COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Faz exatamente um ano que a Seleção Brasileira ganhou um novo rumo. Em 20 de junho de 2016, Tite foi oficialmente apresentado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) como substituto de Dunga, demitido após o fiasco na Copa América Centenário, e não precisou nem desses 12 meses para transformar a desconfiança generalizada em otimismo.

Em 11 jogos à frente do Brasil, Tite acumulou 10 vitórias e apenas uma derrota, obteve a classificação antecipada para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018, e alcançou a liderança do ranking da Fifa. Ainda viu Rogério Micale, hoje desempregado, conquistar o inédito título olímpico nos Jogos do Rio de Janeiro.

Há um ano, contudo, o cenário era outro. O desacreditado time que Tite herdou de Dunga ainda sofria com o descrédito provocado pela histórica e vexatória goleada por 7 a 1 para a Alemanha, no Mundial em casa, e passava a ficar com a classificação para a próxima Copa ameaçada. O novo comandante ainda precisava lidar com os questionamentos por trabalhar para Marco Polo Del Nero, presidente da CBF.

“O foco é a classificação para o Mundial”, pregou Tite, em sua apresentação, prometendo se aconselhar com os técnicos dos clubes brasileiros para ser bem-sucedido. “Não estamos na zona de classificação. Acredito que o trabalho nos dará essa condição, mas é claro que corremos risco. Não posso fugir da realidade. Estou aqui porque os resultados não vieram”, acrescentou.

Com o técnico que colecionou títulos a serviço do Corinthians, os resultados não tardaram a aparecer. Tite estreou com uma vitória elástica sobre o Equador, por 3 a 0, em Quito, no dia 1º de setembro. Naquele jogo, comemorou também o surgimento de um atleta capaz de dividir os holofotes com Neymar no ataque da Seleção Brasileira – Gabriel Jesus anotou dois gols; o astro do Barcelona, um.

No seu primeiro compromisso em casa, Tite sofreu um pouco mais. O Brasil bateu a Colômbia por 2 a 1 na Arena da Amazônia, e o treinador começou a ter o seu nome entoado pelos torcedores. Dizendo-se constrangido com os elogios, que sempre faz questão de dividir com os mais variados funcionários da CBF, ele enfileirou vitórias sobre Bolívia (5 a 0), Venezuela (2 a 0), Argentina (3 a 0) e Peru (2 a 0).

Àquela altura, o ambiente da Seleção já estava transformado – a crise se mudara para a Argentina, onde o técnico Edgardo Bauza não resistiria à pressão e acabaria trocado por Jorge Sampaoli. No Brasil, Tite se sentia seguro até para convocar um elenco caseiro para outro encontro com a Colômbia, desta vez no Engenhão, em amistoso realizado em prol dos familiares das vítimas do trágico acidente aéreo da Chapecoense. Ganhou por 1 a 0, com gol do palmeirense Dudu.

As rodadas seguintes das Eliminatórias foram marcantes para Tite. No lendário Estádio Centenário, a Seleção não tomou conhecimento do Uruguai de Edinson Cavani, goleado por 4 a 1. E, em Itaquera, casa do seu Corinthians, o sucessor de Dunga foi ovacionado de novo no triunfo por 3 a 0 sobre o Paraguai. Na sala de imprensa, recebeu a notícia de que a vaga na Copa do Mundo estava assegurada. “Obrigado, papai do céu!”, festejou.

Com o seu primeiro e até então principal objetivo cumprido, Tite passou a planejar os ajustes finais do Brasil para o Mundial de 2018. Poupou Neymar e outros jogadores de amistosos na Austrália recentemente, onde conheceu a sua primeira e não muito lamentada derrota, por 1 a 0 para a Argentina de Sampaoli. Depois, contudo, celebrou uma goleada por 4 a 0 em cima da seleção local.

Hoje, de olho na Copa do Mundo, Tite se prepara para ir justamente à Rússia, para observar as equipes participantes da Copa das Confederações. O técnico que beira a unanimidade no Brasil retornará ao país europeu no seu segundo ano à frente da Seleção, em junho de 2018, quando enfrentará o maior desafio da carreira.




Lionel Messi mostrou nesta quarta-feira que a Copa do Mundo é realmente sua maior obsessão. Depois de conquistar os principais torneios do mundo com o Barcelona, falta ao craque argentino o título mundial com o seu país. Agora sob o comando de Jorge Sampaoli, o camisa 10 parece estar mais otimista quanto a classificação para o torneio e lembrou que o início do principal evento futebolístico do planeta está próximo.

