COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Atacante Willian fez careta ao passar por exame de sangue na Granja Comary (Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação)

Concentrada na Granja Comary, a Seleção terá uma rotina intensa de trabalhos nesta quarta-feira. Antes da atividade em campo, marcada para a tarde, os atletas convocados pelo técnico Tite passaram por uma série de avaliações físicas e foram submetidos a exames de sangue.

Além das análises exigidas pela Fifa para participar da Copa do Mundo, a comissão técnica vem realizando exames complementares para colher informações individualizadas sobre cada jogador. O processo foi iniciado na segunda-feira, primeiro dia de concentração.

Na tarde desta quarta, o técnico Tite enfim conduzirá o primeiro treinamento em campo no Granja Comary. Danilo, Neymar e Gabriel Jesus estiveram no gramado na terça-feira, mas fizeram apenas atividades leves com bola, sem a presença do comandante.

Dos 23 atletas convocados por Tite, há 20 em Teresópolis. Marquinhos, Filipe Luis, Fred, Danilo, Gabriel Jesus, Ederson, Fágner, Neymar, Thiago Silva, Renato Augusto, Douglas Costa, Taison, Fernandinho, Willian, Geromel, Cássio, Alisson, Miranda, Paulinho e Philippe Coutinho estão alojados na Granja Comary.

Marcelo, Casemiro e Firmino, finalistas da Copa dos Campeões, encontram o grupo apenas na Inglaterra. A Seleção Brasileira permanece em Teresópolis até sábado e, no dia seguinte, parte do Rio de Janeiro para Londres. Nos dois últimos amistosos antes do Mundial, enfrenta Croácia (3 de junho, em Liverpool) e Áustria (10 de junho, em Viena).

A estreia na Copa da Rússia, em Rostov, contra a Suíça, está marcada para as 15 horas (de Brasília) do dia 17 de junho, quando a comissão técnica espera contar com Neymar em 100% de suas condições. Costa Rica e Sérvia completam o Grupo E do torneio.

 



 

Will Smith será um dos cantores na musica oficial da Copa do Mundo na Rússia (Foto: AFP)

Nesta quarta-feira, a Fifa anunciou a música oficial da Copa do Mundo na Rússia. A canção, que estará presente em vários momentos durante o Mundial, se chamará “Live It Up” e terá como cantores Will Smith, Nicky Jam e Era Istrefi, além da produção do DJ  e produtor Diplo, que trabalhou recentemente com Anitta e Pablo Vittar.

A música será lançada oficialmente nesta sexta-feira, enquanto que o vídeo oficial estará disponível para o público a partir do dia 07 de junho. A Fifa também destacou que a canção estará presente na grande final do evento, poucos minutos antes das duas nações entrarem no estádio Luzhniki, de Moscou, no dia 15 de julho.

“É uma grande honra para mim ter sido convidado para estar presente e cantando na música oficial da Copa do Mundo. É um evento que reúne milhões de pessoas ao redor do mundo para se divertirem e torcerem pelos seus países. Trabalhar com Nicky, Diplo e Era é uma grande honra e uniu muita harmonia durante a música”, destacou  o ator e cantor Will Smith.

Já a cantora albanesa Era Istrefi, enalteceu o evento, que terá início no próximo dia 14. “Fazer parte da Canção Oficial da Copa do Mundo da FIFA de 2018 tem sido uma experiência incrível e emocionante até o momento. Trabalhar ao lado de artistas talentosos como Diplo, Will Smith e Nicky Jam, de quem todos eu tenho grande admiração, tem sido incrível e extremamente divertido. Eu sou um grande fã de futebol também, então mal posso esperar para que comece a Copa do Mundo”.

Na última Copa do Mundo, realizada no Brasil em 2014, a música oficial do evento teve como interpretes a americana Jennifer Lopes, o rapper Pitbull e a brasileira Cláudia Leitte. OCom o nome “We are one” (“Nós somos um”), o hit foi composto pelos três cantores, auxiliados por produtores de uma gravadora americana.

