COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Atacante Neymar voltará a ser titular no amistoso da Seleção Brasileira contra a Áustria (Foto: Joe Klamar/AFP)

O atacante Neymar será titular no amistoso contra a Áustria, programado para as 11 horas (de Brasília) deste domingo. Se confirmou a escalação do astro do Paris Saint-Germain desde o início em Viena, Tite evitou falar sobre a formação para a estreia na Copa do Mundo.

Após conduzir um treinamento no Estádio Ernst Happel, Tite confirmou que o Brasil jogará com Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Willian, Paulinho, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus. Assim, Fernandinho fica entre os reservas.

“O time de amanhã está confirmado, sim”, disse Tite, misterioso sobre a escalação para o primeiro jogo na Rússia. “Não sei se esse vai ser o time da Copa. O transcurso e a performance vão ditando isso com os atletas de alto nível que a gente tem”, completou.

O confronto em Viena marca a primeira partida de Neymar como titular desde o último dia 25 de fevereiro, data em que sofreu uma fissura no quinto metatarso do pé direito, pelo PSG. Diante da Áustria, o atleta não participará dos 90 minutos da partida.

“Está programado que ele dispute parte do jogo. Quanto, eu não sei. Vamos acompanhando para observar a hora em que começar a descoordenar. Seguramente, não vai para o jogo todo, mas, na parte disputar, poderá ter bom desempenho”, declarou Tite.

Embora o técnico não tenha confirmado, a tendência é que a escalação seja mantida para a estreia na Copa do Mundo da Rússia. Às 15 horas do próximo domingo, pela primeira rodada do Grupo E, a Seleção Brasileira entra em campo para enfrentar a Suíça, em Rostov.

 



Mohamed Salah finalmente se manifestou em relação ao lance que o tirou da final da Liga dos Campeões, entre Liverpool e Real Madrid, ainda no primeiro tempo. Em entrevista ao jornal espanhol Marca, o egípcio comentou a respeito do ocorrido, ironizando a fala de Sergio Ramos, com quem se enroscou antes de cair ao chão e machucar o ombro. Momento este que o atacante não hesita em apontar como o pior de sua carreira, admitindo o medo de ficar de fora da Copa do Mundo da Rússia.

“Quando eu caí no gramado, foi uma mistura de dor e preocupação, muita preocupação. Também raiva e tristeza por não poder continuar jogando a final da Champions League. Depois, também pensei sobre a possibilidade de perder a Copa, isso foi um sentimento devastador”, afirmou o jogador do Liverpool, que deve estar à disposição do Egito para a disputa do Mundial.

Questionado se o lance com Sergio Ramos teria sido algo normal, de jogo, Salah respondeu: “Quem sabe?”. Ele também considerou “engraçada” a fala do espanhol, que disse ter sido puxado pelo egípcio antes da queda e apontou que a lesão não foi no braço que havia segurado na jogada. O zagueiro merengue ainda falou que, se tivesse feito uma infiltração, o atacante poderia ter continuado em campo no segundo tempo.

“É bom quando quem te fez primeiro chorar, depois te faz rir. Talvez ele também possa me dizer se vou estar pronto para a Copa do Mundo?”, ironizou. “Ele me mandou uma mensagem, mas nunca lhe disse que estava bem”, completou.

Salah foi o herói da classificação do Egiyo para a Copa, após 28 anos (Foto: TAREK ABDEL HAMID/AFP)

O “Faraó”, por fim, falou a respeito das perspectivas do Egito para a Copa do Mundo. O atacante tem esperanças, mas ainda não tem certeza se estará apto a atuar já na partida de estreia de sua seleção, contra o Uruguai, no dia 15 de junho.

“É a primeira vez em 28 anos que nos classificamos para uma Copa. Não é algo normal, já que ganhamos a Copa da África sete vezes e fomos campeões em 2006, 2008 e 2010. Ganhávamos a Copa da África, mas não nos classificávamos para a Copa do Mundo. Tínhamos esta obrigação e foi muito especial”, afirmou o camisa 10 da seleção egípcia.

Segundo Salah, o maior objetivo do Egito no Mundial da Rússia é buscar a classificação para o mata-mata do torneio. Para que isto aconteça, a seleção terá de alcançar um dos dois melhores desempenhos do Grupo A, que conta, além do Uruguai, com a anfitriã Rússia e a Arábia Saudita.

