Seleção Brasileira feminina

Marco Aurélio Cunha comemora tratamento igual às Seleções pela CBF

São Paulo , SP
17/05/2019 12:00:57 — 03/06/2019 16:32:57

Em: Brasil, Futebol, Futebol Feminino

Na manhã desta terça-feira, o técnico Vadão anunciou as 23 jogadoras que irão compor a delegação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo feminina, que acontece entre os dias 7 de junho e 7 de julho na França. E a novidade ficou por conta da realização de um evento para anúncio da lista e posterior entrevista coletiva, algo inédito na história da equipe feminina.

Coordenador de Futebol feminino da CBF, Marco Aurélio Cunha enalteceu o feito e comemorou a mudança na gestão da Confederação, que passou a dar o mesmo tratamento à ambas as Seleções. Ainda assim, o dirigente ponderou se tratarem de unidades de negócios diferentes.

Marcou Aurélio Cunha elogiou o tratamento dado à Seleção Feminina (Foto: Rener Pinheiro / MoWA Press)

“O momento é importante, pois vocês estão aqui. O esforço da CBF, com novos campeonatos, times de camisa jogando, faz com que essa sala esteja cheia, e possamos oferecer o que os homens têm. São unidades de negócio diferentes, mas o tratamento deve ser igual”, disse Marco Aurélio.

“Tudo o que os homens têm, as mulheres têm na Seleção Brasileira. Isso me deixa orgulhoso, e é uma conquista de todos nós. Estamos no patamar de outras seleções, guardada a diferença de investimento na área de estudos”, comentou o dirigente.

Membro do Grupo C, a Seleção Brasileira terá pela frente, na primeira fase, Austrália, Itália e Jamaica, adversária da estreia dia 9 de junho, às 10h30 (de Brasília), em Grenoble, na França. Vadão, inclusive, dissecou as rivais da fase de grupos e alertou para o bom momento das jamaicanas e das italianas, que evoluíram no aspecto técnico e tático nos últimos anos.

O momento atual da equipe, porém, não é dos melhores. A última vitória aconteceu no dia 29 de julho de 2018, diante do Japão, por 2 a 1. Desde então, são nove derrotas consecutivas Dessa forma, em sua estreia diante das jamaicanas, as meninas carregarão um incômodo retrospecto sem vitórias. A última conquista foi a Copa América de 2018, a sétima da Seleção Brasileira.