Alessandro minimiza problemas do Corinthians e foca em buscar títulos

Tiago Salazar - São Paulo,SP

05-01-2021 15:37:45

Campeão como atleta e dirigente, Alessandro está de volta ao Corinthians para desempenhar uma função que ele conhece bem, a de gerente de futebol.

Nesta terça-feira, ao lado do diretor Roberto de Andrade, o ex-lateral direito avisou que o foco da gestão será conquistar títulos, independente do momento financeiro complicado.

"Se hoje (o momento) é de instabilidade, iremos progredir, evoluir, e em conjunto, buscar títulos. Fico feliz pelas lembranças de títulos, não vejo nenhum mais importante, ganhar a Série B é tão especial quanto ganhar o Mundo. Temos hoje profissionais que sabem o que é isso. É em busca disso que iremos".

Neste ano, por causa da pandemia do coronavírus, o Campeonato Paulista começará quatro dias após o término do Campeonato Brasileiro. O Corinthians tem 13 jogadores emprestados e precisa solucionar tudo rapidamente. Apesar de admitir os desafios, Alessandro se mostrou tranquilo e confiante.

"A gente precisa se readaptar a toda essa mudança, esse ano atípico. Quem diria que num intervalo de quatro dias fosse terminar o Brasileiro e começar o Estadual. Precisamos organizar, planejar direito isso, todos são atletas importantes, respeitando uma ordem técnica, faremos uma reunião com o treinador, para avaliar cada atleta e buscar mercado com aqueles que não ficarão com a gente. Vamos fazer isso com calma, segurança, respeitando uma ordem bem técnica das coisas".


Leia a entrevista de Alessandro, na íntegra:

Planejamento
"Estou muito feliz em retornar, quero agradecer ao Duílio, pelo convite, responsabilidade, oportunidade, ao Roberto de Andrade, pela nova parceria, juntos novamente, espero fazer um grande trabalho, muito direcionado a planejamento, a futuro. Avaliando nosso elenco e dando sempre sequência a esses últimos resultados. Vivemos um ano atípico. Não podemos prever nada neste momento para o Brasileiro. A gente entende que nosso grupo tem cada vez mais correspondido numa direção positiva, confiamos em cada profissional, está existindo entendimento do elenco ao método do nosso técnico".

Análise do grupo
"Chegamos ontem, tivemos um primeiro contato com o grupo, comissão técnica, tive a melhor das impressões, todo mundo trabalhando, e muito, a gente preza por isso, ambiente leve, para que todos os atletas possam corresponder. Montamos um planejamento diário. Qualquer avaliação um pouco mais à frente fica precoce, tanto minha, que são dois anos fora do departamento, não é ficar em cima do muro, mas avaliar à distância seria até injustiça minha. Acredito nos profissionais que aqui tiveram. A gente tem visto uma mudança expressiva com o Mancini e a gente acredita que vai continuar evoluindo nesse final do Brasileiro. A primeira impressão foi a melhor possível de todos eles".

Por que não aceitou convites
"Eu tive, entre sondagens, dois convites oficiais. Muito rapidamente posso dizer que não tive nenhuma dificuldade em não aceitar, todos voltados em decisões técnicas, que para mim não condizia com o que eu poderia acrescentar. Não que era algo que não poderia ser importante, só não me via sendo peça fundamental naqueles projetos. Tirei o ano de 2019 para fazer o curso de gestão e governança, presencial, e infelizmente, em 2020 foi um ano de tranquilidade, cursos online, em casa, por toda a dificuldade do ano, mais sereno, familiar, mas que não me fez ficar afastado completamente para o futebol".

Objetivo na carreira
"Eu almejo, não só eu, por todos aqui, o que a gente deseja é ir em busca de títulos, que é o que o torcedor mais gosta que aconteça. Independente do momento, se hoje é de instabilidade, iremos progredir, evoluir, e em conjunto, buscar títulos. Fico feliz pelas lembranças de títulos, não vejo nenhum mais importante, ganhar a Série B é tão especial quanto ganhar o Mundo. Temos hoje profissionais que sabem o que é isso. É em busca disso que iremos".