Através de uma de suas redes sociais, Messi postou uma foto em que aparecia com a camisa da seleção argentina e vestindo a faixa de capitão acompanhada legenda “Faltam 365 dias para a Rússia. Vamos seguir lutando pelo sonho!”.


Com a vitória por 1 a 0 sobre o time alternativo do Brasil em amistoso realizado em Melbourne, na Austrália, e, posteriormente, a goleada por 6 a 0 sobre Cingapura, os argentinos estão confiantes para a reta final das Eliminatórias Sul-Americanas. Atual quinta colocada, a seleção albiceleste no momento está garantindo um lugar na repescagem, no entanto, sob o comando de Jorge Sampaoli a tendência é que o time figure entre os quatro primeiros da tabela e vá diretamente para a Copa do Mundo.

A Argentina segue na busca por uma vaga no Mundial no próximo dia 31 de agosto, quando terá o dificílimo confronto contra o Uruguai, em Montevidéu, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Quatro dias depois recebe a Venezuela.



Denúncia fala de condições ilegais de trabalho nos estádios da Copa – Foto: AFP

Conforme relatório publicado nesta quarta-feira pela HRW, a Human Rights Watch, ONG internacional destinada a proteção dos Direitos Humanos, os operários envolvidos nas obras para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, são vítimas de abuso e exploração, sem que a Fifa garanta direitos básicos para os vítimas envolvidas.

A denúncia foi feita após a HRW visitar sete das obras de estádios para a Copa de 2018 e encontrar as irregularidades, com os operários submetidos a condições degradantes de trabalho.

“Os operários que constroem os estádios da Copa do Mundo são vítimas de abusos e de exploração, e a Fifa ainda não demonstrou sua capacidade de vigiar de modo eficaz, impedir e remediar os problemas”, indica a publicação de Jane Buchanan, diretora da HRW.

Entre as condições abusivas relatas estão a falta de pagamento de salários ou atraso do pagamento em vários meses, trabalho em temperatura inferior a 25 graus celsius negativos sem proteções suficientes e a falta de contratos para firmar um acordo legal de emprego.

“Os trabalhadores entrevistados pela Human Rights Watch alegaram ter medo de falar sobre a exploração, por temer represálias dos seus empregadores”, completa a ONG.

A Human Rights Watch ainda informa que 17 operários morreram nas obras dos estádios da Copa do Mundo.

 

 



Argentina goleia Cingapura por 6 a 0 (Foto: Roslan Rahman/AFP)

O problema que a Argentina estava sofrendo nas Eliminatórias Sul-Americanas pode ter sido detectado. Apesar de ter chegado apenas para os amistosos datados pela Fifa, Sampaoli trouxe grandes mudanças para os argentinos, que tiraram a invencibilidade da Era Tite, no último jogo, e golearam Cingapura, por 6 a 0, nesta terça-feira de manhã. Com gols de Fazio, Joaquín Correa, Papu Gómez, Paredes, Alario e Dí Maria, a Argentina levou a melhor no duelo amistoso com o Tigre Asiático.

Mesmo mantendo a superioridade durante toda a partida, demorou um pouco para a Argentina marcar o primeiro. Fazio foi abrir o placar somente aos 24 minutos de jogo, quando, numa jogada de escanteio, o zagueiro argentino ficou sozinho na área e chutou no canto do goleiro Sunny, que não teve chance de defesa.

Depois do primeiro, a Alviceleste não deu espaço algum para o time de Cingapura. Aos 30, fizeram o segundo com Joaquín Correa, que recebeu um belo cruzamento da estrela Dybala, fechando a primeira etapa com a vantagem do jogo.

No retorno do intervalo, o Tigre Asiático até tentou algumas jogadas perigosas, mas não teve sucesso. Logo aos 15 minutos de partida, Papu Gómez acertou um ótimo chute de fora da pequena área e marcou o terceiro dos visitantes.

Dominando a partida, foi a vez do estreante Paredes fazer pelos argentinos. Aos 28 da segunda etapa, o meia acertou o quarto tento e ampliou para os argentinos.

O juiz concedeu dois minutos de acréscimos e a Argentina marcou o quinto com Alario aos 45 minutos. E, aos 47, o astro Dí Maria fez o sexto, fechando o jogo e o placar para o time de fora.



