COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Casa dos Reds abrigará penúltimo amistoso da Seleção antes da Copa (Foto: Divulgação/Liverpool)

Anfield Road. O lendário estádio do Liverpool, na Inglaterra, será o palco do penúltimo amistoso da Seleção Brasileira antes da Copa do Mundo deste ano, na Rússia. A partida será disputada no dia 3 de junho, um domingo, às 11h00 (horário de Brasília).

O anúncio oficial foi feito pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) nesta segunda-feira. Exatamente uma semana depois do duelo, no dia 10 de junho, os comandados do técnico Tite enfrentarão a Áustria, em Viena, também às 11h00. Os austríacos serão os últimos adversários do Brasil antes da disputa do Mundial.

A lista de convocados para ambos os confrontos, que também valerá como selecionado oficial da Seleção para o principal torneio de futebol do mundo, será divulgada de maneira final no dia 14 de maio, uma segunda-feira.

A equipe de Tite começa os treinos com o Mundial em vista uma semana depois, no dia 21, na Granja Comary, centro de treinamentos da Seleção Brasileira.



Ainda não há diagnóstico exato, mas a suspeita é a de fratura no tornozelo esquerdo (Foto: Guido Kirchner/AFP)

No último domingo, durante a derrota do Borussia Dortmund para o Schalke 04 pelo placar de 2 a 0, o belga Michy Batshuayi deixou o campo com uma lesão no tornozelo esquerdo. Ainda não há um diagnóstico exato, mas a suspeita é de que tenha ocorrido uma fratura. A contusão ocorreu no final da partida, após choque com o volante Stambouli.

Emprestado pelo Chelsea, o atacante não terá tempo de se recuperar e voltar a atuar pelo clube aurinegro, e a sua presença na Copa do Mundo da Rússia ainda é incerta.

“Não é uma boa notícia no momento. Minha temporada provavelmente acabou e não conseguirei devolver ao Borussia Dortmund a confiança em mim…Obrigado por todo a apoio que tenho recebido desde ontem (domingo). Desejo aos meus companheiros de time o melhor nestes dias finais da temporada. Vejo vocês em breve”, declarou o jogador.

Batshuayi chegou ao Borussia no final de janeiro, e em 13 partidas disputadas, marcou nove gols. Pela seleção belga, entrou em campo 14 vezes e anotou seis tentos.



Craque da Seleção Brasileira comentou sobre a sua recuperação (Foto: Nelson Almeida/AFP)

Na noite do último sábado, foi ao ar uma entrevista que Neymar deu à TV Globo, em que o jogador fala sobretudo sobre a recuperação da cirurgia no quinto metatarso do pé direito. Perguntado sobre o prazo de retorno aos gramados, o camisa 10 do Paris Saint-Germain disse que deve ficar fora por mais cerca de um mês.

“Falta um ‘mesinho’ ainda, um mês e pouco…Mas estou progredindo bem, (a lesão) está se consolidando bem, então está tudo dentro dos conformes”, disse.

Sobre possíveis dores, o jogador garantiu não estar sentindo nada, e afirmou estar seguindo bem o tratamento.

“Não sinto dor nenhuma. Estou pisando pouco a pouco. Ainda não posso pisar totalmente sem a bota, é claro. Mas estou fazendo os tratamentos, estou treinando na academia já, estou me preparando bem”, assegurou.

Além disso, Neymar contou uma história sobre os seus tempos de Barcelona envolvendo Messi.

“No meu primeiro ano de Barcelona, eu estava em um momento muito ruim de adaptação, jogando mal. Em um certo momento de um jogo, eu estava triste porque não tinha feito um primeiro tempo bom. O Messi viu que eu estava completamente cabisbaixo, chegou do meu lado e falou: ‘Você tem que ser você, seja como você era no Santos, joga teu futebol, não precisa ficar intimidado porque eu estou aqui'”, revelou.

Para finalizar, o atacante da Seleção Brasileira comentou o atrito que teve com Cavani no PSG devido a preferência pelas cobranças de pênalti.

“Se fala mais do que é, na verdade. Claro que a gente teve um certo atrito, mas resolvemos isso logo após. Três dias depois, a gente sentou e conversou. Somos dois grandes jogadores, mas também somos homens e tínhamos que resolver isso no pessoal, sem contar para ninguém”, completou.



Neymar foi homenageado pelo trabalho do Instituto Neymar Jr. Durante o baile de gala da amfAR, na noite da última sexta-feira. O evento beneficente tinha como objetivo angariar recursos para financiar pesquisar para o combate ao vírus HIV.

Em sua conta no Instagram, o atacante agradeceu pela homenagem e se mostrou contente em ajudar o seu País.

