Derrotado por Blatter, Ali Bin diz que Platini "não é bom para Fifa"

São Paulo, SP

29-07-2015 12:01:03

Rival de Joseph Blatter no último pleito da Fifa, que aconteceu na mesma semana da ação conjunta entre FBI e polícia suíça que começou a desvendar esquemas de corrupção na entidade, o príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein comunicou, nesta quarta, que é contrário à candidatura de Michel Platini para o mais alto cargo do futebol mundial.

Após perder a eleição para o mandatário suíço em maio, o jordaniano criticou Platini que, junto com Maradona e Zico, já manifestou a intenção de concorrer as eleições presidenciais remarcadas para fevereiro de 2016. “Platini não é bom para a Fifa, os fãs de futebol merecem mais. A Fifa está envolvida em um escândalo, nós temos que parar de fazer negócios como de costume”, falou por meio da nota oficial.

Querendo acabar com acordos escusos, afim de conceder transparência e credibilidade à entidade, Ali Bin Al Hussein não deu indícios de que vai concorrer novamente ao cargo, mas sinalizou que a reforma e a mudança são necessárias pelo bem do futebol.

Príncipe jordaniano (E) desaprova candidatura de Platini à presidência da Fifa (Foto: Michael Buholzer/AFP)
Príncipe jordaniano (E) desaprova candidatura de Platini (D) à presidência da Fifa (Foto: Michael Buholzer/AFP)

“Eu acredito que vozes individuais das federações de futebol devem ser ouvidas. Na semana que vem, vou consultar com eles sobre quais são os melhores interesses do futebol. O que está claro é que a Fifa precisa do novo, liderança independente, não contaminada com as práticas do passado”, declarou.

O príncipe jordaniano tem pouco menos de três meses para decidir se vai concorrer ao pleito de 26 de fevereiro, que definirá o sucessor de Joseph Blatter, no cargo de presidente desde 1998, quando o brasileiro João Havelange se ausentou. A data limite para registrar as candidaturas é 26 de outubro deste ano, quatro meses antes do evento.

Eventual rival diz que presença de Platini na presidência é inaceitável

O presidente da Federação Liberiana de Futebol, Musa Bility, foi outro que condenou a candidatura do presidente da Uefa à chefia da Fifa. Terceiro candidato já oficializado a concorrer no pleito, ao lado de Zico e Platini, o liberiano de 48 anos acredita que a chegada do ex-jogador francês não acarretaria na reforma necessária.

"Platini não vai representar mudanças, foi vice-presidente da Fifa por oito anos. Ele não deve substituir Blatter, isso seria inaceitável. Ele tem sido o único a dizer que Blatter não é bom. Blatter deve sair, mas se você levar Platini, não é necessário substituir Blatter", comentou em entrevista à BBC.

Deixe seu comentário