 





O ex-goleiro Taffarel, famoso pelas defesas de pênalti, prevê um aumento no número de penalidades marcadas na Copa do Mundo da Rússia. Assim, a comissão técnica da Seleção Brasileira já pensa em como preparar os arqueiros para eventuais decisões por tiros livres.

A edição da Rússia da Copa do Mundo será a primeira com o recurso do árbitro de vídeo. Experiente, Taffarel imagina que a possibilidade de analisar as imagens dos lances polêmicos durante as partidas implique no aumento do número de faltas dentro da área detectadas.

“Nessa Copa do Mundo, com o vídeo, provavelmente teremos mais pênaltis. Muitas vezes, pelas imagens vemos pênaltis que o juiz não marca. Vamos nos preparar muito. Em um primeiro momento, estamos mais analisando os adversários, mas depois vamos focar bastante nessa questão”, declarou o preparador.

Convocado para defender o Brasil nas edições de 1990, 1994 e 1998 da Copa do Mundo, Taffarel brilhou em decisões por tiros livres. Nos Estados Unidos, a Seleção foi tetracampeã nos pênaltis diante da Itália e, na França, eliminou a Holanda na semifinal.

“É um trabalho integrado com os analistas de desempenho. Vamos buscar informações dos prováveis batedores. Os jogos estão cada vez mais equilibrados e muitas decisões se encaminham aos pênaltis. A opção final é do goleiro, mas temos que fornecer informações para que o atleta faça a melhor escolha”, disse o preparador Rogério Maia.

Claudio Taffarel e Rogério Maia preparam Alisson, Ederson e Cássio para participar de uma Copa do Mundo de forma inédita. Concentrada em Teresópolis, a Seleção Brasileira permanece na Granja Comary até sábado e, no dia seguinte, embarca para a Inglaterra.




Dos 23 jogadores convocados por Tite para defender o Brasil na Copa do Mundo, 20 se apresentaram na Granja Comary até esta terça-feira. Os outros três não viajarão a Teresópolis e encontram a Seleção na Inglaterra, onde enfrentam a Croácia em amistoso de preparação para o Mundial. E o motivo para a apresentação tardia é dos melhores.

Marcelo, Casemiro e Roberto Firmino estarão neste sábado em Kiev, na Ucrânia, para a final da Liga dos Campeões da Europa, na qual Real Madrid e Liverpool disputam o título de clubes mais cobiçado do futebol mundial. O time da capital espanhola tenta sua terceira conquista seguida e 13ª na história, enquanto o clube inglês tenta sua sexta conquista, a primeira desde 2005.

Na Copa do Mundo, a dupla do Real certamente será titular na equipe brasileira. Marcelo ocupará a lateral esquerda da Seleção pelo segundo Mundial consecutivo, enquanto Casemiro vem sendo titular desde que Tite assumiu o comando do time. Firmino, o brasileiro do lado vermelho da final, é reserva imediato de Gabriel Jesus.

Um dos melhores do mundo, Marcelo é peça chave no Real e na Seleção

Melhor lateral esquerdo do mundo desde 2015 segundo a eleição da Bola de Ouro, Marcelo Vieira da Silva Júnior, de 30 anos, se firmou como o titular da posição nesta década. Revelado pelo Fluminense, o jogador chegou ao Real Madrid em 2007, aos 19 anos, e tomou conta da posição após a saída de Roberto Carlos.

Pelo clube da capital espanhola, o camisa 12 conquistou quatro vezes o Campeonato Espanhol e três vezes a Liga dos Campeões e o Mundial de Clubes. Além disso, foi eleito para a seleção ideal da FIFPro quatro vezes (2012, 2015, 2016 e 2017) e para o time do ano da Uefa duas vezes (2011 e 2015).