Ilhas Salomão vencem e farão final com Nova Zelândia (Foto: OCF/Divulgação)

Ilhas Salomão ou Nova Zelândia irá para a repescagem da Copa do Mundo de 2018. A seleção das Ilhas venceu Papua Nova Guiné por 2 a 1 na última partida da terceira fase das Eliminatórias da Oceania para o torneio na Rússia e fará final com os neozelandeses.

A seleção de Papua Nova Guiné começou bem mais pressionada, pois, apesar de estar atuando em casa, a equipe precisava vencer com cinco gols de diferença, para ultrapassar as Ilhas na tabela do Grupo B da competição. Ainda assim, buscaram o resultado e abriram o placar aos 18 minutos de partida, com Raymond Gunemba.

Mesmo assim, os visitantes conseguiram reagir e foram atrás da virada ainda no primeiro tempo. Com uma sequência de finalizações perigosas, as Ilhas Salomão sofreram um pênalti na pequena área adversária e tiveram Henry Fa’arodo para converte-lo, aos 33. Poucos minutos depois, já durante os acréscimos, Jerry Donga aproveitou uma ótima oportunidade e desempatou com o segundo.

Vitoriosa, a equipe das Ilhas vai encarar a Nova Zelândia, líder do Grupo A, nos dias 17 de agosto e 5 de setembro. Quem vencer os confrontos irá pegar o quinto colocado das Eliminatórias da América do Sul para, assim, definir uma vaga na Copa do Mundo.



Seleção iraniana comemora vaga para Copa do Mundo assegurada (Foto: ATTA KENARE/AFP PHOTO)

O Irã garantiu sua classificação para a Copa do Mundo de 2018 nesta segunda-feira. A garantia veio de maneira antecipada após a equipe conseguir vencer o Uzbequistão pelo placar de 2 a 0 pela antepenúltima rodada das Eliminatórias Asiáticas.

Os gols iranianos foram marcados por Sardar Azmoun, aos 23 minutos do primeiro tempo, e Mehdi Taremi, aos 43 do segundo. Os três pontos conquistados neste início de semana faz com que o país chegue aos 20 e fique oito pontos a frente do Uzbequistão, restando apenas duas rodadas a serem disputadas.

As Eliminatórias Asiáticas classificarão de maneira direta quatro seleções para a Copa do Mundo. Pelo Grupo A, Irã já assegurou a sua classificação e apenas assiste a luta pela segunda fase, que envolve Coréia do Sul, que soma 13 pontos em sete jogos e Uzbequistão que acumula 12 pontos com oito partidas disputadas. Já pelo Grupo B, Japão e Arábia Saudita e Austrália somam 16 pontos e brigam acirradamente pelas duas vagas diretas.

Além da seleção iraniana, a Seleção Brasileira também já assegurou sua vaga por meio das Eliminatórias. Além das duas, a Rússia já possui sua participação garantida por ser o país sede do torneio que acontece no ano que vem.

 



Jogando em Dublin, no Estádio Aviva, a Irlanda recebeu a seleção da Áustria pela sexta rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 e ficou no empate em 1 a 1. A equipe visitante saiu na frente com bela jogada, mas os donos da casa empataram na segunda etapa e chegaram a virar, mas o gol de Duffy foi anulado por falta.

Com o resultado, a Irlanda assumiu a liderança provisória do grupo D, com 12 pontos conquistados, um a mais que a Sérvia, que tem um jogo a menos. A equipe eslava ainda encara o País de Gales encerrando a rodada da chave. Já a Áustria segue na terceira posição, com oito tentos.

Gol da Áustria foi marcado no primeiro tempo (Foto: Paul FAITH/AFP)

O primeiro gol saiu aos 31 do primeiro tempo em bela jogada ensaiada de escanteio. Pelo lado esquerdo, Alaba bateu rasteiro e dois jogadores deixaram a bola passar entre as pernas. Na altura do pênalti, Hinteregger chutou no cantinho e abriu o placar.

Já no segundo minuto da etapa complementar, Duffy subiu alto para cabecear, mas mandou à esquerda do gol austríaco. Na sequência, Alaba recebeu dentro da área e quase marcou o segundo de sua equipe.

O goleiro austríaco Heinz Lindner mostrou ao que veio aos 29, defendendo perigosa cabeçada de Wesley Hoolahan a meia altura no lado esquerdo da meta.

Depois de muito tentar e deixar sua defesa exposta, a Irlanda chegou ao gol de empate. Em um raro contra-ataque, o capitão Jonathan Walters disputou ombro a ombro com Dragovic, deixou o adversário no chão e chutou forte no canto de Lindner. Tudo igual.

