Após conversa com presidente, Ricci volta a apitar jogos do Cruzeiro

Do correspondente Marcellus Madureira - Belo Horizonte,MG

24-08-2016 09:30:25

No site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na escala dos árbitros para o fim de semana, um nome em específico chamou a atenção. Sandro Meira Ricci foi escalado para apitar Cruzeiro e Santa Cruz, no Mineirão, às 11h (de Brasília), em partida válida pelo Campeonato Brasileiro.

Sandro não encontrava a camisa azul estrelada há quase seis anos. O motivo é simples: Ricci foi figura central do polêmico lance que tirou o título brasileiro da galeria do Cruzeiro, em 2010.

No jogo contra o Corinthians, no Pacaembu, em São Paulo, Ronaldo Fenômeno subiu para disputar a bola com Gil, na época zagueiro do Cruzeiro, e caiu na área. O árbitro apontou para o centro da área e marcou o pênalti. Para finalizar a noite de Ricci, os cruzeirenses pediram pênalti em três lances não marcados pelo juiz: dois em Thiago Ribeiro e um em Wellington Paulista.

Com todos estes problemas, o Cruzeiro pediu imediatamente que o árbitro fosse excluído dos sorteios dos jogos do clube, solicitação aceita até determinado momento.

No dia 20 de abril deste ano, em Juiz de Fora, na final da Primeira Liga, Sandro encontrou o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, que também é comandante principal do novo torneio, e o chamou para uma conversa informal. O assunto principal: voltar a apitar jogos celestes. O pedido foi atendido e o árbitro voltou a aparecer nos sorteios. Vale destacar, porém, que nenhum clube tem o poder de vetar o trabalho dos juízes em suas partidas, mas pode solicitar que ele não entre no sorteio.

A decisão não agradou o torcedor do Cruzeiro, que rapidamente reagiu contra a conduta do presidente celeste. Pelas redes sociais os cruzeirenses criticaram bastante a atitude, lembrando o lance que tirou o título da galera azul – na época, o Fluminense comemorou a taça com 71 pontos enquanto a Raposa ficou em segundo lugar, com 69.

Deixe seu comentário