 

 



Técnico Tite conduz treinamento da Seleção no palco do amistoso contra a Áustria (Foto: Joe Klamar/AFP)

Sem o meio-campista Fred, em recuperação de lesão, a Seleção Brasileira treinou no Estádio Ernst Happel durante a manhã deste sábado. No amistoso contra a Áustria, o último antes da Copa do Mundo da Rússia, o técnico Tite escolheu o zagueiro Miranda para usar a tarja de capitão.

Fred sofreu uma entrada dura do volante Casemiro no treino de quinta-feira e, com dores no tornozelo direito, precisou deixar a atividade. Durante a estadia da Seleção na Áustria, o reforço do Manchester United, já vetado do amistoso, pode passar por exames médicos para determinar a gravidade da situação.

Já o meia Renato Augusto, recuperado de inflamação no joelho esquerdo, participou da movimentação conduzida por Tite no Estádio Ernst Happel, sede da partida. No entanto, o jogador do chinês Beijing Guoan ainda não tem presença garantida no confronto com a Áustria.

Dentro do rodízio de capitães promovido por Tite na Seleção Brasileira, sistema que o técnico pretende manter na Copa do Mundo, o zagueiro Miranda usará a tarja pela terceira vez – ele é superado apenas pelo lesionado Daniel Alves, que exerceu a função em quatro partidas.

A Seleção Brasileira enfrentará a Áustria com a seguinte escalação a partir das 11 horas (de Brasília) deste domingo: Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Willian, Paulinho, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus. Fernandinho, titular contra a Croácia, fica no banco.

O duelo a ser disputado em Viena é a última oportunidade para Tite ajustar o time antes da estreia na Copa do Mundo da Rússia. Às 15 horas do próximo domingo, pela primeira rodada do Grupo E, a Seleção entra em campo para enfrentar a Suíça, em Rostov.

 



Para avançar à fase de mata-mata da Copa do Mundo, a Sérvia aposta muito no futebol do meio-campista Sergej Milinkovic-Savic, grande revelação do país nos últimos anos e destaque da Lazio na temporada. Mesmo vivendo um ótimo momento, o jogador de 23 anos de idade faz questão de isentar sua seleção de qualquer tipo de favoritismo.

Para ele, as principais candidatas a levantar a taça no final de julho são três, e a Seleção Brasileira, adversária na primeira fase, é uma delas. “Eu acredito que a Bélgica deve ir longe, o Brasil e eu não sei outro, talvez a Argentina”, afirmou, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira.

Mesmo colocando a Amarelinha entre os favoritos ao título, Milinkovic-Savic não tira o foco nem diminui a importância dos outros adversários na fase de grupos. Pelo Grupo E, a Sérvia também encara a Costa Rica, pela estreia no torneio, dia 17 de junho, e a Suíça, dia 22. O confronto com os brasileiros é o terceiro, no dia 27. “Nós sabemos muito dos jogadores que estão nessas três seleções e acho que vamos conhecê-los melhor lá na Rússia”, apontou.

Milinkovic-Savic é a principal arma da Sérvia na Copa do Mundo (Foto: JOE KLAMAR/AFP)

Em 48 partidas disputadas pela Lazio nesta temporada, o meia foi responsável por 14 gols e nove assistências. Números estes que chamaram a atenção de outros clubes grandes do futebol europeu. Como informa a imprensa do velho continente, o Manchester United seria um deles, que inclusive estaria preparando uma investida já nesta janela de transferências de verão, que se abre em agosto.

Outro sérvio que concedeu entrevista coletiva nesta sexta foi o meia Dusan Tadic, que defende o Southampton e é o dono da camisa 10 da seleção. O jogador comentou a respeito dos adversários da Sérvia na primeira fase e foi outro a ressaltar a qualidade da Seleção Brasileira.

“Assistimos ao jogo da Costa Rica, eles são muito organizados, é difícil jogar com o esquema deles de 5-4-1. Sobre a Suíça, eu acho que eles são parecidos com a Áustria, tem muitos jogadores de qualidade, velozes e que dão uma importante contribuição ao time e eu acho que isso vai ser decisivo. E o Brasil, eu não quero perder tempo falando do Brasil, todo mundo sabe quais tipos de jogadores eles têm e que time eles têm”

Neste sábado, a Sérvia faz o seu último teste antes da estreia na Rússia. Milinkovic-Savic, Tadic e companhia enfrentam a Bolívia, em amistoso em Graz, na Áustria. A delegação viaja segunda-feira para Kaliningrado, cidade sede da concentração durante o mundial.

