Trump lamenta desculpas de jogador da NFL por críticas a protestos antirracismo

São Paulo, SP

05-06-2020 22:15:15

O presidente americano, Donald Trump, criticou nesta sexta-feira (5) o astro do futebol americano Drew Brees por ter se desculpado por comentários polêmicos nos quais se opôs aos protestos contra o racismo antes das partidas, ao afirmar que os considerava um desrespeito à bandeira.

"Sou um grande fã de Drew Brees", escreveu Trump em sua conta no Twitter.

"Acredito que realmente é um dos nossos melhores quarterbacks, mas não deveria ter se desculpado por sua postura original em honra à nossa magnífica bandeira americana", acrescentou o mandatário.

A bandeira, reforçou, "deve ser venerada, apreciada e tremular alto. Devemos ficar de pé, idealmente com uma saudação ou com uma mão no coração".

"Há outras coisas contra as quais se pode protestar, mas não com a nossa Grande Bandeira Americana. NÃO SE AJOELHANDO!", emendou.

Brees, líder dos New Orleans Saints, causou grande polêmica na quarta-feira, após sugerir em uma entrevista que os jogadores da NFL que se ajoelhavam durante o hino nacional em protesto contra a injustiça racial estavam sendo "desrespeitosos" com a bandeira americana.

No dia seguinte, o jogador emitiu um longo pedido de desculpas por seus comentários.

Em uma postagem no Instagram, o quarterback disse que sua sugestão de que ajoelhar-se para protestar contra o racismo e a brutalidade policial era "desrespeitoso" com a bandeira dos Estados Unidos tinha sido "ofensiva e insensível".

"Gostaria de pedir desculpas aos meus amigos, colegas de equipe, à cidade de Nova Orleans, à comunidade negra, à comunidade da NFL e a qualquer pessoa que eu tenha machucado com meus comentários de ontem", disse Brees nesta quinta-feira.

"Ao falar com alguns de vocês, parte meu coração saber a dor que causei".

"Na tentativa de falar sobre respeito, unidade e solidariedade em torno da bandeira americana e o hino nacional, fiz comentários insensíveis e que erraram completamente o alvo sobre os problemas que estamos enfrentando agora como país", disse o jogador de 41 anos.

Bree tinha criticado na véspera a volta desses protestos durante o hino.

"Eu nunca vou concordar com alguém que não respeita a bandeira dos Estados Unidos", disse Brees em entrevista ao Yahoo.

Drew Brees defende o New Orleans Saints (Foto: Sean Gardner/AFP)

Colegas da equipe de Brees, outros jogadores da NFL e até mesmo o superastro da NBA LeBron James criticaram o quarterback por seus comentários, feitos em um momento em que o país segue indignado pelo assassinato do afro-americano George Floyd por um policial branco em Minneapolis.

Nos protestos, que continuam crescendo mais de uma semana depois do crime, tem sido repetido o gesto de Colin Kaepernick, o quarterback negro que começou em 2016 a colocar um joelho no chão durante a execução do hino antes das partidas como protesto contra o racismo e a violência policial contra os afro-americanos.

Kaepernick, que três anos antes liderou os San Francisco 49ers até o Super Bowl, não voltou a ser contratado desde a equipe o liberou ao final da temporada de 2016.

Deixe seu comentário