Dirigente, novos rivais e um titular: onde estão os campeões de 2012

Tomás Rosolino - São Paulo,SP

04-07-2017 06:03:23

Cássio é o único atleta que segue como titular da equipe


Entre inscritos, cortados, destaques e coadjuvantes, o Corinthians contou com 28 jogadores disponíveis por ao menos uma partida na campanha do título da Taça Libertadores da América 2012, que completa cinco anos nesta terça-feira. Com apenas dois remanescentes no atual grupo de atletas, sendo apenas Cássio ainda titular, alguns nomes já aposentados, um novo dirigente e outros rivais no dia de hoje, saiba onde está cada atleta que fez parte daquele grupo do Timão, campeão com 8 vitórias e seis empates nos 14 jogos disputados.

Cássio (goleiro - 8J - 4V - 4E)

Goleiro é o único que ainda é titular da equipe (Foto: Djalma Vassao/Gazeta Press)

O goleiro, que praticamente iniciou sua trajetória no clube naquela competição, entrou como trunfo do técnico Tite nas oitavas de final, contra o Emelec-EQU, na casa do adversário. Depois de levar apenas dois gols nos oitos jogos que disputou, ele se firmou como ídolo da torcida. Após breve período na reserva em 2016, retomou a condição de titular na atual temporada e é um dos líderes do time.

Júlio César (goleiro - 6J - 4V - 2E)

Cria das categorias de base, foi titular na campanha do título brasileiro de 2011 e mantido no posto por Tite até falhar nas quartas de final do Paulista, causando a eliminação contra a Ponte Preta. Depois de passar mais dois anos na reserva de Cássio, decidiu sair do time, passou pelo Náutico e hoje é titular e capitão do Santa Cruz, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro.

Danilo Fernandes (goleiro - não jogou)

Outro atleta oriundo das categorias de base, ficou na reserva do clube até 2014, atuando em alguns momentos. Frustrado pela falta de espaço, saiu para o Sport, em 2015, e conseguiu destaque a ponto de colocar Magrão, ícone histórico do clube pernambucano, no banco de reservas. Em alta, foi negociado para o Internacional, em 2016, e hoje disputa a segunda divisão com os gaúchos.

Alessandro (9J - 5V - 4E)

Capitão da equipe, Alessandro hoje é gerente de futebol no clube (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Capitão do time, perdeu os primeiros jogos por contusão e foi voltando aos poucos para a equipe, sendo figura importante principalmente nas semifinais, quando teve a missão de marcar Neymar. Um ano depois de ser campeão mundial contra o Chelsea, declarou aposentadoria e logo foi contratado pelo Timão para fazer um trabalho de ligação entre a base e o profissional. Com a saída de Edu Gaspar para a Seleção Brasileira, no ano passado, "subiu" de função e hoje é gerente de futebol do Corinthians.

Edenílson (7J - 5V - 2E)

Polivalente, o volante/lateral foi a saída usada por Tite para a lateral direita na ausência de Alessandro, dando boa resposta na avaliação do treinador, mas perdeu o mata-mata com uma lesão e foi até substituído na lista de inscritos. Depois de virar titular no segundo semestre de 2013, acabou liberado para atuar no futebol italiano, onde esteve nos últimos três anos. Em 2017, retornou ao futebol brasileiro e, assim como Danilo Fernandes, defende o Internacional.

Weldinho (2J - 2V)

Contratado no início daquele ano, entrou duas vezes na competição, ainda na fase de grupos. Negociado com o Palmeiras no ano seguinte, rodou por alguns clubes do país e hoje defende o Figueirense, na Série B.

Chicão (14J - 8V - 6E)

Ídolo da torcida já na época da disputa do torneio, foi titular em todos os jogos e apontado como um dos destaques da equipe. Coroado pelo título continental e do Mundial de Clubes, foi cedido ao Flamengo em 2013, mas não repetiu o sucesso do Alvinegro. Depois de ir atuar até no futebol indiano, aposentou-se do futebol em 2016 e é torcedor declarado do clube, acompanhando alguns jogos no estádio de Itaquera.

Leandro Castán (14J - 8V - 6E)

Castán foi vendido ao futebol italiano após o título e segue na Europa

Outro titular da zaga, foi tão bem no título que fez seu último jogo pelo Corinthians justamente no segundo jogo da final, contra o Boca Juniors, sendo vendido para a Roma. Na Europa, foi titular e era visto como reforço de gigantes do continente até sofrer um mal-estar em um treinamento e ser diagnosticado com um cavernoma, uma má formação venal no cérebro. Emprestado ao Torino-ITA no último ano, abriu negociações para voltar ao Timão no último mês, mas não chegou a um acordo.

