COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A ascendente Bélgica estreou na Copa do Mundo da Rússia com vitória na tarde desta segunda-feira. A geração de Eden Hazard e Kevin De Bruyne, tratada por muitos com entusiasmo, brilhou no segundo tempo e ganhou por 3 a 0 do Panamá, debutante no torneio.

Os gols da seleção treinada pelo espanhol Roberto Martinez foram marcados por Dries Mertens e Romelu Lukaku (2). Com o triunfo alcançado no Estádio Olímpico de Sochi, a Bélgica marca seus primeiros três pontos no Grupo G, completado por Inglaterra e Tunísia.

Pela segunda rodada da Copa do Mundo, às 9 horas (de Brasília) deste sábado, a Bélgica tenta manter o embalo diante da Tunísia, no Estádio Spartak. Já o Panamá, em busca dos primeiros pontos no torneio, pega a Inglaterra às 9 horas de domingo, na arena de Nizhny Novgorod.

O Jogo – A Bélgica dominou as ações desde o início da partida e ditou o ritmo. No primeiro tempo, acuado pela equipe europeia no campo de defesa, o Panamá não conseguiu ameaçar o gol defendido por Thibaut Courtois e contou com Jaime Penedo inspirado para manter o placar intacto.

Logo no começo da partida, Hazard carregou para o meio e acionou Mertens, que bateu para a primeira boa intervenção do goleiro panamenho. Pouco depois, em um recuo curto do zagueiro Torres para Penedo, Hazard aproveitou e acertou a rede pelo lado de fora.

Sem correr riscos no campo de defesa, a Bélgica manteve a pressão e só não saiu na frente porque Torres impediu a finalização de Lukaku após cruzamento de De Bruyne pela direita. Em mais uma boa intervenção, Penedo ainda precisou sair nos pés do centroavante adversário.

A Bélgica conseguiu enfim inaugurar o marcador no primeiro minuto da etapa complementar. Após cruzamento vindo da direita, Torres afastou parcialmente e Escobar dividiu com Hazard pelo alto. Atento à sobra, sem deixar a bola quicar, Mertens completou de primeira para marcar um golaço.

A seleção europeia aumentou a vantagem aos 23 minutos. Em jogada pelo lado esquerdo, De Bruyne recebeu de Hazard e cruzou de trivela. Bem posicionado, o centroavante Lukaku completou de cabeça para o fundo das redes do goleiro Penedo.

Com o Panamá completamente dominado, a Bélgica marcou o terceiro seis minutos depois. Após roubar a bola na defesa, o time europeu fez uma rápida transição ao campo de ataque. Hazard puxou o contragolpe e deixou Lukaku livre para tocar na saída do goleiro.

FICHA TÉCNICA
BÉLGICA 3 x 0 PANAMÁ

Local: Estádio Olímpico, em Sochi (Rússia)
Data: 18 de junho de 2018 (Segunda-feira)
Horário: 12h (de Brasília)
Árbitro: Janny Sikazwe (ZAM)
Assistentes: Jergon dos Santos (ANG) e Zakhele Siwela (AFS)
Cartões amarelos: Meunier, De Bruyne e Vertonghen (BEL); Murillo, Davis, Cooper, Godoy e Barcenas (PAN)
Gols:
BÉLGICA: Mertens, a 1 minuto do 2º Tempo, e Lukaku, aos 23 e aos 29 minutos do 2º Tempo

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Boyata e Vertonghen; Meunier, De Bruyne, Witsel (Chadli) e Carrasco (Dembele); Hazard, Lukaku e Mertens (Thorgan Hazard)
Técnico: Roberto Martinez

PANAMÁ: Penedo; Murillo, Torres, Escobar e Davis; Barcenas (Gabriel Torres), Cooper, Gomez, Godoy e Rodriguez (Diaz); Perez (Tejada)
Técnico: Hernán Darío Gomez



O polêmico empate por 1 a 1 com a Suíça na estreia da Copa do Mundo ainda repercute no Brasil. O coordenador de seleções Edu Gaspar afirmou nesta segunda-feira que a CBF entrará com uma representação na Fifa contra a atuação do árbitro mexicano César Ramos.

A entidade pedirá explicações à Comissão de Arbitragem da Fifa sobre dois lances que, em sua visão, influenciaram no resultado da partida disputada em Rostov, no último domingo.

O primeiro remete ao gol de empate da Suíça, marcado por Zuber, aos quatro minutos do segundo tempo. Os brasileiros reclamam de falta em Miranda após cobrança de escanteio.

