Entenda por que o Santos demitiu dirigentes antes da final da Libertadores

Lucas Musetti Perazolli - Santos,SP

20-01-2021 06:00:09

O Santos antecipou seu planejamento e demitiu o superintendente de esportes Felipe Ximenes e o coordenador de futebol Marcio Santos na última terça-feira.

A previsão do Peixe era desligar os profissionais após a final da Libertadores da América contra o Palmeiras no dia 30, no Maracanã. Mas a diretoria decidiu agir antes.

A ação foi planejada em reunião do Comitê de Gestão na última segunda-feira. E tem a ver com diversos fatores, mas principalmente o clima com elenco e comissão técnica.

A ideia de esperar a Libertadores - e possivelmente o Mundial -, existia pelo receio de criar qualquer turbulência no dia a dia do CT Rei Pelé. E a saída da dupla ocorre justamente para manter o bom ambiente.

Ximenes não nutria boa relação com líderes do elenco e a situação piorou após a promessa de pagar os salários de dezembro na última quinta-feira. Ele deu entrevista anunciando o pagamento e nada foi pago. A atual gestão prioriza a transparência com os atletas. Prometer, não cumprir e capitalizar um erro com a divulgação do seu curso é o contrário do esperado.

No caso de Marcio Santos, o problema vai além. Como publicado pela Gazeta Esportiva, os novos dirigentes não entenderam a chegada do tetracampeão e muito menos suas funções. Não lidava com o mercado e nem com a diretoria, pouco conversava com Cuca e os jogadores e era um figurante nos treinamentos.

Como Felipe Ximenes sairia, o Alvinegro também antecipou a dispensa de Marcio Santos. Ambos tinham contrato até fevereiro e foram trazidos pelo ex-presidente Orlando Rollo entre setembro e outubro de 2020.

Com as saídas de Ximenes e Marcio, o gerente Jorge Andrade passa a ser a referência no departamento de futebol profissional. Ele tem ótima relação com o técnico Cuca.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Santos?