Brasil vence a Venezuela, segue 100% com Tite e assume a liderança

São Paulo, SP
11/10/2016 23:47:06 — 12/10/2016 00:04:58

Em: Brasil, Eliminatórias Copa do Mundo, Futebol, Venezuela
Gabriel Jesus aproveitou um vacilo do goleiro Hernández e marcou por cobertura (foto: Juan Barreto/AFP)
Gabriel Jesus aproveitou um vacilo do goleiro Hernández e marcou por cobertura (foto: Juan Barreto/AFP)

O desfalque de Neymar, suspenso, não impediu a Seleção Brasileira de manter o seu aproveitamento impecável sob o comando de Tite. Na noite desta terça-feira, a equipe nacional não teve dificuldades para fazer 2 a 0 sobre a frágil Venezuela, em Mérida, com gols de Gabriel Jesus e Willian. Um apagão nos refletores do estádio paralisou o jogo por pouco mais de 20 minutos, no segundo tempo.

O resultado levou o Brasil à liderança das Eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo. Antes desacreditada, a Seleção subiu para 21 pontos depois de bater Equador (3 a 0), Colômbia (2 a 1), Bolívia (5 a 0) e Venezuela com Tite no banco de reservas. O Uruguai, que empatou por 2 a 2 com os colombianos também nesta terça-feira, ficou para trás, com 20. Os venezuelanos somam apenas 2 e estão na lanterna.

A Seleção Brasileira voltará a se reunir em novembro para enfrentar a Argentina, no Mineirão, e o Peru, em Lima. No mesmo período, a Venezuela buscará a sua reabilitação contra a Bolívia, em casa, e diante do Equador, como visitante.

O jogo – Atuando no campo de ataque da Venezuela desde os primeiros minutos, o Brasil logo foi recompensado. O goleiro Hernández entregou a bola de presente para Gabriel Jesus aos sete, e o atacante do Palmeiras mostrou categoria para concluir por cobertura e abrir o placar.

Incrédulo com o erro de Hernández, o técnico e ex-goleiro Rafael Dudamel ficou frenético à beira do gramado, tentando corrigir os problemas da Venezuela com berros. A sua equipe até tentava responder, mas pecava pela falta de técnica. Quando avançava, dependia muito dos lampejos de talento de Peñaranda.

Do outro lado, a Seleção Brasileira jogava tranquila, graças à vantagem que construiu rapidamente. Pressionava a saída de bola venezuelana e obtinha alguns desarmes providenciais, porém não tinha ímpeto para transformar o grande volume de jogo em oportunidades de gol.

Substituto de Neymar, Willian fechou a contagem antes do apagão nos refletores (foto: Juan Barreto/AFP)
Substituto de Neymar, Willian fechou a contagem antes do apagão nos refletores (foto: Juan Barreto/AFP)

A melhor chance de ampliar o placar no primeiro tempo surgiu justamente de uma roubada de bola. Aos 32, Paulinho arrancou em velocidade contra a desarmada defesa adversária e passou mal para Gabriel Jesus, que devolveu. Já dentro da área, o volante chutou mascado, perto do alvo.

Apesar de não ter aumentado tanto o ritmo no princípio da segunda etapa, o Brasil achou o seu gol outra vez aos sete minutos. Renato Augusto apareceu na ponta esquerda para jogar a bola para a área, e Willian correu por trás da defesa, na direita, e arrematou cruzado para a rede.

Com 2 a 0 no placar, a partida pareceu ficar ainda mais fácil para o Brasil. A frágil Venezuela já não tinha forças nem para puxar contra-ataques com Peñaranda. E só não foi vazada novamente aos 12 minutos, em cabeçada de Renato Augusto, porque o árbitro peruano Victor Carrillo viu impedimento de Gabriel Jesus no lance.

A partir de então, o técnico Dudamel sacou Juanpi para a entrada de Guerra na Venezuela, propondo um jogo aberto com o Brasil. Chegou a fazer o goleiro Alisson enfim suar a camisa, porém também expôs a sua defesa a investidas como a que culminou em um chute de primeira de Gabriel Jesus, quase da marca do pênalti. Hernández defendeu.

O goleiro Alisson quase não trabalhou diante do fraco ataque da seleção venezuelana (foto: George Castellanos/AFP)
O goleiro Alisson quase não trabalhou diante do fraco ataque da seleção venezuelana (foto: George Castellanos/AFP)

Não foi apenas o Brasil que conteve o esboço de reação da Venezuela. Aos 28, pouco após Willian se chocar com uma placa de publicidade, um apagão nos refletores do estádio paralisou a partida por cerca de 20 minutos. Quando a energia foi restabelecida, a equipe de Tite tratou de esfriar o jogo.

O técnico também fez a sua parte. Colocou Giuliano e Taison nos lugares de Philippe Coutinho e Willian e viu o novo líder das Eliminatórias sul-americanas passar os últimos minutos do confronto com o lanterna sem ser ameaçado.

FICHA TÉCNICA
VENEZUELA 0 X 2 BRASIL

Local: Estádio Metropolitano de Mérida, em Mérida (Venezuela)
Data: 11 de outubro de 2016, terça-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Victor Carrillo (Peru)
Assistentes: Jonny Moncada (Peru) e Raúl Cruz (Peru)
Cartões amarelos: Velázquez, Ángel e Herrera (Venezuela); Paulinho (Brasil)
Gols: BRASIL: Gabriel Jesus, aos 7 minutos do primeiro tempo, e Willian, aos 7 minutos do segundo tempo

VENEZUELA: Hernández; Rosales, Ángel, Velázquez e Feltscher; Rincón, Flores (Herrera) e Juanpi (Guerra); Martínez, Rondón e Peñaranda (Otero)
Técnico: Rafael Dudamel

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Filipe Luís; Fernandinho, Paulinho, Willian (Taison), Renato Augusto e Philippe Coutinho (Giuliano); Gabriel Jesus
Técnico: Tite