 



Um dia depois de anunciar o corte do meia Manuel Lanzini, que atualmente defende o West Ham e acumula passagem pelo Fluminense, a Argentina já confirmou qual será seu substituto na Copa do Mundo. Neste sábado, por meio das redes sociais, a AFA (Associação do Futebol Argentino) oficializou a convocação de Enzo Pérez, do River Plate.

 

Lanzini não poderá jogar o Mundial em função de uma lesão, provocada pelo rompimento do ligamento cruzado anterior de seu joelho direito. O atleta, que terá de passar por uma cirurgia no local, é o segundo desfalque argentino por lesão, já que o goleiro Sergio Romero também abandonou a delegação por uma contusão no joelho. Nahuel Guzmán, arqueiro do Tigres-MEX, foi chamado para seu lugar.

Desta forma, Enzo Pérez vence a concorrência com outros meio-campistas que estavam sendo cotados para a vaga, como é o caso de Diego Perotti, da Roma, Erik Lamela, do Tottenham, e o ex-atleta do São Paulo, Ricardo Centurión, atualmente no Racing.

O jornal argentino Olé aponta a experiência do meia de 32 anos de idade como o principal motivo da escolha de Jorge Sampaoli. O jogador do River, como lembra o diário, esteve em campo na final da Copa do Mundo 2014, no Brasil, e teve boa atuação na partida decisiva das Eliminatórias, contra o Equador, que garantiu a vaga da seleção no Mundial 2018.

 

Pérez foi revelado pelo Godoy Cruz e teve passagem pelo Estudiantes antes de se transferir ao futebol europeu. No velho continente, defendeu o Benfica e o Valencia antes de acertar seu retorno a Argentina, já para jogar pelo River Plate. Em 22 jogos nesta temporada, no entanto, não fez nenhum gol e não deu uma assistência sequer pelos Millonarios.

No Grupo D da Copa do Mundo, a Argentina faz sua primeira partida dia 16 de junho, contra a Islândia, em Spartak. Cinco dias depois, o adversário da vez será a seleção da Croácia, em Nizhny Novgorod. A última partida da primeira fase está programada para o dia 26, em São Petersburgo, contra a Nigéria.



França tenta confirmar chegada em alta na Copa (Foto: FRANCK FIFE/AFP)

Grandes seleções vão aproveitar o fim de semana para realizar seus últimos testes antes da Copa do Mundo da Rússia, que começa na próxima quinta-feira. Adversário da Seleção Brasileira no Grupo F, a Sérvia mede forças com a Bolívia, que não se classificou para o Mundial, na Merkur-Arena, em Graz, na Áustria. Os sérvios entendem que o teste é importante para preparar o time para a estreia, diante da Costa Rica. A chave conta ainda com a Suíça.
“A Bolívia tem um estilo de jogo bem parecido com o da Costa Rica, sem querer fazer nenhum juízo de valor mou comparação mais aprofundada. Mas será muito importante teste nesta nossa caminhada”, disse Mladen Krstajic, comandante da Sérvia.

Já tentando se ambientar ao país da Copa, a Espanha encara a Tunísia na cidade de Krasnodar. Os espanhóis integram o Grupo B, ao lado de Portugal, Marrocos e Irã. Já os tunisianos estão no Grupo G, que tem ainda Inglaterra, Bélgica e Panamá.

No Estádio Parc Lumiérre, em Lyon, a França se despede de seus torcedores duelando com os Estados Unidos, que não se classificaram para o Mundial. Os franceses estão no Grupo C com Dinamarca, Peru e Austrália. Os dinamarqueses, inclusive, também entram em ação neste sábado, quando duelam com o México, na cidade de Brøndby. Os mexicanos estão no Grupo F ao lado de Alemanha, Coréia do Sul e Suécia.

Guerreiro é o trunfo do Peru no retorno à Copa (Foto: Fabrice COFFRINI/AFP)

A Suécia, por sinal, mede forças com o Peru de Paolo Guerrero no Estádio Ullevi, em Göteborg, na Suécia. A Austrália é outra seleção que vai duelar em um amistoso. O time pega a Hungria, que não vai para a Copa do Mundo.

A seleção do Marrocos vai jogar diante da Estônia, que não vai disputar a Copa do Mundo.

Na segunda-feira a Costa Rica, segunda adversária do Brasil na Copa do Mundo, vai seu último teste diante da Bélgica. O duelo acontece no Estádio King Baudouin, em Bruxelas, capital belga.