Dá para repetir feitos
"Quando a gente encontra esse tipo de clima, de energia, é um excelente sinal para buscar resultados. Prever, num futuro tão distante assim, não dá para mensurar. Mas, nosso esforço por títulos vai ser muito grande nesse sentido. Me posiciono pensando no Corinthians. Aqui dentro a cultura tem de ser essa, de vitórias, de títulos. Penso que tem de ser uma década de títulos. Acreditamos e vamos trabalhar".

Papel nessa evolução
"Quando eu aceitei o convite, foi muito pensando naquilo que eu conseguiria agregar em cada profissional aqui dentro. Temos um papel importante, não somente em fazer esse elo, todas as áreas se comunicam, então, acredito, sim, em ter uma responsabilidade muito grande, mas acredito mais ainda nas pessoas que aqui estão. Uma figura num departamento como o nosso seria um grande erro acreditar que faria a diferença".

Encontro com Fábio Santos
"O reencontro foi tomado de muita alegria, tenho muito apreço pelo Fábio Santos, como por quase todos daquele grupo de 2012. Era bem claro que esse reencontro ia ser com muita alegria, ainda mais vendo ele corresponder em campo, e com a segurança dele com os mais jovens fora de campo. Isso foi fundamental. Desejamos que isso se perpetue por muitos anos, o Fábio é uma referência. É um perfil bastante difícil de encontrar no mercado, um atleta que corresponde dentro e fora de campo. Espero que o Fábio nos ajude, e muito, a continuar nesse momento positivo".

13 jogadores emprestados
"A gente precisa se readaptar a toda essa mudança, esse ano atípico. Quem diria que num intervalo de quatro dias fosse terminar o Brasileiro e começar o Estadual. Precisamos organizar, planejar direito isso, todos são atletas importantes, respeitando uma ordem técnica, faremos uma reunião com o treinador, para avaliar cada atleta e buscar mercado com aqueles que não ficarão com a gente. Vamos fazer isso com calma, segurança, respeitando uma ordem bem técnica das coisas".

Integração com a base
"Eu que fui um ex-atleta, passei por todas as categorias, sei exatamente a importância de cada uma delas, da menor até a última. O futebol é um só. Não vamos discriminar as categorias. Vamos trabalhar aquele atleta, percorrer todo esse trajeto, esteja aqui no profissional. Integração tem de existir, e hoje a gente se vê feliz por ter um CT de base ao nosso lado, numa parte estrutural avançada, que vai trazer uma integração mais fácil, encontros, vai facilitar muito. Vou trabalhar muito nesse sentido, junto com o gestor da base, para a gente traçar planos e projetos para cada atleta. Único problema que vejo no Sub-23 agora é essa falta de calendário no primeiro semestre. Acho essa categoria muito importante, temos hoje três atleta do Sub-23 no profissional, foi só o primeiro ano. O torcedor pode acreditar para que as coisas sejam claras, transparente".

Bagagem
"Fiquei feliz em olhar para aqueles troféus, que tive o prazer de erguer um dia, mas não consigo individualizar um conquista. Se a gente chegou é porque tínhamos um grupo muito bom, equipe técnica, diretoria em sintonia, não somente a minha presença vai ser essencial para as coisas acontecerem. Prezo muito por isso".

Mudança de filosofia
"Se tivesse dado certo com o Tiago, talvez tinha sido uma revolução no Corinthians. Mas, quem não gostaria jogar um futebol ofensivo, moderno. Não necessariamente, se não acontecer, tem de ser a maior decepção da nossa vida. Não deu certo, mas que desejamos evolução, qual equipe não gostaria. Vocês, daqui a pouco, vão ver essas pessoas ganhando em outros lugares. A gente sempre deseja, sempre acredita. Nosso time vem vencendo, sempre vamos querer mais. Vamos, aqui, hoje, na nossa posição, dar total estrutura para eles renderem o que eles desejam e, principalmente, nosso torcedor"

Histórico
Alessandro Nunes foi gerente de futebol do Corinthians de 2016 até o fim de 2018.

Como dirigente, ele esteve nas conquistas do Brasileirão de 2015 e 2017 e Paulistão de 2017 e 2018.

Como atleta, Alessandro tem oito títulos pelo Corinthians: dois Campeonatos Brasileiros, uma Copa do Brasil, dois Paulistas, Libertadores, Mundial e Recopa Sul-Americana.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Corinthians?