Análise: Vitória do Palmeiras tem teste de Abel e elo frágil exposto novamente

Redação - São Paulo,SP

12-05-2022 05:00:45

Por Pedro Nascimento

No primeiro jogo, Abel Ferreira disse que o Palmeiras fez apenas sua obrigação ao derrotar a Juazeirense por 2 a 1, na Arena Barueri. Observando o desempenho do Verdão na segunda partida, disputada em Londrina, é impossível não repetir o comentário feito pelo técnico português. Apesar da atuação decepcionante, alguns detalhes dentro de campo valem ser discutidos.

O time entrou com uma alteração de posicionamento em relação ao que vinha apresentando. Dudu fora fixado pela direita por Abel desde o início do ano, mas nesta quarta atuou pela esquerda. Enquanto isso, Gustavo Scarpa foi deslocado para a direita, faixa do campo em que não está habituado a jogar em 2022.

As mudanças podem parecer meros detalhes, mas acarretam uma transformação importante na dinâmica ofensiva da equipe. O Verdão tem menos profundidade, já que os jogadores de beirada passam a levar com menor frequência a bola para a linha de fundo. No entanto, o time ganha mais volume de jogo pela faixa central do campo, com Dudu e Scarpa interagindo constantemente com os meias e podendo finalizar de fora da área.

Apesar das intenções bem definidas, o Palmeiras teve dificuldade para furar o bloqueio defensivo da Juazeirense. Pelo fato de os pontas atuarem com os "pés trocados" e os laterais Marcos Rocha e Jorge não terem a característica de avançar pela beirada, a equipe não conseguiu levar vantagem pelos lados e viu o jogo por dentro ficar travado.


Para compensar esse aspecto, Gustavo Gómez teve liberdade para ser um elemento surpresa, aparecendo à frente em alguns momentos. O artifício surtiu efeito em uma ocasião, quando o zagueiro cruzou para Rony desperdiçar chance clara.

O Palmeiras abriu o placar com o jogador que mais merecia marcar. Danilo, enfim, foi reconhecido por Tite e convocado pela Seleção Brasileira. O volante é tão importante para o funcionamento do Verdão que seus tentos acabam sendo meros detalhes. É o responsável por coordenar a circulação da bola do Palestra, o verdadeiro eixo do time. A presença na amarelinha é apenas mais um passo em sua trajetória, que será brilhante. Ou melhor, já é.

No início do segundo tempo, a Juazeirense empatou ao explorar o elo frágil do sistema defensivo do Palmeiras: Jorge. Um dos pontos mais fortes do time alviverde é a pressão para recuperar a bola após a perda, e o lateral tem dificuldade nesse aspecto. Já havia sido dessa forma contra o Fluminense, no último final de semana, quando Jorge também não conteve o avanço do rival pelo seu lado.

É bem verdade que a atuação do Palmeiras foi bastante decepcionante, com o time encontrando diversas dificuldades para enfrentar uma equipe da Série D do Brasileiro. No entanto, em meio ao calendário apertado e com pouco descanso, o Verdão pode se dar por satisfeito pela classificação protocolar.

Deixe seu comentário