Técnico campeão olímpico elogia Luan e explica oscilação do meia no Corinthians

São Paulo, SP

20-04-2020 13:37:03

Em 2016, Rogério Micale comandou Luan na conquista do ouro olímpico inédito pelo Brasil. De lá para cá, o meio-campista teve seu melhor momento durante a campanha vitoriosa do Grêmio na Libertadores de 2017, mas também passou por períodos difíceis no Tricolor Gaúcho.

Hoje no Corinthians, o camisa 7 segue mostrando altos e baixos. Após um começo animador, Luan teve performances apagadas e aquém da expectativa. Para Micale, a cobrança que foi colocada sobre o jogador é desumana.

"Luan criou uma expectativa nas pessoas de sempre estar bem, mas não é uma máquina. É ser humano. Se fosse máquina, você programaria para trabalhar no mesmo nível 24h nos 365 dias do ano e iria funcionar. Luan é um ser humano, sujeito a lesões e problemas particulares", contou o técnico em entrevista ao UOL.

O treinador também explicou como enxerga Luan dentro de campo - um estilo avesso ao do "jogador europeu", mais solto e que precisa de mais liberdade para trabalhar.

"Luan é um jogador que o europeu não gosta muito; ele joga solto. É um bom 'peladeiro', na melhor definição da palavra. Ele é um cara que sempre cria superioridade numérica em todos os setores do campo; os europeus gostam mais de um jogo posicional, sem tanta liberdade. Luan gosta de estar perto da bola. Na hora que pegar um grupo e encaixar, é um grande jogador", analisou.

Micale comandou o time brasileiro que faturou o ouro nas Olimpíadas do Rio-2016 (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

"Luan tem um potencial enorme e uma hora vai voltar a jogar, tomara que seja o mais rápido possível. É muita qualidade", completou Micale.

O meio-campista foi contratado pelo Timão no fim de 2019, em transação que rendeu cinco milhões de euros, cerca de R$ 22,8 milhões à época, aos cofres do Grêmio. Luan assumiu a titularidade desde que chegou ao Timão, com três gols em 12 jogos.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Corinthians?