Um minuto depois, Lidner fez uma defesa e a bola subiu. Na queda, Duffy escorou de cabeça e balançou as redes, mas o juiz mandou parar o lance por falta do atacante irlandês.

Brigando pelas últimas posições do grupo, a Geórgia conquistou um bom resultado jogando fora de casa contra a Moldávia. Após os donos da casa abrirem dois a zero no primeiro tempo com Ginsari e Dedov, os georgianos buscaram o empate. Merebashvili e Kazaishvili marcaram os tentos em quatro minutos e garantiram a Geórgia na penúltima colocação da chave, um ponto àfrente da Moldávia.

No grupo I, a Ucrânia venceu a Finlândia fora de casa por 2 a 1 e assumiu a vice-liderança provisória do conjunto. Konoplyanka e Besedin marcaram para os visitantes, enquanto Pohjanpalo descontou para os finlandeses, que seguem na penúltima posição com apenas um tento conquistado.



Aleksander Ceferin acredita nos britânicos como uma sede adequada para a Copa – Foto: AFP/JAVIER SORIANO

Com o Catar definido como sede para a Copa do Mundo de 2022 e a América do Norte sendo o provável destino da competição em 2026, a edição de 2030 ainda se encontra em aberto para pretendentes que sirvam como sede do maior torneio futebolístico do planeta. E a Inglaterra seria o país a ganhar essa disputa, no que depender do presidente da Uefa, o esloveno Aleksander Ceferin.

Segundo o dirigente, após passagens por outros continentes, seria a vez de a Europa sediar a competição. Uma Copa na Inglaterra levaria o país a ser novamente sede após a edição de 1966, em que os britânicos conseguiram levar o título.

“Para mim, eles são absolutamente capazes de sediar, de um ponto de vista organizacional e de infraestrutura. Claro, é uma decisão não só da Federação do país, mas do governo e outros também. Mas vocês sabem de tudo sobre o futebol inglês e britânico, e como eles merecem ter uma Copa do Mundo no futuro próximo”, afirmou Ceferin.

Como líder da entidade máxima do futebol europeu, o presidente garantiu que, caso a Federação Inglesa decida tentar sediar a Copa de 2030, receberá seu total apoio.

 

“Eu não sei quanto de encorajamento eles precisam, mas eles são capazes de organizar a Copa do Mundo, tenho certeza. Essa é uma decisão da Federação e se eles decidirem ir, nós vamos apoiá-los fortemente”, concluiu.

 



Foram definidas todas as oito seleções que seguem vivas na Copa do Mundo sub-20 de futebol, sediada na Coreia. Nesta quinta-feira, no clássico mundial, a França venceu a Itália por 2 a 1 e avançou na competição. México e Estados Unidos também se garantiram nas quartas.

Com clima de rivalidade grande, a Itália saiu na frente no confronto com gol de Orsolini aos 27 do primeiro tempo. Augustin, de pênalti, empatou o marcador ainda na primeira etapa, aos 37. Já nos quarenta e cinco minutos finais, Panico marcou novamente para a Azurra.

A Itália segue na briga pelo Mundial sub-20 (Foto: KIM DOO-HO/AFP)

Agora nas quartas, o time tetracampeão mundial no profissional irá enfrentar a Zâmbia, que foi zebra na Coreia e eliminou a Alemanha por 4 a 3 em jogo com direito a prorrogação.

Quem também não obteve uma classificação fácil foi o México. Jogando contra a forte seleção do Senegal, os norte-americanos fizeram uma partida disputada e saíram vencedores com um tento salvador de Cisneros aos 44 do segundo tempo. A equipe agora encara a Inglaterra na próxima fase.

Já os Estados Unidos conquistaram a classificação com facilidade. Jogando contra a Nova Zelândia, o time comandado por Tab Ramos foi ao intervalo vencendo por 1 a 0, gol de Sargent. Nos 45 minutos finais, contudo, a equipe jogou mais solta e marcou mais cinco tentos: Ebobisse (aos 19 minutos), Lennon (20), Glad (31), Trusty (39) e Kunga (48) marcaram. O próximo adversário será a Venezuela.

Confira todos os confrontos das quartas de final:

Domingo (04 de junho)

Portugal x Uruguai
Venezuela x Estados Unidos

Segunda-feira (05 de junho)

Itália x Zâmbia
México x Inglaterra