Juan Carlos Osorio já fala em saudade e dá “até logo” ao São Paulo

São Paulo, SP

08/10/15 | 08:00

Logo após deixar o comando técnico do São Paulo para assumir a seleção mexicana, o treinador Juan Carlos Osorio já se disse estar com saudades do clube do Morumbi. Em tom de tristeza pela partida e agradecimento pela oportunidade, o colombiano, já substituído no posto por Doriva, também evitou dar um adeus definitivo à equipe tricolor.

“Digo até logo. O futuro fica aberto. Terei sempre o São Paulo no coração, torcerei pelo time. O futebol muda constantemente, com certeza algum dia voltarei ao Brasil e a São Paulo para assistir jogos, ver o time, trabalhar, observar jogadores... alguma coisa”, prometeu o treinador, em entrevista a canal oficial do clube.

“Me sinto orgulhoso por dirigir um clube com tanta história. Foi uma decisão complicada (de deixar o Tricolor), então é um encontro de sentimentos, que faz com que a pessoa já sinta saudade e dificuldade de ir embora”, adicionou.

Osorio deixou o São Paulo para perseguir seu sonho de dirigir uma seleção na Copa do Mundo (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Osorio deixou o São Paulo para perseguir seu sonho de dirigir seleção na Copa do Mundo (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Em quatro meses à frente da equipe, Osorio viveu momentos distintos. Chegou prestigiado, com objetivo de trazer ideias novas para o futebol brasileiro, mas sofreu com alguns obstáculos no meio do caminho, como a saída de oito jogadores do elenco e desentendimentos com a diretoria. Apesar disso, o treinador também conseguiu levar o Tricolor à semifinal da Copa do Brasil e devolver o time na quinta colocação do Campeonato Brasileiro, mesmo posto que ocupava em sua chegada.

“A experiência de treinar o São Paulo me puxou mais para frente como treinador e como homem do futebol. Acredito também que estar aqui, trabalhar no Brasil, com tanta pressão, me fortaleceu e me enriqueceu para seguir nesta nova oportunidade em minha carreira. Nesses quatro meses, cada dia era um desafio diferente”, disse o técnico, referindo-se a essa consideração como algo que esqueceu de dizer em seu pronunciamento de despedida, que aconteceu no CT da Barra Funda no início da tarde desta quarta-feira.

Osorio ainda elegeu aquele que acredita ser o principal legado que deixa no Tricolor: a melhora no futebol de Pato e Ganso, a remontagem do meio-campo são-paulino após a perda de peças importantes e a promoção de jovens da base como o zagueiro Lyanco e o lateral esquerdo Matheus Reis.

“Depois dos desfalques que tivemos, das saídas de alguns jogadores, o mais difícil para mim como estrategista era encontrar substitutos para Denílson e Souza. Creio que Thiago (Mendes) e Breno é uma boa combinação. Mas também acho que, com mais jogos, Thiago e Hudson também serão uma boa dupla. Outros casos, acho que foram encontrar uma posição nova para Alexandre (Pato, que passou a atuar pelo lado esquerdo do ataque), para Carlinhos, liberar mais Paulo Henrique (Ganso) e jogar mais ofensivamente. Acho que esse é o maior legado que deixamos para o time”, despediu-se o colombiano.

Deixe seu comentário