Baloteli se emociona após vencer o decatlo do Troféu Brasil no Engenhão

São Paulo, SP

23-06-2022 23:25:15

José Fernando Ferreira Santana, o Baloteli (Pesqueira-PE), demonstrou muita emoção ao conquistar nesta quinta-feira a vitória no decatlo na quarta etapa do XLI Troféu Brasil, disputada no Estádio Olímpico Nilton Santos, no Rio de Janeiro. O pernambucano somou 7.707 pontos nos dois dias de competição e comemorou com gritos de “eu mereço, eu mereço” a conquista do bicampeonato da competição.

"Os últimos três anos foram muito difíceis, com poucas provas em função da pandemia e enfrentei problemas pessoais. Deixei de treinar em Recife, me mudei para São Paulo”, comentou o decatleta que está treinando com Neilton Moura, em Guarulhos e no Núcleo de Alto Rendimento.

Baloteli, de 23 anos, chegou a chorar em sua comemoração. “Não sei o que se passa na minha cabeça. Sei que venci em pleno Estádio Olímpico. Em 2016, ainda estava em Pesqueira, minha cidade”, completou.

Felipe Vinícius dos Santos (Pinheiros-SP) foi o vice-campeão, com 7.666 pontos. Representante do Brasil nos Jogos de Tóquio 2020, ele reclamou de dores em todo o corpo. Já o terceiro lugar ficou com Pedro de Oliveira (AFE-SP), com 7.504 pontos.

No salto em altura mais um vez teve o confronto entre Thiago Moura (ASUFAM-SP) e Fernando Ferreira (IEMA-SP), que representaram o Brasil em Tóquio. Thiago levou a melhor e conquistou o ouro, com 2,23 m, seguido de Fernando, com 2,21 m, e de Talles Sousa (Pinheiros-SP), com 2,14 m.

Thiago Moura ficou com o ouro no salto em altura com 2,23m. (Foto: Ricardo Sodré/CBAt)

“A prova foi muito demorada e no final me senti muito cansado. Cheguei na segunda-feira da Europa, com uma dor no pé. Passei por exames na NewOn e nada de grave foi constatado. Só na terça-feira confirmei minha presença no Troféu Brasil”, explicou Thiago Moura.

No salto em distância, Lucas Marcelino dos Santos (Pinheiros-SP) e Danylo Santos Martins (Sogipa-RS) terminaram com 7,68 m como melhor marca. No desempate, Lucas levou o ouro. Ulisses Costa (ASPMP-SP) terminou em terceiro lugar, com 7,65 m. “Venci no último salto. Acreditei até o fim", lembrou Lucas, que teve uma segunda marca melhor do que Danylo.

Allan da Silva Wolski (Pinheiros-SP) comemorou o quinto título do Troféu Brasil da carreira, com 72,05 m. “Queria uma marca melhor, mas fiquei na média dos resultados do ano. De qualquer forma somei pontos importantes no Ranking pensando no Mundial”, comentou. Luís Gustavo Aguiar da Silva (Praia Grande-SP) garantiu a prata, com 66,75 m, seguido de Alencar Chagas Pereira (UCA-SC), com 66,01 m.

Já no salto triplo, Ketllyn Pamela Daniel Zanette (UCA-SC) obteve o seu primeiro título na competição, com 13,10 m (0.3). “Tinha dois bronzes, em 2020 e 2021, e agora ganhei”, disse a atleta, que treina com o casal Nélio e Tânia Moura em São Paulo. Gabriele Sousa dos Santos (Pinheiros-SP) e Milena Fernandes Lopes (AEFV-RJ) ficaram com a prata, com 12,91 m (-0.1) e o bronze, com 12,88 m (0.3), respectivamente.

Por fim, nos dois revezamentos 4x100 m, os campeões dos 100 m comandaram suas equipes na vitória: o SESI-SP de Felipe Bardi dos Santos venceu no masculino, com 38.90, enquanto Pinheiros (SP) de Vitória Rosa ganhou com 44.93.

(Foto: Wagner Carmo/CBAt)

Deixe seu comentário