Gazeta Esportiva

R. Oliveira vê Peixe capaz de lutar de igual para igual com qualquer equipe

Tiago Salazar - Santos,SP

02/08/15 | 19:44

(Foto: Gilvan de Souza/Divulgação/Flamengo)
Apesar de satisfeito com o empate, artilheiro santista também alertou para o primeiro tempo ruim do Peixe (Foto: Gilvan de Souza//Flamengo)

Neste domingo, contra o Flamengo, o Santos mais uma vez não conseguiu conquistar os três pontos atuando como visitante. No entanto, na visão de Ricardo Oliveira, capitão santista, o desempenho do time no segundo tempo prova que a equipe têm condições de aspirar coisas maiores no Campeonato Brasileiro ao invés de ficar na briga contra o rebaixamento.

“Conversamos. Não podemos fazer o primeiro tempo que fizemos. Acho que o Alan (Patrick) foi feliz no gol, mas o segundo gol não podemos permitir que aconteça. Ai você pensa: ‘Jogo contra o Goiás, de novo apagão’, analisou primeiramente, antes de completar.

“Mas a gente foi corajoso, voltou com outra postura. Fizemos rápido o gol e aí o time cresceu. Pelo segundo tempo, dá para tomar como parâmetro que podemos jogar de igual para igual com qualquer time. Nos dá confiança, porque um time grande, como é o Santos, não pode ficar tantos jogos sem vencer fora de casa”, disse.

Em nove jogos longe de seus domínios, o Santos conseguiu apenas três empates e foi derrotado seis vezes. Ricardo Oliveira não esconde o incômodo.

“Estamos tentando, estamos tentando. De fato, está sendo difícil”, admitiu. Porém, depois de ver o Flamengo abrir 2 a 0 no primeiro tempo, o centroavante não negou que o empate no Maracanã tem um sabor especial.

“Acho que, dentro as circunstâncias, nós podemos estar satisfeitos. Porque o primeiro tempo é para esquecer. Ou deixar ali ao lado, para não repetir”, explicou, voltando a salientar a péssima atuação nos primeiros 45 minutos.

E, ao ser perguntado por um repórter sobre seu desempenho pessoal, já que neste domingo o camisa 9 chegou a nove gol e se manteve isolado na artilharia do Campeonato Brasileiro, Ricardo Oliveira não usou de falsa modéstia.
“Estou fazendo a minha função. Meu dever é esse, ajudar a equipe com gols. O Campeonato Brasileiro tem grande jogadores de uma qualidade que não da para questionar. Meu trabalho está sendo bem feito. Espero que continue assim”, analisou o experiente jogador de 35 anos.

Deixe seu comentário