Gazeta Esportiva

Revolta nas redes sociais chinesas com as imagens de torcedores sem máscara na Copa do Mundo

AFP - São Paulo,SP

23/11/22 | 11:52

As imagens de torcedores sem máscara na Copa do Mundo do Catar estão irritando os chineses nas redes sociais, que continuam submetidos às rígidas medidas da política de "covid zero" de Pequim, enquanto o resto do mundo convive com o vírus.

"Alguns assistem pessoalmente aos jogos da Copa do Mundo e sem máscaras, enquanto outros ficam confinados em suas casas, no mesmo local há dois meses, sem poder sair de casa", escreveu um morador de Guangdong na rede social Weibo, o equivalente chinês do Twitter.

"Quem me roubou a vida? Não direi", acrescentou, em meio às reclamações sobre a política do governo chinês de limitar a propagação de casos de covid-19.

A China, onde a covid-19 foi detectada no final de 2019, é a última grande economia do mundo que continua tentando conter a propagação do coronavírus confinando cidades ou bairros inteiros e obrigando milhões de pessoas a fazer testes.


Mesmo assim, o número diário de casos chegou a 29.157 nesta quarta-feira, baixo em comparação com outros países, mas próximo ao recorde nacional registrado em abril.

De acordo com analistas do Instituto Nomura, mais de um 25% da população da China foi colocada sob algum tipo de confinamento na terça-feira, em contraste com as multidões na Copa do Mundo.

"A Copa do Mundo permite que a maioria dos chineses veja a realidade no exterior, se preocupe com a economia de sua pátria e com sua própria juventude", escreveu outro usuário do Weibo da província de Shaanxi.

Uma carta aberta questionando se a China está "no mesmo planeta" que o Catar foi postada no aplicativo de mensagens WeChat na terça-feira, mas foi censurada e removida da plataforma.

As partidas da Copa do Mundo são exibidas na China pela rede estatal CCTV, a mesma que bombardeia os chineses com informações negativas sobre o caos e as inúmeras mortes causadas pela covid-19 nos Estados Unidos.

Deixe seu comentário