Futebol

Ronaldinho Gaúcho e Assis continuarão presos em hotel no Paraguai

AFP - São Paulo , SP
08/04/2020 11:34:33 — 08/04/2020 12:43:28

Em: Bastidores, Futebol, Notícias

Um juiz paraguaio concedeu prisão domiciliar ao ex-craque Ronaldinho Gaúcho, que deverá continuar a responder ao processo por uso de passaporte adulterado em um hotel de Assunção, informaram fontes judiciais na terça-feira.

“A medida alternativa corresponde a Ronaldinho e a seu irmão, que continuarão presos em um hotel. Tenho o registro da aceitação dos gerentes do hotel para que, às suas próprias custas, permaneçam em prisão domiciliar lá”, disse o juiz Gustavo Amarilla em uma coletiva de imprensa.

A dupla ficará no Hotel Palmaroga, de estilo colonial, recentemente inaugurado com 107 quartos e instalações de alto nível. Ronaldinho cumpriu um mês de prisão na segunda-feira na Agrupação Especializada de Assunção. A medida também beneficia o irmão Roberto de Assis Moreira.

Os advogados de defesa pagaram fiança no valor de 1,6 milhão de dólares para os dois brasileiros. Amarilla, juiz garantista, aceitou a quantia oferecida e ordenou a libertação do ex-craque do futebol mundial da prisão.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Devido à epidemia de coronavírus, o juiz comunicou sua decisão ao acusado por celular na presença do promotor e da defesa.

Em sua decisão, o juiz destacou que os promotores não apresentaram mais elementos para ampliar a acusação, após perícia nos celulares da dupla: “Os promotores também avaliaram que a fiança real foi significativa”.

O dinheiro foi depositado em dólares no Banco Nacional de Fomento (estatal) em nome do tribunal. “Em caso de fuga, estão estabelecidas as garantias jurídicas para que este dinheiro vá para o Estado”, destacou o juiz.

“São fundos próprios de Ronaldinho. É um dinheiro que ele tinha no exterior, na Europa exatamente”, revelou o juiz.

Amarilla reafirmou que “eles não poderão sair do país, independentemente da prisão domiciliar”, mas deu a entender que nos próximos dias a situação da dupla deve melhorar, já que a promotoria não ampliará a denúncia contra Ronaldinho e Assis.

Ronaldinho chegou em 4 de março e foi recebido com entusiasmo por cerca de duas mil crianças e adolescentes no Aeroporto Internacional de Assunção, com uma agenda destinada a ajudar crianças desamparadas por meio de uma fundação chamada Fraternidade Angelical.

Ao chegar ao terminal, ele e seu irmão e um empresário brasileiro que os acompanhava mostraram passaportes paraguaios reais, mas com conteúdo falso, às autoridades de imigração. A pena deve chegar a cinco anos de prisão.

Ambos alegaram que os documentos lhes foram entregues de presente pela empresária que os convidou para vir ao Paraguai, chefe da fundação humanitária, até o momento foragida. Pela causa, outras 14 pessoas foram indiciadas e forçaram a renúncia do diretor de Migração.

A investigação tributária busca determinar em que contexto os documentos falsificados foram emitidos e qual o objetivo de seu uso no Paraguai, ambos tendo processado sua própria documentação brasileira. O juiz Gustavo Amarilla anunciou que Ronaldinho e seu irmão vão ficar em um hotel na rua central de Palma de Assunção. O ex-jogador da seleção brasileira fez 40 anos no dia 21 de março, quando estava preso na capital paraguaia.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Ads – Rodapé Posts




  • fidutifo

    Os fatos relacionados com o caso do Ronaldinho Gaucho e seu irmão Assis mostram claramente intenção de humilhação destes brasileiros por parte dos hispanos. Aproveitando da boa intenção dos irmãos (talvez uma certa inocência) uma empresaria paraguaia ligada a instituição de caridade para meninos necessitados convidou os irmãos a ir ao Paraguay indicando a eles que também poderiam fazer publicidade de livro autobiográfico do jogador brasileiro. Mas tudo indica que foi uma armadilha por parte dos hispanos. Primeiro com a manufatura de passaportes fraudulentos, sabendo ou nao que como brasileiros, os irmãos nao precisariam de passaporte para circular por países membros do Mercosul, depois os hispanos encomendaram identidades fraudulentas, também sabendo ou nao de que cidadãos de países membros do Mercosul precisam apenas de identidades do países de origem, e os dois brasileiros tem RG brasileira e nao precisam de identidade paraguaia (que brasileiro gostaria de ter essa porcaria?). Assim foi montada a farsa para aprisionar os dois brasileiros principalmente um deles com fama internacional. Acabaram ate pondo os brasileiros em presidio de segurança maxima. Adicionando ao escândalo a noção de se tratar de um par de terroristas brasileiros. E tudo isso de um paisinho hispano dependendo do Brasil em comprar acima de 30% dê suas exportações (que praticamente vem de produtores brasileiros que moram la). Brasileiro nenhum deve aceitar ser tratado desta maneira, nem por este hispanos. O ministro Moro deveria mandar uns aviões militares para trazer os dois brasileiros de volta ao Brasil.