Conselho do Palmeiras aprova redução de conselheiros vitalícios

Guilherme Goya - São Paulo,SP

08/08/22 | 22:19

Em votação realizada nesta segunda-feira, o Conselho Deliberativo do Palmeiras aprovou a redução do número de conselheiros vitalícios.

No total, 215 conselheiros compareceram à votação. 199 votaram pela redução, enquanto apenas dez se posicionaram como contrários. Houve ainda seis abstenções.

A proposta aprovada foi elaborada em conjunto por Leila Pereira (presidente), Seraphim Del Grande (presidente do Conselho Deliberativo) e Tommaso Mancini (presidente do Conselho de Orientação e Fiscalização). Ela reduz o número de conselheiros vitalícios de maneira gradativa. Imediatamente, serão reduzidos de 148 para 130. Depois disso, em dois anos, deve ocorrer uma redução definitiva para 120.

Além disso, a proposta aprovada também determina um aumento no número de conselheiros eleitos pelo associados de 152 para 180.

Atualmente, de um total de 300 conselheiros, 148 vagas são para vitalícios (sendo 124 delas ocupadas), o que representa quase metade do quadro.


A aprovação da redução no número de conselheiros vitalícios é vista como uma vitória entre a oposição, que havia apresentado ainda outras duas propostas. Contudo, na reunião desta segunda-feira, ambas foram retiradas para que se formasse unidade em torno de uma única proposta que pudesse ser aprovada.

Em contato com a Gazeta Esportiva, o conselheiro Luiz Fernando Moncau, do movimento Ocupa Palestra, confirmou o sentimento de vitória. Apesar de ponderar a "timidez" da proposta, ele destacou o trabalho para que a aprovação da redução acontecesse.

"O fato de isso ter sido votado hoje é, em parte, porque estamos pautando essa discussão faz muito tempo. No começo houve resistência, mas hoje conseguimos dar um passo porque esse assunto já estava amadurecido", disse Moncau.

A decisão do Conselho é levada agora pela Assembleia Geral de Sócios, que será realizada no dia 1º de outubro. Para ser aprovada, ela precisa receber 50% mais um dos votos dos associados. A tendência é que a decisão seja ratificada.

Deixe seu comentário