Gazeta Esportiva

Botafogo fica atento às declarações polêmicas de Willian Arão

Gazeta Press - Rio de Janeiro,RJ

16/11/15 | 14:10

Após a derrota para o Santa Cruz, Arão reclamou das vaias da torcida (foto: Vítor Silva/SSPress/Botafogo)
Após a derrota para o Santa Cruz, Arão reclamou das vaias da torcida (foto: Vítor Silva/SSPress/Botafogo)

 

A diretoria do Botafogo está atenta aos movimentos do volante Willian Arão, que tem contrato com o clube somente até o fim do ano e vem despertando o interesse de outros clubes do país, como Cruzeiro e Flamengo. Os dirigentes não gostaram da maneira como o jogador se comportou ao dar uma entrevista na saída de campo após a derrota de 3 a 0 para o Santa Cruz, no sábado. O resultado impediu o Glorioso de comemorar por antecipação o título da Série B do Campeonato Brasileiro.

Arão reclamou da pouca presença de público ao longo do ano. "A gente vem sendo vaiado o ano todo. Qualquer jogo que não vencemos saímos vaiados daqui", reclamou.

O fato chegou a ser visto como uma tentativa do jogador de se indispor com a torcida para forçar uma saída sem traumas. Isso porque o Botafogo tem o direito de usar uma cláusula que prevê a renovação automática de contrato por mais um ano caso o jogador receba um reajuste e luvas de R$ 500 mil. O dinheiro já estaria separado pelos dirigentes alvinegros para efetuar o pagamento nos primeiros dias de dezembro. A diretoria, porém, vem tentando, sem muito sucesso, conseguir a renovação de contrato do atleta de maneira amigável, entretanto, as reuniões com o pai e representante do atleta estão sendo negativas.

No domingo, Arão, usou um perfil em rede social para se desculpar com os torcedores, explicando que estava nervoso com a derrota e prometendo o título para sexta-feira, quando o Alvinegro precisa de um simples triunfo sobre o ABC, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela penúltima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O volante terminou sua declaração com a frase: "Nunca deixei e nunca vou deixar de honrar essa camisa".

PENHORA -  Fora de campo o presidente Carlos Eduardo Pereira teve alguns bens penhorados por conta de uma dívida que o clube tem, com o ex-volante Túlio. A decisão, da 74ª Vara do Trabalho, foi considerada absurda pelo dirigente, uma vez que as dívidas com o atleta são da gestão do ex-presidente Bebeto de Freitas. A decisão se baseia no fato de que Pereira também preside a Cia. Botafogo S.A.

"Vamos agora impetrar um mandado de segurança porque essa decisão é absurda. Não podemos aceitar uma situação dessas, pois o Botafogo está no Ato Trabalhista, que não pode ser furado. Estamos trabalhando para colocar em dia a situação financeira do clube, sem fazermos loucuras e honrando os compromissos. Mas a tarefa realmente não é das mais tranquilas, pois o cenário que encontramos é ruim", disse Pereira.

Túlio defendeu o Botafogo na década passada, tendo inclusive integrado o elenco que conseguiu o acesso para a elite do futebol nacional no ano de 2003. O jogador sempre foi muito identificado com a torcida.

Deixe seu comentário