Wallace (3J - 1V - 2E)

Usado apenas como última substituição na semifinal contra o Santos, no Pacaembu, e nos dois jogos das finais, contra o Boca, não chegou a somar 10 minutos em campo. Negociado com o Flamengo em 2013, rodou por clubes como Grêmio, Gaziantepspor-TUR e, recentemente, foi anunciado como novo reforço do Vitória, equipe que o revelou para o futebol profissional.

Paulo André (não jogou)

Machucado, acabou até cortado da lista de inscritos na semifinal para a inscrição de Romarinho. Cedido ao futebol chinês, em 2014, voltou ao Brasil para jogar pelo Cruzeiro e hoje defende o Atlético-PR.

Marquinhos (não jogou)

Marquinhos hoje é titular do PSG e da Seleção Brasileira (Foto: Lucas Figueiredo/MoWA Press)

Inscrito nas oitavas de final na vaga do centroavante Adriano, herdou a camisa 10 e ficou apenas como opção para a dupla Chicão/Castán. Acabou emprestado para a Roma pouco depois do título por ser pouco utilizado pelo treinador e acabou comprado pelos italianos no final do ano. Hoje defende o PSG e é titular da Seleção Brasileira sob o comando do próprio Tite

Fábio Santos (14J - 8V - 6E)

Titular em todas as partidas, marcou até um gol, no jogo de volta das oitavas de final, abrindo caminho para a vitória por 3 a 0 sobre o Emelec-EQU. Nome importante do time até a metade de 2015, foi comprado pelo Cruz Azul-MEX e, um ano depois, voltou ao Brasil para jogar pelo Atlético-MG, clube que defende até hoje.

Ramon (não jogou)

Suplente de Fábio Santos, assistiu a todos jogos do banco de reservas. Negociado para o Flamengo pouco tempo depois do título, passou pelo futebol da Turquia e, na última semana, acertou seu retorno ao Vasco, clube do qual o Timão tirou o lateral, em 2011, a pedido do técnico Tite.

Ralf (14J - 8V - 6E)

Titular do Corinthians desde que foi contratado, em 2010, o meio-campista viveu seu auge no período entre o Brasileiro de 2011 e aquela Libertadores, chegando até à Seleção Brasileira. Na campanha, marcou um dos gols mais importantes na opinião de Tite, empatando o jogo contra o Deportivo Táchira-VEN, na estreia, já nos acréscimos. Campeão brasileiro em 2015, foi vendido ao Beijing Gouan-CHN em meio ao desmanche daquele elenco e está no clube chinês até hoje.

Paulinho (14J - 8V - 6E)

Paulinho é um dos pilares do técnico Tite para a Copa de 2018 (Foto: Pedro Martins/MowaPress)

Segundo pilar da dupla de volantes, Paulinho foi um dos nomes mais importantes da campanha, com três gols marcados, inclusive o decisivo nas quartas de final, contra o Vasco, no Pacaembu. Vendido ao Tottenham-NG por 20 milhões de euros no ano seguinte, passou uma temporada no futebol europeu antes de ir para a China, onde defende o Guangzhou Evergrande. Além disso, hoje é figura carimbada nas convocações de Tite para a Seleção.

Willian Arão (não jogou)

Nome promissor, foi usado apenas para descansar os titulares no Brasileiro. Após ser comprado pelo Botafogo, em 2014, destacou-se e chegou ao Flamengo, onde é titular da equipe.

Alex (12J - 6V - 6E)

Contratado para ser o homem das bolas paradas de Tite, terminou a campanha com um gol e três assistências, sendo vendido ao Spartak-RUS pouco depois do título. Voltou no ano retrasado para o Internacional, pelo qual atuou nas duas últimas temporadas. Sem acordo para renovar seu contrato, acabou ficando sem clube e teve até a aposentadoria cogitada. Nada, porém, foi oficializado.

Danilo (14J - 8V - 8E)

Outro remanescente, Danilo sofreu séria lesão no ano passado e trabalha para voltar a jogar (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Outro daquele elenco que segue no clube, foi decisivo ao marcar o gol do empate contra o Santos, na semifinal, e ao dar passe de calcanhar para Emerson abrir o placar no segundo jogo da final, no Pacaembu. Autor de quatro gols naquela campanha, foi titular absoluto da equipe até a metade de 2014. Reserva importante, lesionou-se gravemente no passado, em um treino, ao fraturar a fíbula. Com vínculo válido até dezembro deste ano, trabalha para voltar a atuar com o técnico Fábio Carille.