O outro lance questionado pela CBF teve Gabriel Jesus como protagonista. Aos 27 minutos da etapa complementar, com o 1 a 1 no placar, o atacante reclamou de ter sido agarrado por Akanji dentro da área.

Em ambas as ocasiões, apesar das reivindicações dos brasileiros, o juiz optou por não consultar o árbitro de vídeo. A CBF quer saber por que o recurso não foi acionado, já que está disponível pela primeira vez em Mundiais e decidiu as vitórias da França sobre a Austrália e da Suécia diante da Coreia do Sul.

Após a partida, em entrevista coletiva, o técnico Tite não se conteve e lastimou sobretudo a não marcação da falta sobre Miranda.

“Vou falar só uma vez. O lance do Miranda foi muito claro. Não estou justificando o resultado. Absolutamente, não. Quem me conhece sabe disso. Mas não foi pouco. Foi muito claro”, ressaltou o comandante, que diferenciou o que teria sido um pênalti em Gabriel Jesus. “Esse segundo lance é passível de interpretação. O primeiro, não”, sentenciou.

Enquanto a CBF pressiona nos bastidores, a Seleção Brasileira volta aos trabalhos nesta segunda-feira. O time canarinho buscará sua primeira vitória na Rússia diante da Costa Rica, em duelo previsto para esta sexta-feira, às 9 horas (de Brasília), em São Petersburgo, pela segunda rodada da Copa do Mundo.



Nem mesmo a grande atuação do goleiro Cho Hyun-woo evitou a estreia com derrota da Coreia do Sul na Copa do Mundo. Em Níjni Novgorod, o jogo não foi daqueles de encher os olhos e acabou definido em uma cobrança de pênalti, assinalado pelo árbitro apenas sob conferência do VAR.

Após a partida, o treinador sul-coreano optou por não criticar a atuação de seus atletas, e aproveitou para rasgar elogios ao adversário. Segundo Shin Tae-Yong, a Suécia é uma das grande seleções da Copa que, mesmo sem os holofotes das favoritas, conseguirá se sobressair sobre os adversários principalmente pelo aspecto físico, considerado o diferencial nesta segunda-feira.

“No segundo tempo fizemos alguns ajustes para fazer valer a velocidade dos nosso jogadores e, dessa forma, tentar criar oportunidades, mas os jogadores suecos são realmente muito bons e inteligentes. Dos 32 times que disputam essa Copa do Mundo, a Suécia é um dos melhores. Eles possuem condições físicas muito superiores e fizeram essa vantagem valer hoje também”, disse Shin Tae-Yong

Na próxima rodada, a Coreia do Sul viaja até Rostov para enfrentar a seleção do México, que estreou no Mundial vencendo nada mais, nada menos, que a atual campeã mundial Alemanha. Justamente por isso, Tae-Yong colocou a equipe comandada por Juan Carlos Osorio como “a ser batida” e espera seus comandados com uma postura diferente.

“Nós realmente queríamos a vitória nesse jogo. É uma pena que não veio hoje, mas agora a atitude é o que temos para seguir com a preparação visando o jogo contra o México. Eles vão ser um adversário muito difícil, haja visto o que fizeram contra Alemanha. Temos de encontrar nossa maneira de melhorar”, completou.



Se a “tradição” continuar, time de Tite pode chegar na final da Copa (Foto: Joe Klamar/AFP)

Para aqueles que gostam de superstições, a Seleção Brasileira traz consigo um fato muito curioso. Desde a Copa do Mundo de 2010, em jogos válidos por mundiais, a equipe só vence adversários que têm o nome iniciado pela letra “C”. Se a “tradição” for mantida em 2018, em um cenário hipotético, o Brasil consegue chegar à final, mas não fatura o título.

A coincidência começou na estreia na Copa de 2010, na África do Sul. Diante da Coreia do Norte, a equipe Canarinho ganhou por 2 a 1, com gols marcados por Maicon e Elano. Na segunda rodada, a vitória veio sobre a Costa do Marfim, por 3 a 1, com dois gols de Luis Fabiano e um de Elano. No último jogo da fase de grupos, o zero a zero contra Portugal garantiu ao Brasil o primeiro lugar do grupo, e nas oitavas, o adversário foi o Chile, que acabou batido por 3 a 0, gols de Juan, Luis Fabiano e Robinho. Nas quartas de final, já não havia mais nenhuma seleção que tinha o nome começado com “C”, e a Seleção foi eliminada ao perder por 2 a 1 para a Holanda.

