Gazeta Esportiva |

Murer não vê vantagem em possível ausência de Isinbayeva no Rio 2016

Em Atletismo, Mais Esportes, Olimpíadas 2016
Publicado em 11/11/2015 13:44:57 Compartilhe
São Paulo , SP
Fabiana Murer saltou 4,85m para levar a prata em Pequim, cinco centímetros a menos que a cubana Yarisley Silva (Foto: Peter Parks/AFP)
Fabiana Murer saltou 4,85m para levar a prata em Pequim, cinco centímetros a menos que a cubana Yarisley Silva (Foto: Peter Parks/AFP)

Única brasileira a ter conquistado medalha no Mundial de Pequim em agosto, Fabiana Murer não enxerga como vantajosa uma possível ausência de Yelena Isinbayeva, sua rival histórica no salto com vara, nas Olimpíadas de 2016. Dona de dois ouros olímpicos, a russa tem sua vinda ao Rio de Janeiro ameaçada devido ao escândalo de doping envolvendo atletas e dirigentes de seu país, que pode ser banido do maior evento esportivo do mundo caso não atenda as exigências da Agência Mundial Antidoping (Wada) e o Comitê Olímpico Internacional.

“Pra mim não faz diferença, porque se eu não saltar alto, não adianta nada, a medalha não vem. Então, eu só estou pensando em fazer um bom treino pra chegar lá confiante na hora da competição, conseguir fazer saltos altos e essa medalha tão sonhada”, justificou a atleta de 34 anos à ESPN.

“Lógico que ela é uma grande atleta, ela fez o atletismo, principalmente o salto com vara, crescer e ser conhecido pelo mundo, mas para o atleta que vai estar lá competindo na prova, tem que ir lá e fazer seu melhor pra buscar essa medalha, não importa se tem mais ou menos gente competindo na prova, tem que ir lá e saltar alto”, explanou Murer, ressaltando a importância das investigações no caso.

“O bom é que estão indo atrás, estão investigando, estão pegando as pessoas que estão burlando o sistema. Acho que para o atleta que compete limpo é importante saber que as coisas estão caminhando bem”, argumentou a campineira.

Isinbayeva e Murer formam a maior rivalidade do salto com vara há pelo menos uma década. Nesse período, a russa faturou nove medalhas de ouro, sendo duas olímpicas e sete oriundas de Mundiais. Já a brasileira foi campeã dos Mundiais de Doha 2010 (pista coberta) e Daegu 2011.

Sobre as expectativas para o Rio 2016, quando pode ganhar a inédita medalha olímpica, Fabiana falou: “Estou bem motivada para essa Olimpíada, tá chegando, estou numa fase de treinos bem fortes, volto a competir em fevereiro na temporada de pista coberta, ainda tem o Mundial em março, em pista coberta, e aí sim vou começar minha preparação direta para as Olimpíadas, mas tá indo tudo bem e fazendo bons treinos”.

Na temporada 2015, Fabiana Murer foi medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e no Mundial de Pequim, sendo derrotada em ambas as vezes para a cubana Yarisley Silva. Pela Liga Diamante, no entanto, a brasileira faturou dois ouros – etapas de Birmingham e Nova York – e terminou em segundo lugar no geral.

Comente