Gazeta Esportiva |

Fabiana fica “sem palavras” após derrota e Zé Roberto vê China melhor

Em Mais Esportes, Olimpíadas 2016, Olimpíadas Destaque, Vôlei
Atualizado em 17/08/2016 - 02:26:56 Compartilhe
São Paulo , SP
A capitã Fabiana não escondeu o abatimento após a derrota e eliminação para a China (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
A capitã Fabiana não escondeu o abatimento após a derrota e eliminação para a China (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

Desolação. Foi esse sentimento que restou à Seleção Brasileira feminina de vôlei após a eliminação das Olimpíadas do Rio de Janeiro, na noite desta terça-feira. Com a derrota por 3 sets a 2 para a China, o time nacional viu o sonho do tricampeonato olímpico se esvair de forma precoce, logo nas quartas de final do torneio mais importante da modalidade. A central e capitã Fabiana ficou “sem palavras” com o revés, enquanto o técnico José Roberto Guimarães admitiu a superioridade das asiáticas durante a partida.

“Sinceramente, estou sem palavras. A ficha ainda não caiu. Temos um grupo maravilhoso. Sei o que lutamos por esse momento. Sinceramente, não consigo nem falar sobre o jogo agora. Peço até desculpa”, disse a brasileira ao canal Sportv.

Com apoio da torcida que lotou o Maracanãzinho, o Brasil venceu o primeiro set com facilidade: 25/15. As chinesas, lideradas pela gigante Ting Zhu, de 1,95m, reagiram e viraram o confronto, com 25/23 e 25/22. As donas da casa, então, buscaram o empate na quarta parcial, com 25/22. No tie-break, porém, as asiáticas foram melhores e mais frias para fechar o duelo, com 15/13.

O técnico Zé Roberto admite superioridade chinesa nas quartas de final do Rio 2016 (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
O técnico Zé Roberto admite superioridade chinesa nas quartas de final do Rio 2016 (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

Após a última bola no chão de Zhu, maior pontuadora da partida, com 28 tentos, Zé Roberto teve de consolar o neto sabendo que a China foi superior na maior parte do confronto.

“Infelizmente, é um momento triste. Disse para ele que essa é a vida. Um dia a gente ganha, o outro a gente perde. Disse que a gente tem que saber perder. A China foi melhor. Um dia a gente vai vencer. Tem que levantar a cabeça e saber que a China foi melhor. É muito triste. Muito trabalho, dedicação, mas alguém tem que perder”, disse o treinador, campeão com as brasileiras em Pequim 2008 e Londres 2012.

A ponteira Jaqueline também sentiu a dor da derrota nos Jogos em seu País (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
A ponteira Jaqueline também sentiu a dor da derrota nos Jogos em seu País (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

Chorando, a levantadora Dani Lins, que não repetiu as boas atuações da fase de grupos, mal conseguiu explicar o revés diante das asiáticas e preferiu se desculpar com os torcedores. Até a partida desta terça-feira, o Brasil não havia perdido um set sequer nos Jogos.

“Não tenho nem o que falar. Só tenho que pedir desculpa. A torcida não merecia isso. A gente não merecia isso. Estava tudo muito bom… cara, não tem muito o que falar. Sei lá… devo desculpas. Não é fácil. Foram quatro anos de muito trabalho. A gente merecia muito uma semifinal, uma final”, lamentou a atleta, campeã olímpica há quatro anos.

Comente