Marcelo foi eleito quatro vezes o melhor lateral esquerdo do mundo (Foto: Benjamin Cremel/AFP)

Na Seleção, o caminho foi parecido. Marcelo estreou com a camisa verde e amarela em 2006, em amistoso contra o País de Gales, quando tinha apenas 18 anos e defendia o tricolor carioca. No entanto, não foi convocado para a Copa do Mundo de 2010 por Dunga, que preferiu Michel Bastos e Gilberto.

Mas após o Mundial de 2010, com a chegada de Mano Menezes à Seleção, Marcelo se firmou como o dono da lateral esquerda. Ele foi titular na Copa do Mundo de 2014, com Felipão à frente da equipe, e durante todo o período de Tite no comando.

Casemiro é homem de confiança de Tite e Zidane no meio-campo

Casemiro não teve o mesmo início de carreira de seu colega Marcelo. O volante de 26 anos chegou ao time principal do São Paulo em 2010 como uma das grandes promessas da base, mas não se firmou. Mesmo assim, fez parte do elenco que conquistou a Copa Sul-Americana em 2012.

Sem espaço no Tricolor, ele foi emprestado com opção de compra ao Real Madrid Castilla, equipe filiada ao time merengue que disputa divisões inferiores do futebol espanhol. O clube espanhol comprou seus direitos e o emprestou ao Porto, onde se destacou. De volta ao Real, a partir da temporada 2015-16, começou a se firmar como um dos jogadores mais importantes no esquema de Zinedine Zidane. Com a camisa merengue, o meio-campista conquistou três Ligas dos Campeões e três Mundiais de Clubes, além de um Campeonato Espanhol.

Casemiro chegou ao Real Madrid Castilla e conquistou seu espaço no time principal (Foto: Nikolay Doychinov/AFP)

Casemiro estreou pela seleção em 2011, contra a Argentina, sob o comando de Mano Menezes. Na ocasião, só foram convocados jogadores que atuavam no Brasil. Nos anos seguintes, o volante esteve em algumas convocações, mas foi somente em 2016, com a chegada de Tite, que ele se firmou na da Seleção. Em 2018, na Rússia, Casemiro é titular certo em busca do hexacampeonato.

Firmino foi de desconhecido no Brasil a um dos artilheiros da Europa

Natural de Alagoas, o atacante Roberto Firmino começou a chamar atenção desde jovem. Revelado na base do CRB, o centroavante acertou sua transferência ao Figueirense em 2008, ainda nas categorias de base. No ano seguinte, foi promovido à equipe principal, fazendo sua estreia contra a Ponte Preta. A estadia no futebol nacional durou pouco: já em 2011, Firmino acertou com o Hoffenheim, da Alemanha, e rumou para a Europa, onde, na temporada 2013/14, “estourou”. O atacante marcou 16 gols no Campeonato Alemão, ficando entre os artilheiros da disputa e ainda sendo eleito revelação do ano. As atuações impressionaram o Liverpool, clube inglês que acertou sua contratação em 2015.

No Liverpool, Firmino se firmou como um dos principais atacantes do futebol mundial (Foto: Paul Ellis/AFP)

Nos Reds, o alto nível de desempenho se manteve. Os primeiros dois anos foram mais “tímidos”, com 11 e 12 gols marcados, respectivamente. Entretanto, na atual temporada, coroada com a presença na grande final da Liga dos Campeões, Firmino mais uma vez surpreendeu: mostrando ótimo entrosamento com o senegalês Mané e o egípcio Salah, o atacante e agora camisa 9 adotou papel central no ataque inglês. As performances não passaram despercebidas: em abril, o centroavante renovou seu contrato com o Liverpool, estendendo o vínculo existente até 2023 e tornando-se o jogador mais bem pago do time.