Na Copa de 2014, no Brasil, a “tradição” foi mantida. Na estreia, os três pontos vieram com um 3 a 1 sobre a Croácia, com gols marcados por Neymar, duas vezes, e Oscar. No segundo jogo, a equipe ficou no zero a zero com o México, e no terceiro, conseguiu uma goleada por 4 a 1 sobre Camarões, gols de Neymar, duas vezes, Fred e Fernandinho. O adversário nas oitavas foi o Chile, e embora o Brasil não tenha vencido o jogo, garantiu a classificação nos pênaltis. Nas quartas de final, venceu a Colômbia por 2 a 1, com gols de Thiago Silva e David Luiz. Na semifinal, contra a Alemanha, ocorreu o vexatório 7 a 1, e na disputa pelo terceiro lugar, outra derrota para um adversário que não começa com “C”. Desta vez, um 3 a 0 para a Holanda.

Na Copa da Rússia, a coincidência vem sendo mantida, pois o Brasil apenas empatou com a Suíça na estreia. Se continuar assim, a Seleção venceria apenas um jogo da fase de grupos, diante da Costa Rica, mas mesmo assim a classificação seria possível. Em um cenário hipotético, a equipe ainda poderia enfrentar Coreia do Sul nas oitavas de final, Colômbia nas quartas e Croácia na semi. Na decisão, contudo, não teria nenhum adversário possível que comece com a letra “C”, e ficaria com o vice-campeonato.

 



A Suécia estreou na Copa do Mundo com o pé direito, literalmente. Diante da má pontaria e da grande atuação do goleiro da Coreia do Sul, foi apenas em uma penalidade, confirmada pelo árbitro de vídeo e convertida pelo capitão Granqvist, que a seleção europeia saiu de campo com o triunfo, o primeiro em estreias desde 1958. Após a partida, os vencedores exaltaram os três pontos, a atuação e o espírito da equipe.

“Nós mostramos muita atitude em campo, semelhante a que tivemos para superar a Itália na repescagem e se classificar para o Mundial, que já foi muito grande. Nós somos um time que realmente luta e no qual um corre pelo outro todas as partidas. Assim podemos fazer coisas boas”, disse Granqvist, eleito pela Fifa o melhor jogador da partida.

Em sua entrevista coletiva, o treinador Janne Andersson lamentou o número alto de chances perdidas por seus comandados, mas se mostrou satisfeito com o nível de atuação. Ao mesmo tempo, aproveitou para reiterar a partida excepcional do goleiro sul-coreano.

“Nós criamos muitas chances e poderíamos até ter vencido por mais. Estou confiante que nós podemos ser mais efetivos e letais nas próximas partidas. Definitivamente, o melhor jogador da partida foi o goleiro da Coreia e isso mostra o que foi o jogo”, comentou o treinador.

Com a vitória, a Suécia assumiu a liderança do Grupo F junto com México, que triunfou sobre a Alemanha. Os atuais campeões mundiais, aliás, são os próximos adversários de Andersson e seus jogadores, que avaliam como possível sair com os três pontos. “Depois da derrota da Alemanha ontem e do que vimos é possível acreditar e acho que nesse sentido nossa vitória ganhou ainda mais importância”, finalizou o treinador.



Após arrancar um surpreendente empate com a Argentina no último sábado, pela estreia da Copa do Mundo da Rússia, a seleção islandesa realizou outro feito de se tirar o chapéu nesta segunda-feira. Desta vez, porém, a ação não foi dentro de campo. Os jogadores fizeram uma homenagem a Carl Ikeme, goleiro da Nigéria que recentemente foi diagnosticado com leucemia e acabou ficando de fora do Mundial.

Os nigerianos serão os próximos adversários da Islândia, pelo Grupo D da competição, na próxima sexta-feira, em Volgogrado. Quem se antecipou ao encontro foi o meia Jon Dadi Bodvarsson, companheiro de Ikeme no Wolverhampton-ING, que postou uma imagem junto aos companheiros segurando uma camisa da seleção nórdica com o nome do arqueiro. O post foi republicado pela página oficial da Federação.

 

“Todos nós na Islândia estamos com você, Carl Ikeme”, escreveu o atleta islandês.

Aos 32 anos de idade, Ikeme vinha sendo frequentemente convocado para defender a Nigérie e, inclusive, era cotado a ser titular da equipe na Copa. O goleiro foi diagnosticado com o câncer em julho de 2017 e se viu impossibilitado de atuar no Mundial da Rússia em 2018.

