Atletismo/Corrida Internacional de São Silvestre

Giovani quer acompanhar africanos até a Brigadeiro para surpreender

André Sender e Helder Júnior - São Paulo, SP - Brasil
30/12/2014 14:55:00

Em: Atletismo, Corrida Internacional de São Silvestre, Mais Esportes

Melhor brasileiro nas duas últimas edições da Corrida Internacional de São Silvestre, Giovani dos Santos acredita que pode surpreender os atletas africanos na prova desta quarta-feira, 31 de dezembro. O corredor da equipe Pé de Vento quer acompanhar o ritmo dos rivais até a subida da Avenida Brigadeiro Luís Antônio para aí tentar surpreender na briga pela vitória.

Giovani ficou na quarta colocação da São Silvestre em 2012 e 2013, anos em que a prova foi vencida por atletas africanos, e em 2010, quando Marílson Gomes dos Santos conquistou o tricampeonato, no último triunfo de um atleta nacional no tradicional evento de 31 de dezembro.

“Duas vezes estive com os quenianos até o décimo quilômetro e depois eles conseguiram abrir um pouco e ficou difícil de alcançar. Se conseguir ir com eles até a subida da Brigadeiro, já seria uma motivação a mais porque o apoio da torcida pode me dar inspiração para quem sabe no final até vencer”, disse Giovani.

Giovani dos Santos ficou na quarta colocação três vezes e agora sonha com a vitória
Giovani dos Santos ficou na quarta colocação três vezes e agora sonha com a vitória – Credito: Fernando Dantas/Gazeta Press

O atleta se inspira no caso de Emerson Iser Bem, que conquistou a edição de 1997 da São Silvestre derrotando o queniano Paul Tergat, maior vencedor da história da prova. Naquele ano, o brasileiro ultrapassou o rival africano justamente na subida da Brigadeiro, considerada por muitos o trecho mais difícil do percurso.

O principal rival de Giovani dos Santos será o etíope Tariku Bekele, campeão da São Silvestre de 2011, medalha de bronze nos 10 mil metros nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e irmão do astro Kenenisa Bekele. Os quenianos Mark Korir e Stanley Koech, donos da segunda e terceira colocações em 2013, respectivamente, também estão entre os favoritos.

“Este ano eu venho mais bem preparado do que em 2013 e com condições de brigar de igual para igual com eles. Se eu vir que o ritmo deles está no meu limite, vou acompanhar. Se estiver mais fraco, vou tentar escapar, não preciso seguir o que eles estiverem fazendo”, explicou.

Neste ano, a São Silvestre chega a sua 90ª edição consecutiva. Com largada na altura da Rua Frei Caneca da Avenida Paulista e chegada em frente ao edifício da Fundação Cásper Líbero, a elite feminina parte às 8h40 (de Brasília), 20 minutos antes da elite masculina e do pelotão geral.