Atletismo/São Silvestrinha

José João da Silva cita importância da São Silvestrinha para jovens atletas

São Paulo, SP
18/12/2016 08:00:35 — 18/12/2016 09:08:48

Em: Atletismo, Mais Esportes, São Silvestrinha
José João da Silva foi à São Silvestrinha para prestigiar os jovens atletas (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)
José João da Silva foi à São Silvestrinha para prestigiar os jovens atletas (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Além de levar uma medalha para casa, os campeões da 23ª edição da São Silvestrinha tiveram o privilégio de conhecer um dos grandes nomes das corridas de rua no Brasil. Bicampeão da São Silvestre, vencendo nos anos de 1980 e 1985, o corredor José João da Silva foi ao evento para parabenizar os jovens que subiram ao pódio na pista de atletismo do Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães.

Ciente de seu legado para o atletismo brasileiro, José João da Silva falou da importância de sua imagem como ex-atleta e da disputa de uma prova como a São Silvestrinha para jovens que pretendem vencer no esporte e se tornar grandes nomes das corridas de rua no Brasil.

“Hoje as redes sociais são muito fortes. Você anunciar que está aqui um Marílson(Gomes dos Santos), um José João da Silva, um Ronaldo da Costa, o atleta vai saber porque a molecada é antenada e elas querem chegar a uma São Silvestre. A São Silvestrinha é uma grande plataforma para elas chegarem lá. Se eles têm um apoio necessário, eles podem chegar lá. Isto aqui é apenas o primeiro pódio deles se eles tiverem o sonho e a vontade de correr”, afirmou o ex-maratonista.

José João da Silva aproveitou para comentar também sobre a São Silvestre, corrida da qual é um dos grandes nomes na história. Para o ex-atleta, o Brasil é sempre favorito na prova e tem totais condições de quebrar o jejum de títulos, que dura desde 2010 no masculino e 2006 no feminino.

“A São Silvestre sempre é uma surpresa. Eu entrei nela várias vezes para ganhar e acabei não ganhando. Tive duas terceiras colocação, um vice e dois primeiros lugares. A prova é muito dura e competitiva. Mas nós brasileiros sempre somos favoritos, porque estamos correndo em casa, os atletas sabem da importância. Eu acredito que ganhar a São Silvestre é quase uma medalha olímpica. Então ela dá uma força a mais para o atleta ganhar”, declarou.

O ex-maratonista completou avaliando os principais nomes que ele imagina que podem quebrar este jejum. “O próprio Giovani(dos Santos), que ganhou a meia maratona do Rio. A Sueli(Pereira), que foi quarta no ano passado. A Joziane Cardoso, que foi a quinta. Todos estes têm condições de ganhar, já que eles dão um foco grande para este evento. É nível olímpico. Para ganhar terá que ser muito bom. Falam bastante dos quenianos, mas os brasileiros são sempre favoritos. Se pegar a história, estamos próximos dos quenianos”, completou.

A 93ª Corrida de São Silvestre está marcada para o próximo dia 31 de dezembro, como já é tradicional em sua história. O pelotão de elite feminino iniciará a corrida dando largada às 8h40(de Brasília). Já o masculino começa a prova às 9h(de Brasília).