Com presença nos EUA ameaçada, Djokovic mantém decisão de não se vacinar para covid

AFP - São Paulo,SP

25/06/22 | 19:22

Novak Djokovic, novamente, se mostrou inflexível a respeito de sua rejeição a se vacinar contra a covid-19, mesmo que possa ficar fora do Aberto dos Estados Unidos no final de agosto, tal como aconteceu no início deste ano no Aberto da Austrália.

O Grand Slam acontecerá em agosto deste ano e, até o momento, as autoridades americanas mantêm a obrigação de vacinação para entrar no país.

Perguntado na coletiva de imprensa prévia a Wimbledon se mantém sua postura de não se vacinar, Djokovic respondeu com um lacônico "sim".

"Você insiste nessa ideia", continuou o jornalista. "Sim", respondeu novamente o sérvio. Caso não possa disputar o US Open, Wimbledon será o último Grand Slam que o tenista disputará neste temporada.

"Hoje, levando em conta a situação, não estou autorizado a entrar nos Estados Unidos. É uma motivação a mais para jogar bem aqui (em Wimbledon)", acrescentou Djokovic, que busca seu sétimo título no Grand Slam sobre grama.

"Gostaria de ir aos Estados Unidos, mas, no momento, não é possível. Não posso fazer grande coisa. Depende realmente do governo americano de aceitar ou não a entrada de uma pessoa não vacinada em seu território", continuou.

Por não estar vacinado, o atleta foi deportado da Austrália em janeiro, antes do início do primeiro Grand Slam da temporada, em que pretendia chegar ao seu décimo título.

Em Wimbledon, além disso, os tenistas não somarão pontos, já que a ATP decidiu que não contará o torneio para a classificação de seu ranking após a exclusão de russos e bielorrussos por conta da guerra na Ucrânia.

Atualmente número 3 do mundo, Djokovic já ganhou três vezes o US Open, em 2011, 2015 e 2018, e soma 20 títulos de Grand Slam na carreira.

Deixe seu comentário