Realizada profissionalmente, Poliana Okimoto se despede da natação

João Varella* - São Paulo , SP
04/12/2017 15:14:22

Em: Bastidores, Mais Esportes, Natação
Após bronze nas Olimpíadas de 2016, Poliana Okimoto decide se aposentar aos 34 anos (Foto: Divulgação)

Na manhã desta segunda-feira, um dos principais nomes brasileiros da natação anunciou sua aposentadoria das competições. Em coletiva realizada na cidade de Santos, Poliana Okimoto confirmou que irá “pendurar o maiô” após a disputa do evento Rei e Rainha do Mar, que acontece neste final de semana em Copacabana no Rio de Janeiro. Aos 34 anos, a atleta revelou que se sente realizada dentro de sua profissão e deve focar em projetos pessoais, o principal deles é ser mãe.

“Eu estou muito feliz pelo momento que eu estou passando. Todos os atletas irão passar por isso e agradeço pela Unisanta pelo apoio e fé que depositam em mim. Isso me emociona porque na minha carreira, tudo sempre foi conquistado com muita luta, mas quando eu olho pra trás tudo valeu a pena. Os treinos de madrugada, as viagens, a dedicação. Tudo o que eu tive na minha carreira se valeu disso e da ajuda dos meus parceiros. Hoje a chance é 0 (de repensar na decisão). Tenho um projeto pessoal, o lado profissional eu estou muito realizada. A vontade de ser mãe é muito grande”, declarou emocionada.

Primeira mulher a conquistar uma medalha olímpica nos esportes aquáticos brasileiros. Poliana deixou claro que o sentimento de dever cumprido nas águas e as suas metas pessoais encabeçam os motivos para o encerramento da carreira. No entanto, a atleta também cita a falta de apoio como contribuinte para a sua escolha.

Poliana Okimoto e alunos da faculdade parceira em evento que anunciou a aposentadoria (Foto: João Varella/ Gazeta Press)

“Logo após os Jogos Olímpicos do Rio 2016 houve uma euforia, mas o cenário brasileiro já era difícil antes, e depois das Olimpíadas ficou pior. muitos atletas perderam patrocínios e encontraram dificuldades para continuar. Eu mesmo perdi parceiros e comecei a ter problemas para treinar e isso faz com que você perca a motivação. Sou uma pessoa perfeccionista. Quando entro num projeto quero dar 100% de mim. Se não for pra fazer bem feito, eu prefiro não fazer. Hoje sinto que não conseguiria desempenhar de maneira satisfatória”, avaliou a atleta.

Representando a Unisanta, na função de pró-reitor administrativo, o ex-presidente do Santos Marcelo Teixeira revelou que ainda não desistiu de fazer a nadadora repensar a aposentadoria. Sei que é difícil, mas ainda tenho esperança que ela mude de opinião. Ainda tentarei utilizar meus conhecimentos como dirigente para tentar convencê-la a mudar de ideia. Caso não consigamos demover esta ideia de parar, ela já está inserida em um Projeto Social, juntamente com o seu técnico e marido Ricardo Cintra. Eles vão trabalhar novos talentos para a nossa equipe”, declarou logo depois de anunciar a homenagem de dar o nome de Poliana a uma piscina do complexo Unisanta.

*Especial para Gazeta Esportiva