“Esse prêmio não é só meu, simplesmente estava ali representando a todos que fazem parte desta homenagem, minha família, os funcionários do Instituto Neymar Jr. E, principalmente, as crianças. Que honra, me sinto muito feliz e muito orgulhoso de estar ajudando de alguma forma meu país! Obrigado a todos da família amfAR pelo carinho, a noite estava incrível”, escreveu.

No evento, uma noite de pôquer com Neymar e seus amigos foi leiloada para ajudar as pesquisas. A fashionista Marina Morena arrematou o prêmio com o valor de R$ 137 mil.

O jogador do Paris Saint-Germain também participou do leilão ao comprar um par de brincos para Bruna Marquezine por R$ 102 mil.



Estádio Rostov on Don foi construído especialmente para a Copa do Mundo (Foto: Divulgação)

Em busca do hexacampeonato, a Seleção Brasileira disputa sua primeira partida na Copa do Mundo da Rússia no Estádio de Rostov on Don. A arena será inaugurada oficialmente às 13 horas (de Brasília) deste domingo, com um jogo entre o time da casa e o SKA Khabarovsk, pelo torneio nacional.

O time comandado por Tite entrará em campo pela Copa do Mundo às 15 horas do próximo dia 17 de junho, contra a Suíça. Dois meses antes, a Fifa entende que o Estádio de Rostov on Don já está pronto, mas a arena ainda precisa de alguns retoques do lado de fora.

O confronto entre Rostov e SKA Khabarovsk, primeiro evento-teste do estádio, será acompanhado por apenas 13 mil torcedores. Nos dias 29 de abril e 13 de maio, nos jogos do time local contra Tosno (30 mil) e Ural (45 mil), a capacidade aumenta gradualmente.

Construído especialmente para a edição de 2018 da Copa do Mundo, o Estádio de Rostov on Don receberá, além do jogo entre Brasil e Suíça, Uruguai x Arábia Saudita, Coreia do Sul x México, Islândia x Croácia e uma partida pelas oitavas de final do torneio.

O técnico Tite divulga a lista final de convocados para a Copa do Mundo da Rússia às 14 horas do próximo dia 14 de maio, na sede da CBF. Nos dois últimos amistosos do Brasil antes do torneio, os adversários serão Croácia (3 de junho) e Áustria (10 de junho).



A umbro decidiu aproveitar o espírito da Copa do Mundo e sua parceria com clubes brasileiros para produzir uma nova alternativa nos uniformes e, de certa forma, ligar os torcedores dos times em questão com as seleções que vestirão roupas produzidas pela marca durante o Mundial da Rússia.

“Nosso time está trabalhando nesse projeto há dois anos. Desde o começo nosso o desejo era criar algo em comum que unisse todos ao redor do futebol. Conseguimos e estamos muito felizes com o resultado”, comentou Eduardo Dal Pogetto, gerente de sports marketing da marca inglesa.

Todas as camisas seguem como padrão na parte frontal o uso de uma arte gráfica em alusão a elementos característicos da nação celebrada, enquanto nas costas sempre terá um pedaço da bandeira do país.
“Não pensamos em fazer apenas uma camisa, mas trazer um conceito novo e que agregue valor para a nossa história, dos times e de cada um dos países. Além de entregar um produto diferenciado para a torcida”, completou Pogetto.

Conheça mais sobre a história de cada camisa e a relação com os clubes, segundo ponto de vista da fabricante:

Chapecoense/Colômbia
A Chapecoense traz para campo a La Pasión, que é o sentimento que motiva a torcida e jogadores para buscar qualquer superação. Indo de Chapecó a Medellin essa camisa representa tudo o que há em comum entre o povo brasileiro e a Colômbia: a paixão pelo futebol e todo respeito e admiração entre as duas nações.

A cor principal do uniforme é o branco, transmitindo assim toda paz e harmonia entre os povos dos dois países. E a camisa ganha um visual arrojado, com detalhes nas cores da bandeira colombiana.

Cruzeiro/Islândia
O Cruzeiro é Blár Víkingur. É a história que une duas colônias. O manto branco que simboliza duas grandes vitórias: do povo que cruzou o Atlântico e desembarcou Brasil adentro, nas Minas Gerais, fundando assim o Cruzeiro e, da Islândia, lugar de Vikings, lutadores e desbravadores que chegaram à terra do gelo, onde fizeram morada.

A camisa contém detalhes em azul e vermelho, acompanhada de uma tradicional gola careca em efeito contrastante, combinando também com os punhos. Nas mangas, é perceptível a estilização embossing com o logo da fornecedora e o nome do clube.

Grêmio/Uruguai
Charrua é o nome da camisa que o Grêmio usará em homenagem ao Uruguai. Divididos por uma fronteira o país vizinho e o time gaúcho têm em comum uma paixão que bate no mesmo compasso ritmado do coração de quem carrega consigo raça, determinação e perseverança em cada jogo.