Douglas (5J - 4V - 1E)

Contratado no início daquele ano, três anos depois da sua primeira passagem pelo Parque São Jorge, acabou ficando apenas como opção para Danilo e Alex na armação. Chegou a fazer um gol, porém, na goleada por 6 a 0 sobre o Deportivo Táchira-VEN, no Pacaembu. Atuou pelo Alvinegro até 2014, antes de ser cedido ao Vasco. Depois, acabou parando no Grêmio, clube que defende até hoje.

Cachito Ramírez (1J - 1E)

Reserva, só foi usado por alguns minutos contra o Cruz Azul, no México, pela fase de grupos. Emprestado para a Ponte Preta em 2013, chegou a voltar em 2014 e teve algumas chances. Depois, acabou indo ao Botafogo e deu sequência à carreira no futebol peruano. Hoje, aos 32 anos, é atleta do Alianza Lima, uma das principais equipes de seu país.

Emerson Sheik (13J - 8V - 5E)

Emerson Sheik defende as cores da Ponte Preta agora (Foto: Sivulgação/AAPP)

Artilheiro da campanha com cinco gols marcados, teve participação fundamental ao marcar na semifinal contra o Santos, na Vila, e na final contra o Boca, no Pacaembu. Virou ídolo da torcida, mesmo emprestado para o Botafogo, e participou da equipe titular em 2015 antes do final do seu contrato. Após acertar com o Flamengo, passou um ano e meio no Rio. Sem jogar no primeiro semestre, assinou vínculo com a Ponte Preta em maio e, aos 38 anos, agora defende a Macaca.

Jorge Henrique (13J - 7V - 6E)

Importante na parte tática e autor de três gols na campanha, só não jogou uma vez porque foi expulso contra o Emelec-EQU, nas oitavas de final. Acabou saindo do clube um ano depois por desentendimento com Tite, atuando por Internacional e Vasco até chegar no Figueirense, sua atual equipe.

Liedson (11J -7V - 4E)

Um dos nomes com melhor média de gols no clube neste século, o centroavante foi fundamental no título brasileiro de 2011, mas caiu de produção no ano seguinte. Ainda assim, entrou na final contra o Boca, na Bombonera, e marcou um gol na campanha. Contratado pelo Flamengo e depois pelo Porto-POR, encerrou a carreira no ano seguinte, aos 36 anos.

Willian (8J - 4V - 4E)

Atacante hoje defende o arquirrival corintiano (Foto: SEP)

Nome importante no Brasileiro do ano anterior, perdeu espaço devido à boa fase dos titulares e ficou até fora da primeira final, contra o Boca, abrindo espaço para Romarinho no banco de reservas. Vendido ao Metalist-UCR após o título, voltou ao Brasil em 2013, sendo bicampeão nacional pelo Cruzeiro. Neste ano, foi contratado pelo arquirrival Palmeiras e briga por uma vaga de titular no Alviverde.

Élton (7J - 3V - 4E)

Atacante de área pedido por Tite, Élton atuou principalmente na primeira fase, quando conseguiu até marcar um gol, contra o Nacional-PAR. Rodou por cinco clubes brasileiros e dois asiáticos até disputar o Paulista deste ano pelo Red Bull. Depois, assinou contrato com o Ceará, clube que defende na Série B do Brasileiro.

Romarinho (1J - 1E)

Contratado após se destacar no Paulista pelo Bragantino, foi inscrito na semifinal e, com pouco menos de 15 minutos em campo, foi o responsável pelo gol diante do Boca Juniors, na Bombonera, facilitando o trabalho para o duelo da volta. Tido como talismã da torcida, foi vendido ao El-Jaish em 2014 e lá atua até hoje.

Gilsinho (não jogou)

Inscrito como opção para as pontas, não teve muitas oportunidades. Foi cedido para o Sport após o título e rodou por clubes brasileiros e asiáticos. Depois de jogar no Atlético-GO em 2016, defendeu o Avispa Fukuoka-JAP no primeiro semestre deste ano. Está com 33 anos.

Adriano (não jogou)

Adriano pouco conseguiu jogar desde aquele time (Foto: Reprodução)

Inscrito para a fase de grupos, não agradou por estar acima do peso e acabou dispensado pelo clube pouco depois, sendo trocado por Marquinhos nas oitavas de final. Jogou no Flamengo, na sequência, e, em 2014, esteve no Atlético-PR, sem conseguir manter uma média boa de atuações em ambos. Seu último clube profissional foi o Miami United, em 2016, mas ele não anunciou aposentadoria do esporte.

Deixe seu comentário