Islândia e Nigéria se enfrentam a partir das 12h (no horário de Brasília) da próxima sexta-feira. Pelo Grupo D da Copa, as seleções tentarão a primeira vitória no torneio. Após o empate com a Argentina, os Vikings somam um ponto na classificação. As Super Águias, por sua vez, perderam por 2 a 0 da Croácia e, com nenhum ponto somado, ocupam a lanterna da chave.



Nesta segunda-feira, a seleção sueca entrou no gramado da Arena Níjni Novgorod buscando, prioritariamente, os três pontos para assumir a liderança provisória do grupo F da Copa do Mundo junto ao México. Entretanto, o apito final do árbitro e a vitória por 1 a 0 deu fim a um jejum que perdura há mais de 50 anos na história dos europeus. Com o gol de Granqvist, a Suécia voltou a vencer uma partida de estreia, algo que não acontecia desde 1958.

A última vez que a Suécia havia debutado com triunfos em Mundiais foi justamente atuando em casa. Na oportunidade, a vitória foi justamente sobre a seleção mexicana, por 3 a 0, em Solna. No próximo dia 27, as equipes voltam a se enfrentar, dessa vez em solo russo, podendo, quem sabe, confirmar a classificação para as oitavas de final.

O resultado por 1 a 0 sobre os sul-coreanos também foi o primeiro dos suecos desde 2006 em Mundiais. Ausentes nas Copas de 2010 e 2014, a seleção europeia havia vencido o Paraguai por 1 a 0 pela segunda rodada da fase de grupos. O tento foi marcado por Fredrik Ljungberg.



A estreia de Suécia e Coreia do Sul na Copa do Mundo da Rússia não foi daquelas que empolgaram pelo aspecto técnico, tático, por craques em campo ou pelo placar final elástico. Se a grande maioria desses pontos torna difícil encontrar soluções, a falta de gols tem uma explicação e ela passa pelo nome de Cho Hyun-woo. Apesar da derrota, o goleiro sul-coreano teve grande atuação e foi o responsável pelo placar mínimo.

Quando um arqueiro sai de campo escolhido como o melhor jogador da partida diz muito a postura de sua equipe. Depois de um começo até animador, tendo a bola e o controle da partida, a Coreia viu a Suécia mudar o panorama e passar a assustar com alguma frequência. Para isso, estava lá Cho Hyun-woo.

A primeira aparição do camisa 23 foi apenas aos 19 minutos de jogo, quando se agigantou diante de Berg, que dentro da pequena área arrematou para a intervenção. Quando a defesa não aparecia para evitar o tento sueco, o goleiro fazia sua parte, como aos 42, quando fechou o ângulo e obrigou o atacante adversário a cruzar ao invés de tentar a conclusão.

Foi no segundo tempo que Cho Hyun-woo fez a “defesa do jogo”. Logo aos 10 minutos, esperou debaixo da meta o cabeceio firme de Toivonen e promoveu mais uma intervenção providencial. Apesar da atuação expressiva, acabou vendo Granqvist balançar as redes em cobrança de pênalti. Mesmo assim, manteve o alto nível para conter alguns contra-ataques suecos.

Se na estreia Hyun-woo trabalhou bastante, a tendência é de que suje ainda mais a camisa nos dois outros jogos da fase de grupos. No próximo sábado, o adversário é o México comandado por Juan Carlos Osorio, com um ataque que já se mostrou muito veloz e dinâmico. A missão final do arqueiro será nada mais, nada menos, que os atuais campeões mundiais. Dia 27 de junho, a Coreia mede forças com a Alemanha.




Sempre conhecido pelas suas polêmicas, o francês Eric Cantona deu mais uma mostra nesta segunda-feira. O ex-jogador publicou uma foto em suas redes sociais com macarrão na cabeça para ironizar o novo corte de cabelo de Neymar.

“Estilo Neymar. Espaguete al dente!”, escreveu o ex-craque francês na legenda da foto em que aparece com o alimento na cabeça segurando uma foto imprensa do brasileiro com o novo estilo de cabelo.

Esta não foi a primeira vez que Cantona critica algum aspecto do craque brasileiro. Logo após o camisa 10 acertar a sua transferências para o Paris Saint-Germain, no meio do ano passado, o ex-jogador afirmou que era um erro trocar o futebol espanhol pelo francês naquele momeno.

“Quando tem 25 anos, joga na seleção brasileira e no Barcelona, eu me pergunto: o que faz na Ligue 1 (Campeonato Francês) para jogar contra o Amiens ou o Guingamp? Não é esse o ponto de vista que eu tenho de futebol e da paixão”, disse Cantona, no ano passado.