O time gaúcho recebe uma camisa com suas cores tradicionais, o azul celeste com detalhes em preto e branco, fazendo com que o manto represente bem o apelido do clube, o tricolor. A gola careca e detalhes com embossing mantém o uniforme tradicional com um toque de modernidade.

Avaí/França
Batizada de Lion Bleu a camisa do Avaí faz uma homenagem para a França, unificando seus respectivos apelidos Leão da Ilha e Le Bleus (Os Azuis).

Os uniformes seguem as cores originais do Avaí, no branco e azul, acrescentando também o vermelho. O formato de gola careca utiliza um recorte especial e, na parte frontal do peito, os grafismos seguem o padrão de cores do país homenageado.

Bahia/Rússia
O Bahia relembra o uniforme usado pelo primeiro homem a viajar pelo espaço, nomeando a camisa de SK-1. O estado baiano é um modelo de receptividade a ser seguido pela Rússia, que receberá povos de todas as nações.

Com as cores branca, azul e vermelho, neste manto foram utilizados elementos visuais característicos dos anos 90, década de grandes conquistas para o clube baiano, celebrado com os dizeres “nasceu para vencer” na parte interna da gola, que usa como acabamento o recorte V.

Atlético-PR/Espanha
Um dos maiores fenômenos da natureza El Huracán é o elemento que representa a determinação que carrega em campo o Clube Atlético Paranaense. A Espanha será homenageada pelo Clube paranaense, devido ao fato de a seleção espanhola ter escolhido o Centro Administrativo e Técnico Alfredo Gottardi, o CAT do Caju, para ser sua sede durante a Copa do Mundo de 2014.

Em amarelo e detalhes vermelho, o manto utiliza uma tradicional gola careca e faz uso do efeito visual em embossing com a logo da marca e o nome clube.

Santos/Inglaterra
The Kingdom é o nome do manto que exalta dois reinados: o da terra da rainha (Inglaterra) e o do rei do futebol. A camisa do Santos une os súditos da bola em torno de suas altezas.

Predominantemente azul marinho, o manto contém leves detalhes em branco e vermelho. Na parte interna foram aplicados os dizeres “Super Santos” e uma coroa estilizada, consagrando a união dessas duas nações.

 



Pela primeira vez desde a Copa do Mundo de 1990 na Itália, Diego Forlan assistirá a um Mundial fora de campo, como torcedor. Jogando em Hong Kong, defendendo o Kitchee, o eleito melhor jogador da Copa de 2010 concedeu entrevista ao site da Fifa e não poupou elogios ao técnico Tite e sua seleção.

“Tem duas seleções na minha lista (de favoritas): Alemanha e Brasil. O Brasil está jogando muito bem. Eles têm um ótimo treinador e Neymar está em excelente forma. A maneira como ele vem jogando semana sim, semana não, ele logo estará brigando com Cristiano Ronaldo e Lionel Messi para ser o melhor do mundo. Tite tem jogadores muito bons e ele pode remontar o time, deixando-o muito mais sólido defensivamente. Ele realmente gosta de pensar lá na frente e é muito astuto taticamente. Se as coisas ficarem como estão, eles tem grandes chances”, exaltou.

Forlan foi eleito melhor jogador da Copa de 2010 na África do Sul (Foto: Divulgação)

Perguntado, então, se ele apostaria na Seleção canarinha no caso de uma final contra a Alemanha, Forlan não titubeou. “Claro (que apostaria no Brasil), porque eles são sul-americanos e tenho muito carinho por eles. Meu pai jogou pelo São Paulo por muitos anos, eu joguei no Brasil também e fiz muito amigos lá. Eu preferiria o Brasil, porque eles são vizinhos e seria muito bonito para ele depois da dura derrota que sofreram em 2014”, frisou.

Agora como torcedor, Forlan disse também acreditar que o Uruguai tem potencial para ser líder na competição. “(O objetivo do Uruguai) é desempenhar um papel de liderança, sem dúvidas. O mais importante é passar da fase de grupos, que a parte mais difícil. Às vezes, você começa perdendo o primeiro jogo, o que aconteceu conosco no Brasil, e aí você precisa ganhar para se manter vivo na competição. Não há adversários fáceis, mas o Uruguai tem um time suficientemente bom para estar entre os grandes times. Apesar de sermos um país pequeno, nós sabemos que a maioria dos jogadores que conhecem ou já nos enfrentaram preferem evitar o Uruguai. Ninguém gosta de jogar contra nós, o que é uma ótima sensação”, destacou.

