Análise: Corinthians mostra falta de repertório ofensivo contra Racing-URU - Gazeta Esportiva
Análise: Corinthians mostra falta de repertório ofensivo contra Racing-URU

Análise: Corinthians mostra falta de repertório ofensivo contra Racing-URU

Gazeta Esportiva

Por Redação

03/04/2024 às 06:00

São Paulo, SP

Por Iúri Medeiros

A atuação do Corinthians no empate por 1 a 1 com o Racing-URU no Estádio Centenário, pela 1ª rodada da Copa Sul-Americana, é para se esquecer. O Timão não conseguiu os três pontos em um cenário totalmente favorável, contra uma equipe muito inferior e diante de um ambiente de pouca hostilidade.

O grande ponto de alerta para a sequência dos jogos do Corinthians foi a falta de repertório ofensivo da equipe comandada por António Oliveira. O Timão se mostrou lento, espaçado, e sem alternativas contra uma defesa bem posicionada.

A equipe brasileira teve 62% de posse de bola, mas em nenhum momento transformou isso em superioridade. Grande parte dos passes foram trocados no campo de defesa, entre os zagueiros, com pouca progressão. Quem mais arriscava era Rodrigo Garro, que por natureza busca muitos passes verticais. Na individualidade, Wesley ajudou o Timão a ganhar metros pelo lado esquerdo, mas foi pouco.

A dinâmica com Yuri Alberto pela direita, e Pedro Raul centralizado, não funcionou. O jogador de 23 anos ficou espetado pelo lado do campo e pouco produziu longe de seu habitat natural: a área. Além disso, com esse sistema, Fagner pouco apoiou no setor já que o corredor ficou ocupado.




O Timão esboçou uma melhora no segundo tempo, mas mesmo assim foi muito pouco. Difícil entender a escolha de António por utilizar Matheus Bidu na mesma função de Hugo, como lateral construtor, tirando o que o jogador ex-Cruzeiro tem de melhor: o apoio.

Também foi difícil entender a manutenção de Yuri aberto na direita, mesmo com a entrada de Romero. Realmente, o paraguaio vem atuando bem como atacante centralizado, mas o "básico" parecia o mais recomendado para o que o jogo apresentava.

Não é terra arrasada. Restam cinco jogos na fase de grupos da Sul-Americana e o elenco, apesar de ter algumas carências, oferece alternativas para António. Mas não dá para normalizar o resultado, e principalmente o desempenho da equipe diante do limitado Racing-URU, que faz campanha modesta na liga local e não oferece ameaças individuais.

Até pelo período que ficou sem jogos oficiais, o Corinthians precisa dar uma resposta para seu torcedor. A ver o que o time nos reserva para o duelo diante do Nacional-PAR, no dia  9.

Conteúdo Patrocinado