Abaixo todos os confrontos amistosos programados para este fim de semana, respeitando o horário de Brasília:

Sábado
12h Letônia x Azerbaijão
12h30 Hungria x Austrália
13h Estônia x Marrocos
13h Finlândia x Bielo-Rússia
13h Sérvia x Bolívia
14h15 Suécia x Peru
15h Dinamarca x México
15h45 Espanha x Tunísia
16h França x Estados Unidos

Domingo
11h Áustria x Brasil

Segunda-feira
10h Coréia do Sul x Senegal
15h45 Bélgica x Costa Rica



Neymar estava em campo na última vez em que a Seleção Brasileira enfrentou a Áustria (foto: Bruno Domingos/Mowa Press)

Em seu último amistoso preparatório para a Copa do Mundo, a Seleção Brasileira colocará em jogo uma invencibilidade história. O Brasil jamais perdeu uma partida para a Áustria, adversária deste domingo, em Viena.

Foram nove confrontos no total, com seis vitórias brasileiras e três empates. A Seleção marcou 14 gols e sofreu apenas cinco.

Apesar de o encontro não ser tão frequente, já houve duas ocasiões em que foi válido por Copa do Mundo. A primeira abriu o caminho para a conquista do Mundial de 1958, na Suécia, com gols de Mazola (2) e Nilton Santos na vitória por 3 a 0. A segunda, em 1978, na Argentina, teve Roberto Dinamite como herói do triunfo por 1 a 0.

A mais recente partida entre Brasil e Áustria ocorreu em 2014, com Dunga no posto que hoje é ocupado por Tite. O time nacional venceu por 2 a 1, com gols marcados por David Luiz e Roberto Firmino.

Confira todos os jogos entre Brasil e Áustria:

15/4/1956 – Áustria 2 x 3 Brasil – Amistoso
8/6/1958 – Brasil 3 x 0 Áustria – Copa do Mundo
28/4/1970 – Brasil 1 x 0 Áustria – Amistoso
10/7/1971 – Brasil 1 x 1 Áustria – Amistoso
12/6/1973 – Áustria 1 x 1 Brasil – Amistoso
30/4/1974 – Brasil 0 x 0 Áustria – Amistoso
11/6/1978 – Brasil 1 x 0 Áustria – Copa do Mundo
2/8/1988 – Áustria 0 x 2 Brasil – Amistoso
18/11/2014 – Áustria 1 x 2 Brasil – Amistoso



Depois de duas frustrações, Miranda, enfim, disputará sua primeira Copa do Mundo. Nas Eliminatórias da América do Sul para o Mundial de 2010, na África do Sul, o zagueiro fez parte das convocações de Dunga, e, inclusive, foi titular em algumas partidas. Porém, não foi lembrado para a lista final que disputaria o principal torneio de seleções daquele ano. Em 2014, no auge de sua carreira após conquistar o Campeonato Espanhol e chegar à finalíssima da Liga dos Campeões, o paranaense, mais uma vez, não foi lembrado por Luiz Felipe Scolari para disputar a Copa, realizada no Brasil.

Peça fundamental da equipe de Tite, já que é o zagueiro com mais atuações desde que o treinador assumiu a Seleção Brasileira, Miranda não poderia ficar de fora dos convocados para a Copa do Mundo. Aos 33 anos, o experiente jogador da Internazionale participou de todo ciclo pré-Mundial da Rússia. Titular indiscutível com Dunga, não perdeu o posto com o atual treinador e segue como um dos favoritos para formar, com Marquinhos, a dupla de zaga titular do Brasil.

Nascido em Paranavaí, no Paraná, Miranda foi formado nas categorias de base do Coritiba, onde se destacou na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2004. A qualidade e a liderança do jovem defensor fizeram com que Antônio Lopes, treinador do elenco principal na época, o depositasse a confiança para ser titular do Coxa na disputa da Libertadores daquela temporada. Depois de se destacar com o título do Campeonato Paranaense em 2004 e em boas atuações nas 88 aparições pelo time, Miranda foi vendido ao Sochaux, da França, em julho de 2005.

O jogador não se adaptou ao futebol francês, e um ano depois já voltou ao Brasil. Após quase fechar com o Internacional, Miranda veio para o São Paulo, onde logo assumiu a vaga de titular na zaga de Muricy Ramalho, e fez parte de uma dinastia do Tricolor Paulista dentro do Campeonato Brasileiro, onde conquistou o tricampeonato consecutivo (de 2006 a 2008), feito jamais batido até hoje. Suas atuações no clube paulista o credenciaram a ser convocado para a Seleção Brasileira pela primeira vez em agosto de 2007, mas não chegou a atuar. A estreia com a camisa verde amarela aconteceu em 2009, quando iniciou a partida diante do Peru pelas Eliminatórias da Copa.

