Futebol Internacional/ Liga dos Campeões

Neymar brilha e garante classificação histórica ao Barça na Champions

São Paulo , SP
08/03/2017 18:53:12 — 08/03/2017 20:25:26

Em: Barcelona, Futebol, Futebol Internacional, Liga dos Campeões, Paris Saint Germain

O Barcelona fez história nesta quarta-feira, ao se garantir nas quartas da Liga dos Campões da Europa, depois de vencer o Paris Saint-Germain por 6 a 1. Com uma postura intensa durante todo o confronto, os catalães saíram à frente por 3 a 0, com tentos de Suárez, Kurzawa – contra – e Messi em cobrança de um pênalti duvidoso, viram os franceses praticamente garantirem a vaga, com gol de Cavani, mas foram atrás do placar e contaram com a estrela brasileira de Neymar, que marcou dois e deu assistência para Sergi Roberto, para avançar à próxima fase

Até o começo do segundo tempo, quando já venciam por 3 a 0, os catalães davam indícios de que conseguiriam superar a desvantagem jamais superada na história da Champions. Os franceses, no entanto, cresceram durante os 45 minutos finais e até chegaram a colocar uma bola na trave antes de diminuírem. Quando o duelo se encaminhava para o fim, porém, Neymar fez questão de coroar sua linda atuação no jogo. O brasileiro incendiou o duelo com um gol de falta e gol de pênalti, também duvidoso, e deu uma assistência, garantindo a classificação azul e grená.

Classificado pela 10ª vez consecutiva às quartas, feito nunca alcançado por outro time europeu, o Barça aguarda apenas o complemento das oitavas de final e a realização de um sorteio para conhecer os próximos adversários no torneio continental. Já o time da França, depois da eliminação, volta as atenções ao Campeonato Francês, competição na qual aparecem na vice-liderança.

Pressão catalã, gol relâmpago e bloqueio francês

Suárez desvia de cabeça para abrir a contagem no Camp Nou (Foto: Josep Lago/ AFP)
Suárez desvia de cabeça para abrir a contagem no Camp Nou (Foto: Josep Lago/ AFP)

Entrando em campo com apenas três defensores, três jogadores de meio-campo e quatro atacantes, o Barça imprimiu um ritmo muito intenso logo no começo e não demorou a colher os frutos da forte pressão. Aos três minutos, após confusão na área, Luis Suárez desviou de cabeça, aproveitando vacilo do volante Marco Verratti, e encobriu o goleiro Trapp. Em busca de evitar o gol, o lateral direito Meunier correu, conseguiu afastar, mas a bola já tinha passado inteiramente da linha e o juiz se utilizou do recurso eletrônico para validar o tento catalão.

A equipe comandada por Luis Enrique seguiu tomando conta das ações, apesar de o PSG contar com dois escanteios, mas sofria para transpor o bloqueio adversário. Trabalhando em cima do resultado alcançado na França, os parisienses permaneciam no campo de defesa e faziam muitas faltas para impedir os ataques dos mandantes.

Ainda dominante, o Barça se mantinha disposto a alcançar o resultado e, assim como no primeiro tento anotado, sofreu, mas conseguiu colocar a bola nas redes mais uma vez. Aos 39 minutos, Luis Suárez tabelou com Iniesta e lançou o camisa 8 dentro da área. O meia, sem ângulo, tocou de calcanhar para o meio da área e o lateral esquerdo Layvin Kurzawa acabou mandando para a própria meta.

Cavani tranquiliza franceses, mas Neymar brilha e garante Barça nas quartas

(Foto: Lluis Gene/AFP)
Neymar garante classificação azul e grená (Foto: Lluis Gene/AFP)

Da mesma maneira que entraram na primeira etapa, os catalães voltaram para a segunda. Ritmo intenso, posse de bola e um pênalti foi responsável por colocá-los ainda mais à frente na vantagem. Aos três minutos, Neymar recebeu do lado esquerdo, entrou na área e foi derrubado por Meunier, que escorregou ao tentar acompanhar o brasileiro. O juiz pediu auxílio do assistente de linha e apontou para a marca da cal. Messi foi para a cobrança e cobrou com maestria, no canto direito e Trapp.

Com o Barça se aproximando de levar a decisão à prorrogação, o PSG decidiu acordar e quase balançou as redes aos seis minutos. Aproveitando contra-ataque, Meunier saiu em velocidade, deu um lindo chapéu em Neymar e cruzou para Cavani, que carimbou a trave de perna esquerda.

Se arriscando um pouco mais ao ataque, depois de ficarem a primeira etapa inteira na defesa, os visitantes se aproximaram de acabar com as chances do Barcelona. Aos 16 minutos, após bola alçada na área, Kurzawa recuou para Cavani, que bateu de primeira, com a bola ainda no alto, para estufar as redes e tranquilizar os franceses.

Muito próximo de avançar, o PSG desperdiçou uma grande chance de acabar com qualquer chance ao azar. Logo depois de deixar o dele, Cavani recebeu sozinho, aos 18 minutos, saiu na cara do goleiro, mas chutou mal, facilitando a defesa.

Mesmo com a missão ainda mais difícil, tendo que marcar seis gols, o Barça não se abateu e contou com todo o talento de Neymar para ficar com a classificação. Primeiramente aos 42 minutos, cobrando falta com perfeição no ângulo direito de Trapp, e depois, aos 45, convertendo pênalti sofrido por Suárez, o brasileiro deixou os dele, e ainda deu uma assistência para Sergi Roberto, nos acréscimos, para fazer história. A penalidade que rendeu o quinto gol azul e grená, assim como a primeira, foi polêmica e aconteceu por conta de um contato de Marquinhos em Suárez.

FICHA TÉCNICA
BARCELONA 6 X 1 PARIS SAINT-GERMAIN

Local: Estádio Camp Nou, em Barcelona (Espanha)
Data: 08 de março de 2017
Horário: 16h45 (de Brasília)
Árbitro: Deniz Aytekin (ALE)
Assistentes: Guido Kleve e Markus Häcker (ambos ALE)

Cartões Amarelos: Piqué, Sergio Busquets, Raktic, Neymar e Luis Suárez (Barcelona); Draxler, Matuidi, Cavani, Verrati e Marquinhos (PSG)

Gols: 
Barcelona: Luis Suárez, aos 2, e Kurzawa (contra), aos 39 minutos do primeiro tempo; Messi, aos três, Neymar, aos 42 e aos 45 minutos e Sergi Roberto, nos acréscimos do segundo tempo
PSG: Cavani, aos 16 minutos do segundo tempo

BARCELONA: Ter Stegen; Piqué, Mascherano e Umtiti; Sergio Busquets, Iniesta (Turan) e Raktic (André Gomes); Messi, Neymar, Rafinha (Sergi Roberto) e Suárez
Técnico: Luis Enrique

PSG: Trapp; Meunier (Krychowiak), Marquihhos, Thiago Silva e Kurzawa; Rabiot, Matuidi e Verratti; Lucas (Dí Maria), Draxler (Aurier) e Cavani
Técnico: Unai Emery