Gazeta Esportiva

Fifa inicia nova guerra no futebol com projeto de Copa do Mundo bienal

AFP - São Paulo,SP

10/09/21 | 20:31

Ao planejar uma Copa do Mundo a cada dois anos em vez de quatro, a Fifa está colocando o futebol em uma nova guerra, com o risco de divórcio dos clubes e das ligas europeias. Já proposta e descartada nos anos 1990, a ideia de uma Copa do Mundo bienal ressurgiu nos últimos meses. O francês Arsene Wenger, diretor de desenvolvimento da Fifa, ficou encarregado de defendê-la na mídia na semana passada.

Mas não é uma iniciativa isolada. No final de maio, a entidade mundial iniciou "um estudo de viabilidade" solicitado pela Federação Saudita, junto ao presidente da Fifa, Gianni Infantino. O dirigente ítalo-suíço disse estar aberto "a tudo" na reforma do calendário com o único objetivo de combater a desigualdade no futebol.

Uma fase final a cada ano

O principal argumento da Fifa é que organizar a Copa do Mundo a cada dois anos significa mais receita a ser distribuída entre as federações, principalmente as africanas, asiáticas e sul-americanas, mais dependentes do grande torneio do que o próspero futebol europeu.

Segundo Wenger, a ideia seria ter a fase final de um torneio a cada verão a partir de 2025-2026, alternando Copas do Mundo e competições continentais como a Eurocopa e a Copa América, juntando todas as Eliminatórias em outubro ou em outubro e março. Desta forma, os jogadores de seleções reduziriam as viagens longas e se beneficiariam de "pelo menos 25 dias" de descanso após as suas competições do verão europeu.

Presidente Gianni Infantino e diretor de desenvolvimento Arsene Wenger (Foto: Karim Jaafar/AFP)

O presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, criticou esta proposta em meados de junho, julgando-a "impossível" em uma entrevista à AFP, mas o debate ressurgiu esta semana. Segundo Infantino, "uma decisão" será tomada antes "do final do ano".

Nesta segunda-feira, Ceferin argumentou que o aumento da frequência do torneio, que acontece a cada quatro anos desde 1930 (1991, nas competições femininas), iria "diluir" a "joia" do futebol mundial.

A Associação Europeia de Clubes (ECA) estimou que "não há lugar" no calendário atual para uma fase final a cada ano, especificando que não recebeu "nenhuma proposta concreta" da Fifa para discuti-la.

Vários treinadores criticaram a ideia de uma Copa do Mundo bienal, como Jurgen Klopp (Liverpool), que avalia que neste projeto "só o dinheiro importa".

Para a Conmebol, uma Copa do Mundo a cada dois anos poderia "distorcer" a competição, "rebaixando sua qualidade e prejudicando seu caráter de exclusividade e seus atuais padrões de exigência".

Por fim, o Fórum das Ligas Mundiais (WLF) prometeu na quarta-feira "enfrentar" este projeto que atende "aos interesses de curto prazo da Fifa em detrimento da economia do futebol e da saúde dos jogadores".

Maioria silenciosa?

Mal posicionada na batalha de opiniões, a Fifa se apoiou em um punhado de ex-jogadores e treinadores em Doha nesta quinta-feira. "Todos estamos de acordo", disse o dinamarquês Peter Schmeichel à imprensa, enquanto o brasileiro Ronaldo garantiu que, se alguém perguntar a Messi ou Cristiano Ronaldo, "eles dirão que sim".

Apesar das reações negativas, é a FIFA que detém a chave para a decisão final, por meio de seu comitê executivo e de seu congresso. No momento, os adversários declarados do projeto são minoria. Mesmo que a entidade internacional atinja o seu objetivo, os clubes europeus podem não concordar em ceder seus jogadores durante vários meses e assumir um risco maior de lesões.

A recente recusa de alguns clubes ingleses em liberar seus atletas para países com alto risco de covid-19 ilustra o que pode ser sua guerra com a Fifa, que pode ter seus planos levados à Justiça.

Finalmente, Ceferin alertou na quinta-feira no jornal The Times sobre um boicote das federações europeias, cujos países venceram as últimas quatro Copas do Mundo. "Podemos decidir não jogar. Pelo que eu sei, os sul-americanos estão na mesma linha, então boa sorte em uma Copa do Mundo como essa", disse ele.

Deixe seu comentário