Depois de seis anos vitoriosos com a camisa tricolor, Miranda se transferiu para o Atlético de Madrid. Na Espanha, demorou para se firmar na equipe de Diego Simeone, mas quando se tornou titular, formou, junto de Diego Godín, uma das principais duplas de zaga da história do clube, conquistando, dentre os principais títulos, o Campeonato Espanhol de 2013-14 e a Copa do Rei de 2012-13, além de chegar a uma final de Liga dos Campeões. Em junho de 2015, Miranda decidiu mudar de ares e, após levantar cinco canecos no Atleti, rumou para a Inter de Milão, onde está hoje. Porém, tem sofrido com o mau momento da equipe dentro do futebol italiano e ainda não foi protagonista nas competições em que disputou, tendo uma classificação para a Champions da próxima temporada como principal feito.

Desde 2007, ano de sua primeira convocação, o zagueiro disputou 46 partidas com a Seleção Brasileira e marcou dois gols. Só neste ciclo pré-Mundial, foram 38 jogos, sendo 37 como titular. Esses números o colocam como o zagueiro que mais começou entre os onze inicias desde a última Copa do Mundo, além de o creditar como o um dos favoritos para formar a dupla de zaga titular do Brasil no principal torneio de futebol do planeta.



 

Apesar de iniciar sua carreira profissional no Internacional de Porto Alegre, Fred começou a dar seus passos no futebol profissional na base do Atlético Mineiro. Nascido em Belo Horizonte, o garoto  de 10 anos ingressou a categoria de juniores do Galo onde atuou na maior parte do tempo como lateral esquerdo até sua saída em 2009.

De saída de sua cidade natal, o jogador rumou à Porto Alegre, para vestir a camisa de um clube com o mesmo nome da capital do Rio Grande Sul. Numa rápida passagem destaque, o já meio-campista ganhou uma chance no Internacional, onde conseguiu subir pela primeira vez ao futebol profissional.

Com 55 jogos pelo Colorado, divididos entre 2012 e 2013, anos em que conquistou o bi-campeonato estadual pela equipe, o meio-campista rapidamente chamou a atenção do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.

No país do leste europeu, o atleta não demorou para mostrar o seu potencial. Sempre sendo um dos destaques da equipe, Fred manteve uma boa média de 30 jogos na temporada pela equipe nestas cinco temporadas, em que conquistou 10 títulos nacionais pelo clube.

Este número só não é maior graças ao problema de doping  vivido em 2015, quando disputava a sua primeira competição com a camisa da Seleção Brasileira e foi flagrado pelo uso de hidroclorotiazida, um medicamento proibido por poder mascarar outras substâncias e acabou ficando fora dos gramados por 11 meses.

Mas este empecilho, o jogador nega o uso da substância ilícita, não impediu Fred de voltar a brilhar na Ucrânia, principalmente na temporada recém encerrada. Destaque na campanha de sua equipe na Liga do Campeões da Europa, o meio-campista chamou a atenção e foi disputado pelos dois gigantes de Manchester após ser um pedido de Pep Guardiola e José Mourinho.

Na última terça-feira, Fred foi oficializado como reforço dos Diabos Vermelhos, que desembolsaram 55 milhões (R$ 240 milhões) pelo camisa 18 da Seleção Brasileira.



Marquinhos e os seus companheiros usaram uma entrada alternativa do hotel (foto: Lucas Figueiredo/CBF)

A Seleção Brasileira já está em Viena, onde disputará o seu último amistoso preparatório para a Copa do Mundo, contra a Áustria, no domingo. A delegação nacional chegou de Londres com um atraso de quase três horas nesta sexta-feira e entrou pelos fundos do hotel onde está concentrada, frustrando os torcedores que se aglomeravam diante da porta principal.

Parte do público ainda conseguiu ter contato com os comandados de Tite, que concederam autógrafos, mas a maioria da torcida reclamou do distanciamento. A chegada discreta ocorreu a pedido do hotel.

Antes de enfrentar a Áustria, a Seleção Brasileira jogou contra a Croácia, derrotada por 2 a 0 em Liverpool. No grupo E da Copa do Mundo, o time de Tite encontrará a Suíça (em 17/06), a Costa Rica (22/06) e a Sérvia (27/06).