Sobre a ausência de grandes seleções como Itália, Holanda e Chile, o camisa 10 não se disse surpreso. “Não, não fiquei surpreso. Nós ganhamos duas Copas do Mundo e mais Copas América que qualquer um e mesmo assim ficamos de fora algumas vezes. No futebol moderno, todo mundo pode ganhar de todo mundo. A Itália ganhou o título em 2006 e foi eliminada na fase de grupos em 2010 e 2014. Você não ganha as coisas por causa de sua história, da camisa ou dos nomes na escalação. É tudo sobre o aqui e agora”, completou.

 




Uma das patrocinadoras da Seleção Brasileira, a GOL Linhas Aéreas contratou o atacante Neymar para estrelar a sua campanha publicitária para a Copa do Mundo da Rússia e, de certa forma, abriu mão do garoto-propaganda. A ideia da empresa é propagar que valoriza o tempo dos seus clientes – assim como o de Neymar, poupado dos comerciais para que se dedique à recuperação de uma fratura no quinto metatarso do pé direito.

A campanha da companhia aérea começará a ser veiculada no domingo e foi lançada nesta sexta-feira, na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro. Enquanto Neymar descansava, o seu sósia oficial, Gabriel Lucas, entrou em cena ao lado da mascote Canarinho para participar do evento.

Foi Gabriel também o escalado para representar Neymar em dois comerciais televisivos, gravados em um aeroporto uruguaio. Em um deles, o ator chama a atenção por sua habilidade com a bola e só tem a real identidade revelada no final, já dentro do avião. No outro, ele falha ao tentar se passar pelo astro do Paris Saint-Germain em um check-in via reconhecimento facial.

“Sou considerado pelo próprio Neymar o sósia que mais se parece com ele. Tudo o que faço sempre é aprovado por ele”, orgulhou-se Gabriel, que penou nas gravações em que o ídolo não estava presente. “Foi quase uma semana de trabalho. Foi cansativo, mas valeu a pena. Ficou show de bola”, propagandeou, com uma risada idêntica à do atacante.

Corintiano, Gabriel tem 21 anos (Neymar, 26) e viu que poderia fazer da semelhança com o atleta a sua profissão quando ainda era um adolescente. “Foi do nada, há seis anos. Desci para a Baixada com a minha tia e fomos ao treino do Santos. O Neymar tinha aprontado, porque estava suspenso naquele dia. Aí, o pessoal já ficou me olhando, e a imprensa veio toda em cima de mim. Hoje, faço até festa de aniversário como Neymar”, contou.

O dublê, no entanto, não é o único trunfo da campanha criada pela agência AlmapBBDO. Há outros substitutos de Neymar nos vídeos apresentados à patrocinadora da Seleção Brasileira – um bebê, por exemplo, homônimo do jogador. “Eu estava em dúvida entre Neymar e Enzo”, brinca a mãe da criança no vídeo. Chamado de “parça” do atacante, o amigo Gil Cebola também entrou em cena. Assim como o meia Alan, do Palmeiras e das categorias de base da Seleção Brasileira, apresentado como um futuro Neymar.

*O repórter viajou a convite da GOL.



Fora da última convocação de Fernando Santos, treinador da seleção portuguesa, o meia-atacante Rony Lopes soma 11 gols e três assistências desde o começo deste ano, sendo que não passou em branco nas últimas sete partidas. A grande fase vivida pelo camisa 20 do Monaco o mantém esperançoso de fazer parte do plantel de Portugal para a disputa da Copa do Mundo.

Rony marcou nas últimas sete partidas do Monaco (Foto: Loic Venance/AFP)

“Não nego que tenho esperança, mas sei também que é pequena. Sei que é complicado, não participei de nenhum amistoso e há outros excelentes jogadores. Vou fazer meu trabalho e quero dar dores de cabeça ao treinador (Fernando Santos). Estou de consciência tranquila, tenho a certeza de que minha chance na seleção vai chegar”, disse o atleta ao site português O Jogo.

Rony também revelou que não esperava fazer uma temporada tão boa. “Admito que esta temporada está superando minhas melhores expectativas. Esperava que fosse boa, que me tornasse um jogador importante para o time, mas, sinceramente, marcar em sete partidas seguidas, é uma coisa da qual não estava esperando”, completou.

A quantidade de gols marcados impressiona o próprio jogador, que atua mais pelas pontas do que centralizado como um definidor de jogadas. “Todo mundo fala do fato de não ser um atacante e estar fazendo o que tenho feito. Queria ser mais decisivo, marcar mais gols. Estou muito satisfeito, mas não quero parar por aqui, quero prolongar esta boa fase e trabalharei para isso”, finalizou.

O Monaco precisará, e muito, do faro de artilheiro do português, já que enfrenta o Paris Saint-Germain neste domingo, no Parque dos Príncipes, pela 33ª rodada do Campeonato Francês. Caso a equipe parisiense vença a partida, confirma o título da competição.