As atuações não passaram despercebidas pela Seleção Brasileira. Quando ainda estava no Hoffenheim, o jogador foi lembrado pelo técnico Dunga e fez sua estreia pelo Brasil no dia 12 de novembro de 2014: goleada de 4 a 0 sobre a Turquia. O primeiro gol veio pouco tempo depois, somente seis dias, contra a Áustria. Roberto Firmino permaneceu figurando nas convocações da Seleção, e até aqui tem oito jogos como titular e outros onze como substituto, combinados com sete gols e ainda nenhum título conquistado.

Veja também: Campeões nacionais decepcionaram na Liga dos Campeões



Há torcedores da Suíça nas proximidades da Granja Comary, base da Seleção Brasileira na preparação para a Copa da Rússia. Vizinho de Teresópolis, o município de Nova Friburgo foi fundado por imigrantes do país que enfrenta o Brasil na estreia do Mundial.

Leia mais:
Nova Friburgo recebeu preparação para o Mundial 1962

Com a Suíça em profunda crise econômica e social, o cantão de Fribourg enviou um emissário ao Brasil em 1818 para negociar com o rei Dom João VI. Após o acordo com o monarca, firmado em um 16 de maio, 429 famílias imigraram para a região serrana e fundaram Nova Friburgo.

Em dificuldades com o clima e para cultivar as terras locais, alguns colonos não permaneceram no povoado, enquanto outros ficaram e passaram a trabalhar com comércio. Duzentos anos depois, Nova Friburgo ainda tem laços com a Suíça, como foi possível ver nas comemorações pelo bicentenário da cidade, festejado há uma semana.

A Casa Suíça, localizada a menos de 60 quilômetros da Granja Comary, é um símbolo da influência helvética na região. O centro cultural compreende um memorial, uma galeria de artes, um auditório com 155 lugares e uma boutique de livros e souvenires, além de uma queijaria que difunde a arte suíça da fabricação de queijo e chocolate ao leite.

Às 15 horas (de Brasília) do próximo dia 17 de junho, a Seleção preparada em Teresópolis encontrará a Suíça em seu primeiro compromisso pela Copa do Mundo. De acordo com Rosane Canto, diretora cultural da Casa Suíça, o time europeu conta com torcedores em Nova Friburgo.

“Sempre tem. Para eles, é um orgulho dizer que têm um pezinho na Europa, que os ancestrais vieram e passaram por muitas dificuldades, mas que hoje eles estão aqui, perseverantes”, contou a turismóloga, que em 2013 realizou período de estágio na Suíça.

Antes concentrada nos festejos pelos 200 anos de fundação de Nova Friburgo, a Casa Suíça agora estuda a possibilidade de promover um evento para acompanhar o confronto pela Copa do Mundo, que será disputado na cidade russa de Rostov.

“Todos ficam naquele pensamento: para quem vou torcer? Mas o coração bate pelos dois países. Ganhando um ou outro, todo o mundo está feliz”, contou Rosane Canto sobre os torcedores de Nova Friburgo, reconhecida oficialmente como “Suíça brasileira” pelo governo de Luiz Fernando Pezão em setembro de 2017.

A Granja Comary, base da Seleção, fica a menos de 60 quilômetros da Casa Suíça (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

A Casa Suíça, fundada em 1996, mantém diálogo constante com o país europeu por meio do Instituto Fribourg-Nova Friburgo e do contato com as representações diplomáticas instaladas no Brasil. Localizado no quilômetro 18 da estrada Friburgo-Teresópolis, o local abre todos os dias (9h às 18h) e cobra R$ 1,00 de entrada.

A entidade costuma receber excursões escolares e visitantes suíços, além de turistas de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Curiosamente, de acordo com a diretora cultural Rosane Canto, os habitantes de Nova Friburgo ainda estão “descobrindo” o local.

“Por incrível que pareça, as pessoas acham a Casa Suíça longe, porque fica a 20 quilômetros do centro. Estamos começando uma agenda de eventos para fazer com que ela seja mais conhecida dentro do próprio município. Ainda há muitas pessoas em Nova Friburgo que são descendentes de suíços, mas não sabem”, explicou.