Copa do Brasil

Allianz Parque | 12/09/2018

Futebol

Pelo 2º ano, Cruzeiro pressiona árbitro antes de enfrentar o Palmeiras

Bruno Calió - São Paulo , SP
12/09/2018 08:00:34

Em: Copa do Brasil, Cruzeiro, Escolha do editor, Palmeiras

Wagner Reway, árbitro Fifa do Mato Grosso, ainda nem começou a apitar o duelo entre Palmeiras e Cruzeiro, no Allianz Parque, pela semifinal da Copa do Brasil, mas já está pressionado. A situação, porém, está longe de ser incomum.

Pelo segundo ano consecutivo, a diretoria da Raposa se manifestou sobre a escolha da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para arbitrar o duelo mata-mata contra o Palmeiras, pela Copa do Brasil. Em 2017, Bruno Vincintin elogiou Wilton Pereira de Sampaio (GO), mas fez adendos sobre as atuações do profissional que atuou no duelo de volta, no Mineirão.

“É um arbitro muito bom, um jovem árbitro, bom, porém no jogo com o São Paulo foi ele que arbitrou a partida e deu o segundo gol para o São Paulo, que estava irregular. Tem histórico também, na final entre Palmeiras e Coritiba (2012), que ele não deu um gol para o Coritiba. Historicamente, ele é um bom árbitro, e a gente confia que estes erros vão ficar para trás, ele vai fazer uma grande arbitragem”, afirmou na ocasião.

Antes do jogo de volta, em Minas, os então diretores Klauss Câmara e Tinga estiveram no sorteio realizado pela CBF e conversaram com o presidente da comissão da arbitragem, Coronel Marinho.

“O Cruzeiro considera que nos últimos dois jogos (do Campeonato Brasileiro) foi prejudicado. (…)Tivemos cuidado de ver todos os comentaristas de arbitragem, e todos foram unânimes. Foram lances que prejudicaram muito. Vem agora quarta um jogo importantíssimo, em que já fomos prejudicamos na primeira partida, onde o terceiro gol foi irregular”, completou Vincintim.

Na temporada passada, o Cruzeiro acabou classificado à semifinal da Copa do Brasil, após um empate por 3 a 3 no Allianz Parque (em que ganhava por 3 a 0 ao final do primeiro tempo), e outra igualdade por 1 a 1 no Mineirão. No duelo em São Paulo, o terceiro tento, anotado por Borja, foi em posição irregular, mas nos dois confrontos aconteceram pênaltis não marcados a favor do Maior Campeão do Brasil, em Borja e Róger Guedes.

Já para o jogo desta quarta-feira, que começa a decidir um dos finalistas da Copa do Brasil, o Cruzeiro voltou a se manifestar sobre a arbitragem. O diretor de futebol Marcelo Dijan e o técnico Mano Menezes externaram suas preocupações com a arbitragem de Wagner Reway.

“Estamos muito preocupados com o jogo de quarta-feira, que é de mata-mata. Já estive três vezes na CBF conversando com o Coronel Marinho e o Alício Pena Júnior (…) Mas nós estamos realmente sendo prejudicados. O árbitro que foi colocado para quarta, pelas estatísticas, pende bastante para o time da casa. No jogo São Paulo x Ceará teve sete cartões amarelos para o Ceará [visitante]. Isso nos deixa preocupados. A gente espera que, apesar da Copa do Brasil ter o VAR [árbitro de vídeo], estes erros não aconteçam. Mas, não deixa de ser uma inquietação para nós do Cruzeiro”, destacou Djian.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

“O árbitro não é da primeira linha. É um árbitro que apitou recentemente São Paulo x Ceará e deu sete cartões amarelos para o time visitante. Então, é um árbitro que tem o pulso meio nervoso, que quando a torcida grita, daqui a pouco está dando cartão amarelo para quem está jogando como visitante. Vamos nos cuidar também, nos preparar, para que tudo seja dentro da legalidade dentro do campo e que o melhor vença, que é a intenção de todo mundo”, corroborou Mano Menezes.

Pelo Brasileirão, o Cruzeiro foi prejudicado contra o Sport, na última rodada em que Barcos anotou um gol legítimo, mas anulado pela arbitragem. A Raposa ainda perdeu uma penalidade no empate sem gols.