Futebol Internacional/Copa do Mundo

França favorita e Noruega querendo medalha; conheça o grupo A do Mundial

São Paulo , SP
30/05/2019 08:00:56 — 30/05/2019 11:22:30

Em: Futebol, Futebol Feminino, Notícias

Falta pouco mais de uma semana para o principal evento mundial de futebol feminino. Em solo francês, a Copa do Mundo irá reunir grandes estrelas da modalidade. Ao longo da semana, de forma diária, a Gazeta Esportiva apresentará detalhadamente todos os grupos e seleções.

A edição de 2019 acontecerá entre os dias 7 de junho e 7 de julho e contará com 24 times divididos em seis grupos, cada um com quatro seleções.

Para aquecer os motores, o Grupo A inicia a série de especiais. A França, país sede, se junta a Noruega, que tenta mais um troféu do Mundial e, Nigéria e Coréia do Sul, dois times que ainda buscam seu lugar ao sol.

Grupo A
França 

(Foto: Franck Fife/AFP)

Jogando em casa, a França tem como grande objetivo conquistar o título da Copa do Mundo. Participando da competição desde 2003, as francesas tem um quarto lugar como melhor campanha, em 2011, e vem de uma campanha fraca no último Mundial. No Canadá, caíram para a Alemanha ainda nas quartas de final.

A base da seleção é formada por jogadoras do Lyon, que venceu a Liga dos Campeões pela quarta temporada consecutiva no início deste mês. A principal aposta da França é a capitã Amandine Henry, considerada uma das melhores meias defensivas do mundo.

A encarregada para comandar as Bleues será Corinne Diacre. Ex-capitã da seleção francesa e primeira mulher a treinar uma equipe masculina na França, o Clermont Foot, na Ligue 2 por três temporadas, ela assumiu a seleção em setembro de 2017.

Noruega

(Foto: Terje Pedersen/NTB Scanpix/AFP)

Única do grupo com um título da Copa do Mundo, em 1995, a Noruega tem a ambição de sair da competição com uma medalha. Ao lado das francesas, a seleção é a favorita para avançar da fase de grupos.

A principal destaque das norueguesas é Caroline Graham Hansen. A ala de 24 anos, que atualmente joga pelo Barcelona, cresceu jogando no Lyn, clube de país de origem, e ganhou expressão no Wolfsburg, da Alemanha. Suas principais qualidades são a velocidade e o drible.

O treinador Martin Sjogren, desde 2016 no comando da Noruega, assumiu a seleção após conquistar o título nacional com o Linkoping. Para esta edição da Copa do Mundo, a seleção norueguesa tenta quebrar um retrospecto de derrotas, já que acabou na quarta colocação em 1999 e 2007.

Coreia do Sul

(Foto: Jung Yeon-je/AFP)

Apesar de nunca ter conquistado uma Copa do Mundo, a Coreia do Sul já conseguiu resultados alguns resultados expressivos nas categorias de base do futebol feminino, já tendo a Copa do Mundo sub-20 e tendo chegado na semifinal da Copa do Mundo sub-17.

O principal destaque técnico da equipe coreana é a meia Ji So-yun, que atua como se fosse uma espécie de ponta de lança, posicionada atrás do atacante. Depois de construir sua carreira em seu país, a jogadora foi para a Europa em 2014 e, desde então, defende o Chelsea. Além de participar ativamente da armação do time, a atleta é importante nas bolas paradas.

Aos 58 anos, o treinador Yoon Deok-yeo é um ex-jogador que defendeu por muitos anos a equipe masculina da Coreia e que busca trazer um pouco de sua experiência para suas comandadas. Na última edição do torneio, o país foi eliminado nas oitavas de final pela França, na melhor campanha que a seleção já fez em uma Copa do Mundo.

Nigéria

(Foto: Issouf Sanogo/AFP)

A Nigéria ainda não levantou nenhum troféu da Copa do Mundo, porém na África é hegemônica. Das 11 Copa das Nações Africanas, nove foram conquistadas pela seleção nigeriana, que agora tenta repetir a fórmula de sucesso na competição internacional.

A grande jogadora da equipe é Asisat Oshoala, que já despontou com grande potencial nas categorias de base. A atacante foi eleita a melhor jogadora sub-20 do mundo em 2014 e, desde então, teve uma carreira meteórica. A meia teve passagens por Arsenal e Liverpool e, no início de 2019, transferiu-se para o Barcelona, fazendo sete gols em sete partidas pelo clube na Liga dos Campeões deste ano.

O treinador da Nigéria é o sueco Thomas Dennerby, que comanda a equipe desde 2018. Depois de uma participação decepcionante na Copa do Mundo de 2015, sendo eliminada ainda na fase grupos com apenas um ponto somado, as nigerianas chegam com o objetivo de chegar mais longe. A melhor campanha da seleção em todas os mundiais foi em 1999, quando chegou às oitavas e foi eliminada pelo Brasil.