschamps, entende que agora se chega a um momento da competição onde tudo foi feito e qualquer coisa pode acontecer.

A França vem de vitórias sobre Uruguai nas quartas de final e Argentina nas oitavas (Foto: Franck Fife/AFP)

“Chegamos a um momento em que os times se conhecem e sabem as suas forças. Estamos com o grupo completo e isso para mim é o mais importante, pois muitas seleções sofreram com desfalques e perdas de atletas por cartões acumulados. A Bélgica tem uma grande equipe e espero um jogo muito aberto e franco. A nossa ideia é impor o nosso estilo e chegar a esta grande decisão”, analisou o treinador da França.

Roberto Martínez, comandante da Bélgica, entende o momento histórico do confronto.

“Para nós é um momento incrível. Estamos repetindo um feito da melhor geração da história do futebol da Bélgica, que foi semifinalista na Copa do México em oitenta e seis. Eliminamos a Seleção Brasileira, para muitos o melhor time da Copa, e agora temos um grande desafio pela frente, com alegria e a certeza de quem sabe que pode manter o sonho ainda mais vivo”, analisou o treinador da Bélgica.

A força ofensiva das duas equipes chama muita atenção. Além do talento de Paul Pogba no meio-de-campo, a França tem uma linha de ataque de respeito, composta por Kylian Mbappé, Antoine Griezmann e Olivier Giroud. Na Bélgica o maestro é Kevin De Bruyne, auxiliado por Marouane Fellaini na missão de municiar os “imparáveis” Eden Hazard e Romelu Lukaku.

O craque De Bruyne marcou um dos gols da Bélgica contra o Brasil nas quartas (Foto: Emmanuel Dunand/AFP)

A França conta com todos os jogadores do elenco a sua disposição, mas Deschamps tem uma dúvida de ordem tática no meio-de-campo, onde Corentin Tolisso e Blaise Matuidi disputam a condição de titular.

Pelo lado da Bélgica o desfalque fica por conta do lateral-direito Thomas Meunier, suspenso por ter recebido dois cartões amarelos. A sua vaga vai ficar com Nacer Chadli, que será improvisado no setor. A vaga deixada por este será preenchida por Thomas Vermaelen, com a marcação sendo reforçada.

Pelo regulamento, caso esta semifinal termine empatada após o tempo regulamentar, acontecerá uma prorrogação de trinta minutos. Persistindo a igualdade no tempo extra, o finalista será conhecido nas cobranças de pênaltis.

Gráfico: Thomas Saint-Cricq, Paz Pizarro, Maria-Cecilia Rezende/AFP

FICHA TÉCNICA
FRANÇA X BÉLGICA

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo (Rússia)
Data: 10 de julho de 2018 (Terça-feira)
Horário: 15h(de Brasília)
Árbitro: Andres Cunha (Uruguai)
Assistentes: Nicolás Tarán (Uruguai) e Mauricio Espinosa (Uruguai)

FRANÇA: Hugo Lloris, Benjamin Pavard, Raphäel Varane, Samuel Umtiti e Lucas Hernandez; N’Golo Kanté, Blaise Matuidi (Corentin Tolisso) e Paul Pogba; Kylian Mbappé, Antoine Griezmann e Olivier Giroud
Técnico: Didier Deschamps

BÉLGICA: Thibaut Courtois, Thomas Vermaelen, Vincent Kompany e Toby Alderweireld; Nacer Chadli, Axel Witsel, Kevin De Bruyne, Marouane Fellaini e Jan Vertonghen; Eden Hazard e Romelu Lukaku
Técnico: Roberto Martínez