Futebol

Bastos exalta importância de clubes pequenos e reprova cultura de base no Brasil

Fernanda Zalcman* e José Victor Ligero - São Paulo , SP
31/08/2018 09:00:51

Em: Campeonato Paulista, Futebol
Reinaldo Carneiro Bastos comanda FPF desde 2015 (Foto: Djalma Vassão/ Gazeta Press)

Depois de três anos como presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos foi eleito para um novo mandato de quatro anos, entre 2019 a 2022, nesta quinta-feira. E ao fazer uma avaliação sobre sua gestão até aqui, admitiu que faltou uma atenção especial ao clube pequenos do estado, fazendo questão de frisar a importância deles no futebol como um todo.

“Nesse quesito (ações tomadas em prol dos clubes pequenos) especificamente nós evoluímos pouco. A força do futebol brasileiro está na grande quantidade de pequenos clubes. Os grandes clubes são a vitrine, são o que mostram a potência do futebol brasileiro, interna e externamente. A Seleção Brasileira é outra vitrine. Mas quem faz essa roda girar são 700 clubes pequenos no Brasil inteiro”, destacou em entrevista na sede da federação após a eleição, e completou: “Se perder o respeito pela grande quantidade de pequenos clubes, vai acabar com o futebol brasileiro”.

Veja também:

Presidente da FPF garante VAR a partir das quartas de final do Paulista em 2019

Ainda nesse contexto, Bastos fez duras críticas sobre a cultura de base existente no Brasil, ressaltando a importância de educar os jovens atletas para o futuro.

“Organizar as competições, capacitar os dirigentes, capacitar os treinadores. Influir na base da educação desses meninos. Nós somos o país da simulação. Isso vem da base, vem desde os pequenos. O garoto desrespeita o árbitro, não respeita o seu treinador, assina seu primeiro contrato por três anos e falta no dia seguinte… Não são todos, é claro”, disparou.

“A gente tem que mudar a cultura, o conceito, educar. Se a gente não sair do lugar comum, não vamos colher nada diferente. A base é a mesma, sem um departamento médico… Não é porque os clubes querem, é porque não se entende como algo bom. Os clubes veem fisioterapeuta, médico, um executivo como despesa. Não é despesa. Isso é investimento”, encerrou.

*Especial para Gazeta Esportiva




  • Verdumn

    Se pretendem mesmo incentivar os clubes pequenos, precisam criar calendário o ano todo para eles , sugiro que o campeonato paulista seja disputado paralelo ao brasileiro, os clubes grandes usariam seus times sub 23 com permissão de utilização de até 8 atletas com idade superior, e assim com certeza haveria um ganho para todos … , mais ainda, os clubes ditos grandes deveriam priorizar o mando de seus jogos em cidades do interior onde possuem redutos de torcedores , isto evitaria o acúmulo de jogos na capital e faria com que o interior tivesse mais oportunidade de ver seus jogos pelo regional…