Gazeta Esportiva

Empresário pede desligamento e é o quarto na gestão Rueda a deixar Comitê de Gestão do Santos

São Paulo, SP

06/04/22 | 17:08

O Comitê de Gestão do Santos, órgão colegiado responsável pela administração e gestão executiva do clube, teve nesta quarta-feira mais uma baixa - a quarta na gestão do presidente Andres Rueda, que começou em dezembro de 2020. O empresário Walter Schalka pediu desligamento do cargo, alegando "razões profissionais". Mas manifestou o seu apoio ao atual mandatário.

Antes de Schalka, o Comitê de Gestão do Santos já havia perdido José Renato Quaresma, José Berenguer e Ricardo Campanário. Depois que esse último renunciou, Rueda indicou Renato Hagopian, que foi aprovado pelo Conselho Deliberativo recentemente.

Com o pedido de desligamento de Schalka, que era o principal articulador das negociações do clube, e da saída de Berenguer, o Peixe agora vai em busca de outros dois membros para o Comitê de Gestão. Atualmente, os gestores que estão no clube são, além de Rueda e Hagopian, José Carlos de Oliveira, Dagoberto Oliva, Rafael Leal, Thomaz Lopes Côrte Real e Vitor Loureiro Sion.


A saída de Schalka deixa o presidente do Santos sem um dos seus principais aliados na gestão do clube. Empresário do ramo de celulose de eucalipto, ele era o homem de confiança do mandatário na questão das finanças e renegociações das dívidas do clube. Sua habilidade no mercado também propiciou participação na vinda de reforços e renovações.

"Não falo como representante do Conselho de Gestão, falo na minha pessoa. Inicio pedindo desculpas a todos os torcedores do Santos. Todos estamos entristecidos pelo desempenho desportivo desde o ano passado. Todos nós torcedores somos ambiciosos e queremos jogos melhores do nosso time, não o sofrimento que temos tido. A insatisfação de vocês é a minha. Assumo parte da responsabilidade. Queria deixar claro a vocês, além das desculpas, que queria o sentimento de união", disse Schalka em uma reunião do Conselho Deliberativo do Santos, em 21 de março.

"Santos tem problemas conjunturais sérios e poucos sabem. Pegamos dívida de mais de R$ 400 milhões e segue elevada mesmo pagando R$ 130 milhões. Falam dos boletos pagos com ironia. Se não pagarmos, não continuamos de pé. Parabenizo o trabalho diário do presidente Andres Rueda. União é fundamental para revertermos essa situação. Todos somos responsáveis: os presidentes anteriores e também a atual gestão. A diretoria de futebol e os técnicos também são responsáveis", completou o empresário.

Deixe seu comentário