Hamilton vence na Rússia, passa Senna em vitórias e fica a um passo do tri

São Paulo, SP

11-10-2015 09:51:18

Tudo conspira a favor do tricampeonato mundial de Lewis Hamilton na Fórmula 1. Em uma corrida cheia de acidentes na manhã deste domingo, o piloto da Mercedes contou com a sorte ou o azar do companheiro de equipe, Nico Rosberg, para vencer o GP da Rússia pelo segundo ano consecutivo e disparar na liderança do Mundial 2015. O britânico, que largou em segundo, assumiu a ponta após o carro do alemão quebrar na sétima volta e, depois disso, só precisou acelerar para garantir a nona vitória na temporada e a 42ª da carreira, ultrapassando seu maior ídolo na categoria, o brasileiro Ayrton Senna.

Com o resultado, Hamilton soma 302 pontos e aumenta a diferença para o vice-líder do campeonato – a vantagem que era de 48 passou a ser de 66 unidades. O novo maior perseguidor do britânico é o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, que terminou a prova em Sochi no segundo posto, seguido pela surpreendente Force India do mexicano Sergio Pérez, completando o pódio da 15ª etapa do campeonato.

Saindo da 15ª posição do grid de largada, o brasileiro Felipe Massa fez ótima corrida de recuperação e terminou na quarta posição graças ao choque entre os finlandeses Valtteri Bottas, que era terceiro, e Kimi Raikkonen, da Ferrari, na 53ª e última volta.

Raikkonen, que buscava a ultrapassagem, acabou sendo punido pelos comissários da prova com 30 segundos e caiu da quinta para a oitava colocação. Já Bottas, prejudicado pelo ataque irresponsável de seu compatriota, precisou abandonar, mas terminou em 12º por ter completado 90% da corrida, ficando fora da zona de pontuação.

Quem também recebeu sanção da organização da prova foi Fernando Alonso. O espanhol, que terminara em décimo, foi punido com cinco segundos por exceder os limites da pista e acabou em 11º, perdendo o ponto que havia conquistado.

Posto isso, Daniil Kvyat, Felipe Nasr, Pastor Maldonado e Max Verstappen se beneficiaram da punição a Raikkonen e ganharam uma posição cada, terminando em quinto, sexto, sétimo e décimo lugares, respectivamente, dentro da zona de pontuação.

O Circo da Fórmula 1 volta no dia 25 de outubro, quando acontecerá o GP dos Estados Unidos, no Circuito das Américas. Essa será a 16ª de 20 etapas do Mundial 2015.


A corrida -

Como é de costume, Lewis Hamilton largou bem e partiu para cima do companheiro Nico Rosberg, que fechou as portas e manteve a ponta. Nico Hulkenberg e Marcus Ericsson se chocaram na primeira curva e provocaram a bandeira amarela, levando o carro de segurança à pista.

Largando do 15º lugar, Felipe Massa ganhou três posições e ficou logo atrás do compatriota e xará Felipe Nasr, da Sauber. Quem também se deu bem foi Kimi Raikkonen. O finlandês ultrapassou o companheiro de Ferrari Sebastian Vettel e o compatriota da Williams, Valtteri Bottas, assumindo a terceira colocação.

Após três voltas com os bólidos em fila, o carro de segurança deixou a pista e deu margem para novas ultrapassagens. Bottas passou Raikkonen e recuperou o terceiro lugar, enquanto Nasr e Massa continuaram seguindo rumo ao pelotão da frente, chegando à nona e 11ª posições, respectivamente.

Já na sétima volta da prova, Rosberg teve problemas com o acelerador de sua Mercedes e acabou sendo ultrapassado com facilidade por Hamilton, que assumiu a ponta. O alemão foi aos boxes e lá os mecânicos desligaram o motor da prateada, encerrando a participação do então vice-líder do campeonato no GP da Rússia. Com isso, Lewis, Bottas, Raikkonen e Vettel passaram a formar o Top 4. Ao mesmo tempo em que Nasr, oitavo, e Massa, nono, se consolidaram dentro da zona de pontuação.

Mas aí o carro de segurança voltou a trabalhar na 12ª volta. Isso porque o francês Romain Grosjean perdeu o controle de sua Lotus, escapou da pista e bateu forte na barreira de proteção. O piloto, que defenderá a Haas em 2016, saiu andando do local do acidente sem ferimentos.

Depois de os detritos da Lotus serem retirados da pista, Bottas tentou o ataque a Hamilton, mas o britânico não deu chances de ultrapassagem, enquanto Vettel, esse sim, teve sucesso e passou o companheiro Kimi para assumir o terceiro posto. A essa altura, Nasr e Massa, que estava com pneus macios (amarelos), ainda não tinham feito paradas e se colocavam em sexto e sétimo lugares, respectivamente.

A partir de então, o que mais chamou atenção na corrida foram os duelos pelo segundo e terceiro lugares. Vettel se deu bem com a estratégia da Ferrari esperar um pouco mais para mandar seus pilotos aos boxes e tomou a segunda colocação de Bottas, que voltou atrás do pelotão da frente e precisou correr muito para voltar ao Top 5.

Com uma estratégia eficiente e mostrando ótimo desempenho da Force India no circuito russo, o mexicano Sergio Pérez foi ganhando posições aos poucos e, de repente, apareceu na terceira posição na parte final da corrida.

Trabalhando duro para segurar Bottas e Kimi que vinham logo atrás, Pérez não aguentou a pressão e na penúltima volta acabou ultrapassado pelos finlandeses. No entanto, a sorte estava com o mexicano, que assistiu de perto a batida entre os pilotos escandinavos a poucas curvas para o fim da corrida e reassumiu o terceiro posto.

Enquanto isso, bem à frente de todos, Lewis Hamilton aproveitou para acelerar e abrir cada vez mais distância de seus perseguidores. E não deu outra. O britânico confirmou o bom momento e garantiu a nona vitória na temporada e a 42ª da carreira.

Veja como ficou a classificação do GP da Rússia de Fórmula 1:

1: Lewis Hamilton (ING/ Mercedes)
2: Sebastian Vettel (ALE/ Ferrari)
3: Sergio Pérez (MEX/ Force India)
4: Felipe Massa (BRA/ Williams)
5: Daniil Kvyat (RUS/ Red Bull)
6: Felipe Nasr (BRA/ Sauber)
7: Pastor Maldonado (VEN/ Lotus)
8: Kimi Raikkonen (FIN/ Ferrari)
9: Jenson Button (ING/ McLaren)
10: Max Verstappen (HOL/ Toro Rosso)
11: Fernando Alonso (ESP/ McLaren)
12: Valtteri Bottas (FIN/ Williams)
13: Roberto Merhi (ESP/ Manor)
14: Will Stevens (ING/ Manor)

Abandonaram

Daniel Ricciardo (AUS/ Red Bull)
Carlos Sainz Jr. (ESP/ Toro Rosso)
Romain Grosjean (FRA/ Lotus)
Nico Rosberg (ALE/ Mercedes)
Nico Hulkenberg (ALE/ Force India)
Marcus Ericsson (SUE/ Sauber)

 

Deixe seu comentário