Gazeta Esportiva

Análise: Virada à lá Corinthians dá ânimo para clássico, mas não apaga erros defensivos

Redação - São Paulo,SP

25/01/23 | 07:00 - 25/01/23 | 08:29

Por Marina Bufon

A vitória do Corinthians, de virada, em cima do Guarani, na noite da última terça-feira, na Neo Química Arena, pode ser dividida em dois momentos claros: acertos no ataque, com toques de criatividade, e erros na defesa, com toques de amadorismo.

Vamos falar do que veio primeiro.

O relógio não contava nem um minuto completo quando o Bugre abriu o placar. Pior do que a desatenção, foi a pane total no lado esquerdo, que caminhou até a área e culminou com o gol de Bruninho.

Balbuena vem, desde o ano passado, cometendo falhas técnicas não habituais. Foi dele o bote errado que originou a jogada, com a área livre de marcação.

Porém, para além disso, coletivamente a defesa (não o setor por si só, mas a ideia de defender-se) ainda precisa evoluir muito, com maior organização sem a bola, para não contar com a sorte ou, então, com Cássio.

No jogo da última noite, o camisa 12 realizou cinco defesas, a maior parte delas mais tranquila, mas é uma média alta, que indica problemas em seus companheiros mais próximos, os quais demonstraram desalinho na hora de marcar o adversário, muitas vezes deixando o jogador com espaço para finalizar e/ou levar perigo.


Já no outro momento de jogo, temos um ataque, que, após recuperar-se do susto do gol, conseguiu construir jogadas e, com a qualidade de seus jogadores - Fagner, Renato Augusto, Róger Guedes e Yuri Alberto, principalmente -, levar muito perigo, até os gols, marcados por Guedes e Fábio Santos. A entrada de Giuliano, no intervalo, também caiu como uma luva (como é diferente quando o camisa 20 sai do banco de reservas...).

Segundo o técnico Fernando Lázaro, esse equilíbrio entre defesa e ataque é o verdadeiro objetivo do time, pensando coletivamente.

"É um ajuste, uma ideia que vem sendo inserida e traz, por um lado, alguns aspectos na parte ofensiva que impactam nas transições e momentos da perda de bola para a gente estar entendendo bem os espaços, as coberturas, e a gente está buscando esse equilíbrio. Sabemos que temos que evoluir, mas é uma sintonia que vem com o tempo", falou ele na entrevista coletiva.

Apesar de ser o início o Estadual, ainda com uma ideia de jogo sendo introduzida (mesmo com a familiaridade do elenco com Lázaro), é obrigatório estar muito atento à defesa. O Corinthians, aliás, fez escola com isso e alcançou grandes conquistas recentes com base nisso.

É preciso tempo para a sintonia, é claro, mas também é preciso pressa para ajustes de ideias, posicionamentos e intenções. No próximo final de semana, o Corinthians tem o primeiro clássico do ano, contra o São Paulo, fora de casa, um cenário perfeito para dar as primeiras respostas relacionadas ao principal problema apresentado no jogo da última terça-feira (e vencer o adversário no Morumbi...)

Sem colocar pressão (mas já colocando, pois esta é a realidade), o cenário perfeito pode, também, se tornar caótico, caso os obstáculos do jogo se repitam, afinal, "é clássico" e, em partidas deste calibre, não há espaço para esse tipo de erro.

Deixe seu comentário