FIA e fabricantes permitirão maior desenvolvimento de motores em 2016

São Paulo, SP

16-10-2015 10:39:26

Dando sequência às medidas para tornar a Fórmula 1 mais atraente e competitiva, as fabricantes de motores e a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) se reuniram na última quinta-feira e decidiram dar mais liberdade às equipes em relação ao desenvolvimento das unidades de potência durante a temporada do ano que vem. As informações são do site britânico Autosport.

O regulamento atual diz que as fichas de desenvolvimento dos motores devem cair de 32 para 25 na temporada do ano que vem, porém tal restrição não deverá acontecer. Na reunião em Genebra, na Suíça, os chefes da Ferrari (Maurizio Arrivabene), da Mercedes (Toto Wolff), da Renault (Cyril Abiteboul) e da Honda (Yasuhisa Arai), concordaram com a alta cúpula da FIA e seu presidente, Jean Todt, em não limitar a capacidade das equipes no desenvolvimento dos motores.

Posto isso, a Honda, atual fornecedora da McLaren, e Renault, que deverá ter sua própria equipe em 2016, terão a chance de diminuir a diferença de desempenho de suas unidades de potência em relação à Mercedes e Ferrari.

O livro de regras de 2016 ainda previa que os fabricantes eram obrigados a homologar seus propulsores em 28 de fevereiro, sendo proibida qualquer atualização de desempenho após essa data. No entanto, as fornecedoras e a entidade que regulamenta a categoria decidiram permitir tais atualizações durante toda a temporada.

Na reunião, ainda foi acordado que as equipes poderão utilizar as versões mais antigas dos motores, como acontece atualmente com a Manor, que conseguiu uma brecha no regulamento para andar com as unidades de potência de 2014 da Ferrari.

Ambas as propostas, porém, exigem a alteração oficial no regulamento e ainda têm que passar pelo crivo do Conselho Mundial de Automobilismo. Por enquanto, nenhuma data foi definida para uma próxima reunião.

Deixe seu comentário