Santos inclui colaboradores em benefício do governo; entenda

Lucas Musetti Perazolli - Santos,SP

08-06-2020 18:00:04

O Santos incluiu jogadores, membros da comissão técnica e todos os demais colaboradores com redução salarial em um benefício emergencial do Governo Federal.

O "Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda – BEm" foi criado para ajudar trabalhadores que formalizaram acordo com seus empregadores durante o período da pandemia do novo coronavírus, com suspensão do contrato de trabalho ou redução proporcional de jornada e salário.

No caso do Peixe, há o agravante do acordo com o elenco ainda não ter sido finalizado - houve avanço nos últimos dias, ainda sem conclusão. O Governo é claro sobre o BEm necessitar da anuência dos funcionários. O Alvinegro pagou 30% dos vencimentos de abril e maio aos atletas e negocia formas de reembolso a partir do segundo semestre.

Na visão do Santos, a prioridade é oferecer tratamento igualitário, independentemente da necessidade financeira. Há confiança de um acerto com os jogadores profissionais em breve.

A Gazeta Esportiva teve acesso a um e-mail do setor de Recursos Humanos aos colaboradores. O texto foi replicado em grupos de Whatsapp dos atletas e da comissão.

"Por motivos técnicos não foi possível informar os números de conta corrente dos nossos colaboradores no programa emergencial BEM.

Para que não houvesse atraso no envio de informações, este RH optou por enviar o arquivo sem os números das referidas contas correntes, desta forma quem não tem conta no Banco do Brasil, o pagamento emergencial para quem teve redução salarial igual ou acima de 25% foi enviada para uma conta digital da Caixa Econômica Federal", diz o e-mail.

De acordo com a apuração da reportagem, os jogadores foram novamente surpreendidos e procuram entender melhor o auxílio sem o acordo firmado. Alguns até acharam que se tratava do auxílio emergencial, pago aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados.

O Santos entende que a quantia pode ser irrisória para parte do elenco, mas argumenta que era necessário incluir todos. Com dificuldades financeiras, Peixe não demitiu ninguém e paga 100% do salário para quem recebe abaixo do teto previdenciário, de R$ 6,1 mil.

O valor do BEm, ativado pelo Peixe, é calculado pelo Ministério da Economia com base nas informações salariais do trabalhador dos últimos três meses e corresponde a um percentual do Seguro-Desemprego a que o funcionário teria direito caso fosse demitido, variando entre R$ 261,25 até R$ 1.813,03, conforme o tipo de acordo e o percentual de redução negociado com o empregador. O colaborador intermitente recebe três parcelas no valor fixo de R$ 600,00.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Santos?