Gazeta Esportiva

Para RBR, "modo festa" deu vantagem a Hamilton e deveria ser proibido

São Paulo, SP

31/03/18 | 11:51

A Red Bull defende que carros devem ter mesma configuração (Foto: Paul Crock/AFP)

Depois de quebrar o recorde do circuito de Albert Park, em Melbourne, na Austrália, ao cruzar a linha de chegada em 1min21s164, no terceiro treino, o britânico Lewis Hamilton chamou a atenção para possível “modo festa”, no motor da Mercedes - trata-se de uma configuração em que é usada mais potência do que na corrida. Embora o piloto e a escuderia tenham negado o uso do recurso no último final de semana, a Red Bull Racing segue inflexível e defendendo que todos pilotos se classifiquem e corram com as mesmas configurações de motor.

"Eles ficaram nervosos porque [Valtteri] Bottas bateu e, de repente, eles colocaram força total", declarou Helmut Marko, consultor da RBR, ao site Motorsport.com. "Eles normalmente não precisam disso, então usaram tudo isso e é óbvio que eles estão jogando com todos nós”.

Para o consultor, a RBR sempre foi vista como equipe 'reclamona'. Desta vez, entretanto, o bom desempenho de Hamilton abriu os olhos das demais escuderias. "Existem tantas coisas relativamente fáceis para resolver essa questão e tornar a disputa mais igualitária. Poderia-se dizer que se deve correr com o modo que se usa na classificação. Isso seria uma solução”, defendeu Marko.

Christian Horner, chefe da equipe, concorda que poderia haver um padrão para o final de semana. “A maneira como você guia na classificação deve ser seu modo de motor para a corrida. Cabe à FIA descobrir o que quer fazer”, finalizou.

Deixe seu comentário